Sismos Portugal 2021

vamm

Cumulonimbus
Registo
26 Set 2014
Mensagens
2,100
Local
Ourique
Sismo de magnitude 2.7 a sudoeste de Oeiras.

zKygbzf.png
Já vi relatados pelo facebook de terem sentido bem e com "barulho" na zona de Corroios
 

Snifa

Furacão
Registo
16 Abr 2008
Mensagens
10,221
Local
Porto-Marquês:145 m Mogadouro:749 m
IPMA, sem informação ( para já) que tenha sido sentido:

**Aviso de Sismo no Continente 31-01-2021 11:44**

Informação Sismológica Aviso de Sismo no Continente 31-01-2021
11:44 O Instituto Português do Mar e da Atmosfera informa que no dia
31-01-2021 pelas 11:44 (hora local) foi registado nas estações da
Rede Sísmica do Continente, um sismo de magnitude 2.7 (Richter) e
cujo epicentro se localizou a cerca de 10 km a Sul-Sudoeste de
Oeiras. Até à elaboração deste comunicado não foi recebida
nenhuma informação confirmando que este sismo tenha sido sentido.
Se a situação o justificar serão emitidos novos comunicados.
 

Snifa

Furacão
Registo
16 Abr 2008
Mensagens
10,221
Local
Porto-Marquês:145 m Mogadouro:749 m
IPMA confirma que foi sentido:

**Aviso de Sismo Sentido no Continente 31-01-2021 11:44**

Informação Sismológica Aviso de Sismo Sentido no Continente
31-01-2021 11:44 O Instituto Português do Mar e da Atmosfera informa
que no dia 31-01-2021 pelas 11:44 (hora local) foi registado nas
estações da Rede Sísmica do Continente, um sismo de magnitude 2.7
(Richter) e cujo epicentro se localizou a cerca de 10 km a Sul de
Oeiras.Este sismo, de acordo com a informação disponível até ao
momento, não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com
intensidade máxima III (escala de Mercalli modificada) nos concelhos
de Cascais e Oeiras (Lisboa).
Se a situação o justificar serão
emitidos novos comunicados


III - Fraco. Sentido dentro de casa. Os objetos pendentes baloiçam. A vibração é semelhante à provocada pela passagem de veículos ligeiros. É possível estimar a duração mas pode não ser reconhecido como um sismo.

Escala de Mercalli Modificada (1956)

pPpSwe8.jpg


Escala de Mercalli Modificada (azores.gov.pt)
 
Última edição:

"Charneca" Mundial

Cumulonimbus
Registo
28 Nov 2018
Mensagens
3,778
Local
Corroios (cota 26); Aroeira (cota 59)
Na Charneca de Caparica nadinha de nada... :D
 

meteo

Nimbostratus
Registo
15 Fev 2008
Mensagens
1,975
Local
Oeiras
Nada senti aqui pelo velho Oeste, creio que um sismo de 2.7 na escala de Ritcher é tão fraco que é práticamente insensível,senão memo insensível .


Quase todos os sismos perto da intensidade 3 (A baixa profundidade) que foram em terra nos últimos anos, no IPMA têm tido indicação que foram sentidos. O meu pai este sentiu muito bem em Oeiras e num primeiro andar.
 
Última edição:

Mammatus

Nimbostratus
Registo
27 Dez 2019
Mensagens
520
Local
Barreiro (actual) / Lisboa
Não senti nada, com efeito, estou relativamente afastado à zona do epicentro.

A localização do abalo é próxima ao Canhão de Lisboa, parece-me uma situação normal.
 

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,107
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
Não senti nada, com efeito, estou relativamente afastado à zona do epicentro.

A localização do abalo é próxima ao Canhão de Lisboa, parece-me uma situação normal.

Mesmo assim localiza-se numa zona de fundo marinho relativamente plano, não é perto da beira do canhão, está mais no enfiamento dos baixios do Bugio. Gostava de saber qual é o histórico daquela área em particular.

3vhldLI.jpg
 
Última edição:

Mammatus

Nimbostratus
Registo
27 Dez 2019
Mensagens
520
Local
Barreiro (actual) / Lisboa
Geologia da Região: Sismo de 31 de janeiro de 2021, sul de Oeiras, magnitude 2.7.

Um sismo de magnitude 2.7 foi sentido, com maior intensidade na região dos concelhos de Oeiras e Cascais, e também Almada; o epicentro localizou-se a cerca de 10 km a sul de Oeiras, na zona do delta do Tejo.

A região a sul de Lisboa está afetada por fraturas profundas com duas orientações preferenciais: NNW-SSE, verticais e ~E-W inclinando para norte ou para sul com inclinações próximas de 40°. Estas falhas profundas têm origem muito antiga e desempenharam um papel importante na compartimentalização da margem continental Oeste Portuguesa durante a abertura do oceano Atlântico, no Jurássico (~200 milhões de anos). Há cerca de 15 milhões de anos foram reactivadas durante a formação das montanhas alpinas, que em Portugal se representam pela serras da Estrela, Arrábida, Montejunto e outras. Estas falhas tiveram ainda um papel muito importante no Cretácico Superior durante a instalação à superfície dos vulcões do Complexo Vulcânico de Lisboa e do granito da serra de Sintra (~80 milhões de anos), tendo servido como condutas para ascensão do magma.

Para compreender a estrutura profunda e o controlo tectónico dos episódios vulcânicos passados, e assim perceber a tectónica actual, realizaram-se estudos de perfis sísmicos de reflexão e levantamentos magnéticos.
Recentemente foi descoberto no delta submarino do rio Tejo, na região do sismo de 31/01/2021, um deslizamento de terras submarino com cerca de 10 km de comprimento, 4 de largura e 20 metros de espessura, apenas a cerca de 40 metros abaixo da superfície do mar e que terá ocorrido há cerca de 11 000 anos. Este grande deslizamento poderá estar relacionado com a actividade sísmica da região.

Lateralmente justaposto a este deslizamento encontra-se um depósito de gás nos sedimentos recentes. A origem deste gás é ainda desconhecida e encontra-se em fase de estudo pelo projecto TAGUSGAS (PTDC/CTA-GEO/031885/2017), uma parceria entre a Universidade de Évora, o IPMA e a EMEPC, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Compreender a origem do gás, a sua relação com os deslizamentos e a sismicidade é importante para mitigar o risco de tsunami na região de Lisboa.

Portugal continental, em particular a região de Lisboa, é frequentemente afectado por sismicidade, geralmente de baixa magnitude, devido à sua localização próxima da fronteira entre as placas tectónicas Africana e Euroasiática, que se estende dos Açores a Gibraltar e através do Mediterrâneo.

Apesar de a maior parte da actividade se localizar no mar, existe alguma transferência de tensões para a região intraplaca, que tendencialmente se localiza em falhas ou em zonas de contraste litológico, por exemplo associado a intrusões magmáticas existentes na crosta.

Sismo.jpg


https://www.ipma.pt/pt/media/notici...a/noticias/textos/Sismo_31janeiro_oeiras.html