Sonda Dawn, viagem ao asteróide Vesta e planeta-anão Ceres

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,234
Local
Castelo Branco
Está prevista a chegada da missão Dawn ao asteróide proto-planetário 4 Vesta para o próximo dia 16 de Julho do corrente ano.

Esta missão continuará depois em direcção do planeta anão Ceres.

O objectivo desta missão, a primeira á cintura de asteróides entre Marte e Júpiter, é estudar os asteróides e os proto-planetas que orbitam essa zona do sistema solar, e compreender a formação, e diferenciação dos planetas.

Mais informação neste endereço.
http://dawn.jpl.nasa.gov/
 

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,234
Local
Castelo Branco
Parece que a sonda já entrou em órbita de Vesta, mas vai continuar a queimar combustível até sensivelmente Agosto, altura em que a Órbita em torno de Vesta estará estabilizada dando início á missão cientifica... Como a sonda ainda está a queimar combustível as únicas fotos obtidas até ao momento são as fotos de navegação, obtidas para orientar a nave em direcção ao asteróide... de acordo com o FAQ da missão, http://dawn.jpl.nasa.gov/mission/faqs.asp, a quantidade de fotografias divulgadas deverá nessa altura subir de uma por semana para uma por dia.

http://dawn.jpl.nasa.gov/feature_stories/spacecraft_to_enter_asteroid_orbit.asp
NASA Spacecraft to Enter Asteroid's Orbit on July 15

JPL Press Release

July 14, 2011 - PASADENA, Calif. -- On July 15, NASA's Dawn spacecraft will begin a prolonged encounter with the asteroid Vesta, making the mission the first to enter orbit around a main-belt asteroid.

As the spacecraft approaches Vesta, surface details are coming into focus, as seen in a recent image taken from a distance of about 26,000 miles (41,000 kilometers). The image is available at: http://www.nasa.gov/mission_pages/dawn/multimedia/dawn-image-070911.html.

Engineers expect the spacecraft to be captured into orbit at approximately 10 p.m. PDT Friday, July 15 (1 a.m. EDT Saturday, July 16). They expect to hear from the spacecraft and confirm that it performed as planned during a scheduled communications pass that starts at approximately 11:30 p.m. PDT on Saturday, July 16 (2:30 a.m. EDT Sunday, July 17). When Vesta captures Dawn into its orbit, engineers estimate there will be approximately 9,900 miles (16,000 kilometers) between them. At that point, the spacecraft and asteroid will be approximately 117 million miles (188 million kilometers) from Earth.

"It has taken nearly four years to get to this point," said Robert Mase, Dawn project manager at NASA's Jet Propulsion Laboratory in Pasadena, Calif. "Our latest tests and check-outs show that Dawn is right on target and performing normally."

Engineers have been subtly shaping Dawn's trajectory for years to match Vesta's orbit around the sun. Unlike other missions, where dramatic propulsive burns put spacecraft into orbit around a planet, Dawn will ease up next to Vesta. Then the asteroid's gravity will capture the spacecraft into orbit. However, until Dawn nears Vesta and makes accurate measurements, the asteroid's mass and gravity will only be estimates. So the Dawn team will need a few days to refine the exact moment of orbit capture.

Launched in September 2007, Dawn will depart for its second destination, the dwarf planet Ceres, in July 2012. The spacecraft will be the first to orbit two solar system destinations beyond Earth..

Dawn's mission to Vesta and Ceres is managed by JPL for NASA's Science Mission Directorate in Washington. Dawn is a project of the directorate's Discovery Program, which is managed by NASA's Marshall Space Flight Center in Huntsville, Ala. UCLA is responsible for overall Dawn mission science. Orbital Sciences Corp. of Dulles, Va., designed and built the spacecraft. The German Aerospace Center, the Max Planck Institute for Solar System Research, the Italian Space Agency and the Italian National Astrophysical Institute are part of the mission team.

For a current image of Vesta and more information about the Dawn mission, visit: http://www.nasa.gov/dawn and http://dawn.jpl.nasa.gov. You can also follow the mission on Twitter at: http://www.twitter.com/NASA_Dawn.

