Seg. Previsão do Tempo e Modelos - Abril 2014

GonçaloMPB

Cumulus
Registo
17 Set 2010
Mensagens
434
Local
Évora, Alentejo Central
Évora sempre no meio da "cena" toda. :lol:

Podem esclarecer aqui um novato? O CAPE tem a ver com a energia convectiva não é? Isso significa o quê concretamente? A probabilidade de trovoada aumenta em que sentido? Os modelos parecem modelar o CAPE elevado apenas no interior... O que me leva a concluir que será a típica trovoada de Verão (desenvolvimento vertical elevado, formando-se durante a tarde, logo após o almoço (pico de temperatura) e dissipando-se ao fim da tarde), estarei certo? Digo isto, porque a nível de entrada de frentes não vejo nada nos modelos.

Espero não estar a dizer baboseiras, mas sou apenas um amador.
 
  • Gosto
Reactions: Manditu

Brunomc

Nimbostratus
Registo
7 Abr 2008
Mensagens
1,977
Local
Vendas Novas - Alto Alentejo (132m)
Évora sempre no meio da "cena" toda. :lol:

Podem esclarecer aqui um novato? O CAPE tem a ver com a energia convectiva não é? Isso significa o quê concretamente? A probabilidade de trovoada aumenta em que sentido? Os modelos parecem modelar o CAPE elevado apenas no interior... O que me leva a concluir que será a típica trovoada de Verão (desenvolvimento vertical elevado, formando-se durante a tarde, logo após o almoço (pico de temperatura) e dissipando-se ao fim da tarde), estarei certo? Digo isto, porque a nível de entrada de frentes não vejo nada nos modelos.

Espero não estar a dizer baboseiras, mas sou apenas um amador.

Penso que falta mais uns ingredientes para haver trovoadas, tipo humidade alta etc.. Se houvesse condições para trovoadas com um CAPE/LI assim até caía granizo do tamanho de bolas de golf :lmao:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Trovoada
 

Miguel96

Cumulonimbus
Registo
13 Fev 2011
Mensagens
3,129
Local
Espinho, distrito de Aveiro
Quarta-feira vai haver trovoada ou não no Alentejo?,pois os valores de CAPE estão altíssimos.
 

SpiderVV

Staff
Registo
26 Ago 2010
Mensagens
8,302
Local
Portalegre (400m)
Penso que falta mais uns ingredientes para haver trovoadas, tipo humidade alta etc.. Se houvesse condições para trovoadas com um CAPE/LI assim até caía granizo do tamanho de bolas de golf :lmao:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Trovoada
Pois, exactamente, a humidade em altura não é muita para haver trovoada, mas mesmo assim a previsão é provavelmente exagerada no CAPE, e o GFS anda a sonhar um bocado.

0XJviMK.png
 

Brunomc

Nimbostratus
Registo
7 Abr 2008
Mensagens
1,977
Local
Vendas Novas - Alto Alentejo (132m)
Pois, exactamente, a humidade em altura não é muita para haver trovoada, mas mesmo assim a previsão é provavelmente exagerada no CAPE, e o GFS anda a sonhar um bocado.

Sim, o GFS anda mesmo a sonhar muito...:lmao:
Entretanto o IPMA na previsão descritiva para Terça-feira já aponta trovoadas para a tarde.
 

GonçaloMPB

Cumulus
Registo
17 Set 2010
Mensagens
434
Local
Évora, Alentejo Central
A minha questão é: Quando se fala de trovoadas associadas a um CAPE elevado, fala-se de trovoadas predominantes em zonas do interior com elevado desenvolvimento vertical? As chamadas "trovoadas de Verão"?

Pergunto isto no sentido de distinguir trovoadas interiores e trovoadas provenientes de células vindas do Atlântico, visto que o GFS modela para 3ª feira pressões elevadas e um padrão que me parece anti-ciclónico, sem entrada de frentes. :rolleyes:

Peço desculpa pelo off-topic.
 