Jia-Rui Cook/Priscilla Vega 818-354-0850/4-1357
Jet Propulsion Laboratory, Pasadena, Calif.
jccook@jpl.nasa.gov / priscilla.r.vega@jpl.nasa.gov
Dwayne C. Brown 202-358-1726
NASA Headquarters, Washington
dwayne.c.brown@nasa.gov
 

adiabático

Cumulus
Registo
19 Nov 2007
Mensagens
316
Local
Lumiar
No outro dia vi o asteróide Vesta ao telescópio. Com uma magnitude aparente de 5,52 deveria mesmo ser visível a olho nú, em boas condiçoes de visibilidade. Está na constelação do Capricórnio e não será visível nos próximosdias, devido ao brilho da Lua. Se não estou em erro, Vesta faz a passagem pelo meridiano perto das 23h pelo que, dentro de dias, será um astro para procurar no início da noite.
 

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,234
Local
Castelo Branco
No outro dia vi o asteróide Vesta ao telescópio. Com uma magnitude aparente de 5,52 deveria mesmo ser visível a olho nú, em boas condiçoes de visibilidade. Está na constelação do Capricórnio e não será visível nos próximosdias, devido ao brilho da Lua. Se não estou em erro, Vesta faz a passagem pelo meridiano perto das 23h pelo que, dentro de dias, será um astro para procurar no início da noite.

retirado da wiki...

Its size and unusually bright surface make Vesta the brightest asteroid, and it is occasionally visible to the naked eye from dark skies (without light pollution). In May and June 2007, Vesta reached a peak magnitude of +5.4, the brightest since 1989.[50] At that time, opposition and perihelion were only a few weeks apart. It was visible in the constellations Ophiuchus and Scorpius.

Cumps.

http://dawn.jpl.nasa.gov/feature_stories/spacecraft_enters_orbit.asp
NASA's Dawn Spacecraft Enters Orbit Around Asteroid Vesta
News Release: 2011-212

July 16, 2011 - PASADENA, Calif.NASA's Dawn spacecraft on Saturday became the first probe ever to enter orbit around an object in the main asteroid belt between Mars and Jupiter.

Dawn will study the asteroid, named Vesta, for a year before departing for a second destination, a dwarf planet named Ceres, in July 2012. Observations will provide unprecedented data to help scientists understand the earliest chapter of our solar system. The data also will help pave the way for future human space missions.

"Today, we celebrate an incredible exploration milestone as a spacecraft enters orbit around an object in the main asteroid belt for the first time," NASA Administrator Charles Bolden said. "Dawn's study of the asteroid Vesta marks a major scientific accomplishment and also points the way to the future destinations where people will travel in the coming years. President Obama has directed NASA to send astronauts to an asteroid by 2025, and Dawn is gathering crucial data that will inform that mission."

The spacecraft relayed information to confirm it entered Vesta's orbit, but the precise time this milestone occurred is unknown at this time. The time of Dawn's capture depended on Vesta's mass and gravity, which only has been estimated until now. The asteroid's mass determines the strength of its gravitational pull. If Vesta is more massive, its gravity is stronger, meaning it pulled Dawn into orbit sooner. If the asteroid is less massive, its gravity is weaker and it would have taken the spacecraft longer to achieve orbit. With Dawn now in orbit, the science team can take more accurate measurements of Vesta's gravity and gather more accurate timeline information.

Dawn, which launched in September 2007, is on track to become the first spacecraft to orbit two solar system destinations beyond Earth. The mission to Vesta and Ceres is managed by NASA's Jet Propulsion Laboratory in Pasadena, Calif., for the agency's Science Mission Directorate in Washington. Dawn is a project of the directorate's Discovery Program, which is managed by NASA's Marshall Space Flight Center in Huntsville, Ala.

The University of California, Los Angeles, is responsible for the overall Dawn mission science. Orbital Sciences Corp. of Dulles, Va., designed and built the spacecraft. The German Aerospace Center, the Max Planck Institute for Solar System Research, the Italian Space Agency and the Italian National Astrophysical Institute are part of the mission's team. JPL is a division of the California Institute of Technology in Pasadena.