  • Gosto
Reactions: Manditu

james

Cumulonimbus
Registo
16 Set 2011
Mensagens
4,541
Local
Viana Castelo(35 m)/Guimarães (150 m)
A minha questão é: Quando se fala de trovoadas associadas a um CAPE elevado, fala-se de trovoadas predominantes em zonas do interior com elevado desenvolvimento vertical? As chamadas "trovoadas de Verão"?

Pergunto isto no sentido de distinguir trovoadas interiores e trovoadas provenientes de células vindas do Atlântico, visto que o GFS modela para 3ª feira pressões elevadas e um padrão que me parece anti-ciclónico, sem entrada de frentes. :rolleyes:

Peço desculpa pelo off-topic.



Esse tipo de trovoadas , existindo condicoes para isso , atinge muitas vezes o Litoral , como ainda no ano passado aconteceu mais do que uma vez .
 

Lightning

Cumulonimbus
Registo
25 Jul 2008
Mensagens
4,114
Local
Corroios
Esse tipo de trovoadas , existindo condicoes para isso , atinge muitas vezes o Litoral , como ainda no ano passado aconteceu mais do que uma vez .

Sim, vá lá que na situação modelada o pessoal amante das nortadas e de estragar as expectativas com pessimismo não pode proclamar-se :p

A maioria das cartas de previsão de vento a 10 metros de altura mostra vento fraco ou nulo para as tardes quase todas.
 

stormy

Super Célula
Registo
7 Ago 2008
Mensagens
5,117
Local
Lisboa
Há CAPE mas de momento parece faltar forçamento dinamico que sirva de disparo.
O gradiente térmico nos primeiros 3-4km é fraco, devido á presença de uma caping layer/EML saariana, pelo que a energia concentrada durante o dia nos niveis baixos dificilmante se conseguirá libertar.

No entanto poderá haver uma janela de oportunidade 4a, 5a e 6a, em que é possivel que uma short wave passe sobre PT continental de SW para NE.

Isto arrefeceria os niveis médios, com fluxo mais oceanico em vez de saariano na camada 850-700hpa, e assim a capping layer seria enfraquecida permitindo a libertação da energia convectiva.

2a e 3a com a capping layer, poderemos ter CAPE alto mas seriam precisos valores ainda maiores para furar a camada de ar quente saariana...o que pode acontecer é que se gere convecção elevada...ou seja, a convecção originar-se logo a partir da camada quente nos niveis médios dada a presença de ar relativamente frio nos niveis altos...assim poderiamos ter alguns aguaceiros mas com nuvens de base muito alta ( 1.5 a 2.5km) pelo que dificilmente a precipitação chegaria ao solo.

É de referir que caso as condições melhorem mesmo na 4a 5a e 6a, com valores de CAPE de 1.5 a 3Kj/Kg, havendo um pouco de shear e suporte dinamico, facilmente se gerariam células muito fortes, nomeadamente capazes de gerar granizo severo ou muito severo e down/microbursts com rajadas pelo menos marginalmente severas..é algo a acompanhar...mas falta muito tempo..
 

sergiosilva

Cirrus
Registo
24 Dez 2013
Mensagens
50
Local
Braga
Se chover é ainda na região norte, mas já será pouco provável. Como entraremos em massa de ar quente, não são prováveis aguaceiros.
Entretanto ainda alguma nebulosidade a norte.

Manditu, gostaria de te pedir um favor visto confiar bastante nas tuas previsões. Neste momento encontro-me a fazer os caminhos de Santiago vou entrar amanhã na Galiza tui mais propriamente.nos dias seguintes e até sexta até chegar a Santiago. Que tempo poderei encontrar por estes dias nesta região da península.
Obrigado
Agradeço também a opinião de todos os outros membros.
 
  • Gosto
Reactions: Manditu

Manditu

Cumulus
Registo
18 Jan 2009
Mensagens
171
Local
Caxinas - Vila do Conde (70 metros do oceano)
Manditu, gostaria de te pedir um favor visto confiar bastante nas tuas previsões. Neste momento encontro-me a fazer os caminhos de Santiago vou entrar amanhã na Galiza tui mais propriamente.nos dias seguintes e até sexta até chegar a Santiago. Que tempo poderei encontrar por estes dias nesta região da península.
Obrigado
Agradeço também a opinião de todos os outros membros.

Antes de mais obrigado pelas tuas palavras, são lisonjeantes. Mas independentemente do meu conhecimento, talvez pela forma não tão técnica e traduzida do que interpreto seja a razão de perceberes melhor o que informo.

Relativamente à tua questão, como já se confirma há uma melhoria do estado do tempo. Embora amanhã o ceú esteja algo ainda nublado, não deverá ocorrer precipitação. Durante a manhã conta com algum nevoeiro e chuvisco / forte orvalho, principalmente nos caminhos nos vales. A Galiza é muito montanhosa e há fenómenos intrínsecos à região.

Segunda e terça conta com céu pouco nublado ou mesmo limpo. Manhãs frescas, típicas da região, como já te expliquei, mas as tardes serão bem agradáveis, a temp poderá ultrapassar facilmente os 20ºC, em especial nas zonas mais baixas onde poderão alcançar os 25ºC.

Quarta será também um dia bom no geral, mas nas zonas montanhosas, a partir da tarde, há possibilidade de formação de nebulosidade e possa pingar!

Mais provável deste fenómeno na quinta-feira onde os aguaceiros poderão ocorrer, em especial a partir da tarde. Pode trovejar! E já agora, fica o conselho: Se trovejar e ainda no caminho, desçam das zonas montanhosas e procurem abrigo em algum sitio longe das árvores.

Na sexta, a chegada a Santiago apesar de já sem possibilidade de precipitação, o tempo por lá estará fresco.

Nesta situação de aguaceiros formados por convecção no continente, é sempre muito, mas mesmo muito difícil saber-se onde a tempestade / célula irá-se formar, são fenómenos muito localizados, poderás ter sorte, embora a probabilidade seja grande destes fenómenos em zonas montanhosas.

Um abraço e faz uma boa caminhada. Lá, reza por nós! ;)
 
  • Gosto
Reactions: sergiosilva

Manditu

Cumulus
Registo
18 Jan 2009
Mensagens
171
Local
Caxinas - Vila do Conde (70 metros do oceano)
A minha questão é: Quando se fala de trovoadas associadas a um CAPE elevado, fala-se de trovoadas predominantes em zonas do interior com elevado desenvolvimento vertical? As chamadas "trovoadas de Verão"?

Pergunto isto no sentido de distinguir trovoadas interiores e trovoadas provenientes de células vindas do Atlântico, visto que o GFS modela para 3ª feira pressões elevadas e um padrão que me parece anti-ciclónico, sem entrada de frentes. :rolleyes:

Peço desculpa pelo off-topic.

Gonçalo, não me pareces tão leigo. Compreendes muito bem a diferença entre ambas as situações.
De facto tanto numa (do oceano) como na outra (no em terra no interior), o CAPE é de certa forma um indicador de facto de que há muito mais energia em terra para formar as tais tempestades. TENDO EM CONSIDERAÇÃO O NOSSO CLIMA e a LATITUDE, nesta altura do ano o sobreaquecimento em terra, quando associados a um vale depressionario à superfície ou em altitude e havendo humidade, estes fenómenos formam-se muito rapidamente, por causa do catalisador (o Calor), pois durante a noite, não é tão provável de se formarem. O CAPE é por isso um indicador de condições para a formação dessas, mas nem sempre que haja um CAPE relativamente alto, se formem tempestades nessa zona.
Nas previsões mostram que o CAPE seja muito alto no Alentejo, mas as tempestades têm grande probabilidade de se formarem mais a norte.

Mas de facto, a noção que tens está muito certa. De facto, na nossa latitude, tendo em conta o nosso clima, as tempestades ou células convectivas originam muito mais descargas eléctricas em quando se formam em terra do que as do oceano. O CAPE responde a isso. Mas, embora as mesmas nem sempre provocam mais quantidade de precipitação. Porque em terra há menos vapor de água do que no oceano.

É tudo muito mais complexo do que analisar mapas / cartas de previsão com modelos X, Y, Z. Há por trás mais informação e linguagem para perceber. Se assim quiser dizer sem parecer lamechas, é um pouco como o amor, sente-se mas não se vê.:)
 

Manditu

Cumulus
Registo
18 Jan 2009
Mensagens
171
Local
Caxinas - Vila do Conde (70 metros do oceano)
Há CAPE mas de momento parece faltar forçamento dinamico que sirva de disparo.
O gradiente térmico nos primeiros 3-4km é fraco, devido á presença de uma caping layer/EML saariana, pelo que a energia concentrada durante o dia nos niveis baixos dificilmante se conseguirá libertar.

No entanto poderá haver uma janela de oportunidade 4a, 5a e 6a, em que é possivel que uma short wave passe sobre PT continental de SW para NE.

Isto arrefeceria os niveis médios, com fluxo mais oceanico em vez de saariano na camada 850-700hpa, e assim a capping layer seria enfraquecida permitindo a libertação da energia convectiva.

2a e 3a com a capping layer, poderemos ter CAPE alto mas seriam precisos valores ainda maiores para furar a camada de ar quente saariana...o que pode acontecer é que se gere convecção elevada...ou seja, a convecção originar-se logo a partir da camada quente nos niveis médios dada a presença de ar relativamente frio nos niveis altos...assim poderiamos ter alguns aguaceiros mas com nuvens de base muito alta ( 1.5 a 2.5km) pelo que dificilmente a precipitação chegaria ao solo.

É de referir que caso as condições melhorem mesmo na 4a 5a e 6a, com valores de CAPE de 1.5 a 3Kj/Kg, havendo um pouco de shear e suporte dinamico, facilmente se gerariam células muito fortes, nomeadamente capazes de gerar granizo severo ou muito severo e down/microbursts com rajadas pelo menos marginalmente severas..é algo a acompanhar...mas falta muito tempo..

Meu caro, tecnicamente está fantástico e são fantásticas as tuas explicações. Mas não são demasiado técnicas?! Pois mesmo para mim há termos que desconheço e apenas por traduzir à minha linguagem o que interpreto dos mapas, sei o que queres dizer.

Por exemplo: Em vez de "short wave" dizeres vale depressionário.

Tens muita linguagem técnica na base da língua inglesa, mas há termos que não se aplicam ou não se podem traduzir à letra.
Se já do Português de Portugal para o do Brasil já hão termos diferentes para o mesmo conceito, muito mais hão do inglês norte-americano para o nosso.

Isso é o que tu lês, mas nós queremos que tu traduzas pois nem todos são tão bons como tu e sabemos que há muita gente que vem cá que são leigas e buscam informação. ;)

(o forum faz um excelente serviço publico e nós contribuímos)
 

Agreste

Furacão
Registo
29 Out 2007
Mensagens
10,015
Local
Aljezur (48m) - Faro (11m)
Ou acabamos com um céu cheio de virgas ou a convecção nem sequer vai disparar... A coluna de ar é interrompida por uma camada de ar seco. :mad:
 
  • Gosto
Reactions: Duarte Sousa

stormy

Super Célula
Registo
7 Ago 2008
Mensagens
5,117
Local
Lisboa
Ou acabamos com um céu cheio de virgas ou a convecção nem sequer vai disparar... A coluna de ar é interrompida por uma camada de ar seco. :mad:

Seco e quente...o ar quente por cima não deixa subir o que vem de baixo.

Na realidade com CAPE´s altos o ar ser seco nem tem influencia...com CAPE mais fraco ( abaixo de uns 800J/Kg mas tambem depende da espessura do ar seco..) é que o ar seco pode ter efeitos de forte inibição convectiva.

Nesta run das 18z o GFS coloca a perturbação em altura a chegar na 4f, ainda sem tempo para interagir com os maiores gredientes térmicos nos niveis médios, portanto, em tempo de céu limpo sem o tal céu de virga com convecção de base alta.
Se assim for há uma possibilidade de haver uma interacção explosiva entre esta e os valores impressionantes de CAPE que se vão gerar no interior centro e sul..