For information about the Dawn mission, visit: http://www.nasa.gov/dawn and http://dawn.jpl.nasa.gov.

To follow the mission on Twitter, visit: http://www.twitter.com/NASA_Dawn.

Priscilla Vega 818-354-1357
Jet Propulsion Laboratory, Pasadena, Calif.
Priscilla.r.vega@jpl.nasa.gov

Dwayne Brown 202-358-1726
NASA Headquarters, Washington

http://dawn.jpl.nasa.gov/mission/status.asp

July 17, 2011
Dawn in Orbit Around Vesta

As Dawn continued thrusting, it was gently captured in orbit by Vesta around 10:00 PM PDT on July 15. Navigational analysis will be required to determine the exact time of capture. On July 16 it observed Vesta again.

Dawn is about 13,000 kilometers (8,000 miles) from Vesta today and approaching it at 23 meters per second (51 mph).
 

adiabático

Cumulus
Registo
19 Nov 2007
Mensagens
316
Local
Lumiar
Corrigindo o meu post de ontem, a Lua já se encontrava bem afastada pelo que já ontem era possível a observação de Vesta.

Esta missão da NASA é emocionante - como o são todas as missões interplanetárias que vão, pouco a pouco, mudando a nossa imagem do sistema solar. Nesta momento estão sondas activas na órbita dos planetas Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter, Saturno e agora do asteróide Vesta, está em marcha a New Horizons a caminho de Plutão e de outros corpos da cintura de Kuyper, sendo de assinalar que a Voyager I já atingiu a fronteira do sistema solar e continua activa e a mandar-nos dados cientificamente relevantes, que têm levado a revisões dos modelos que descrevem a interacção do vento solar com o espaço interestelar.
 

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,234
Local
Castelo Branco
Para aqueles que pensam que Vesta é apenas um calhau perdido no meio do espaço... Devo dizer que é quase tão denso quanto Marte, e é o segundo maior asteróide conhecido (técnicamente é o primeiro, visto que Ceres foi promovido a planeta anão)

Encontrei esta imagem que o compara com outros asteroides.

571373main_pia14316-43_720.jpg


E ponho também a mais recente imagem da missão, tirada ontem...

571329main_pia14313-full_full.jpg


Um dos objectivos da missão, era tentar perceber se o sacana tinha alguma vez atingido equilíbrio hidroestático (compressão por gravidade, gerando dessa forma forma arredondada)... Penso que é óbvio pelas fotos mais recentes, que sim, o sacana está em equilíbrio hidroestático.

Cumps.
 

adiabático

Cumulus
Registo
19 Nov 2007
Mensagens
316
Local
Lumiar
Belíssimo!

Vesta parece claramente esferóide, todas as deformações paracem ser produzidas por impactos. Deveria ser elevado à categoria de planeta anão!

:thumbsup:
 

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,234
Local
Castelo Branco
Belíssimo!

Vesta parece claramente esferóide, todas as deformações paracem ser produzidas por impactos. Deveria ser elevado à categoria de planeta anão!

:thumbsup:

Concordo plenamente... Vesta juntamente com o asteróide 2 Pallas deveriam ter sido logo classificados como planetas anões devido ao facto de se tratarem de proto-planetas e não de asteróides.

Já agora uma imagem de 2 Pallas

PallasHST2007.jpg

... Desculpem a qualidade, mas o hubble não dá mais ;).
 

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,234
Local
Castelo Branco
Mais fotos...

http://dawn.jpl.nasa.gov/multimedia/dawn_vesta_image_070911_enhanced.asp
571364main_pia14315-full_full.jpg

An Enhanced View of Vesta's South Polar Region

July 18, 2011 - PASADENA, Calif. -- This image, taken by the framing camera instrument aboard NASA's Dawn spacecraft, shows the south polar region of this object, which has a diameter of 330 miles (530 kilometers). The image was taken through the clear filter on July 9, 2011, as part of a rotation characterization sequence, and it has a scale of about 2.2 miles (3.5 kilometers) per pixel. To enhance details, the resolution was enlarged to .6 miles (1 kilometer) per pixel. This region is characterized by rough topography, a large mountain, impact craters, grooves and steep scarps. The original image was map-projected, centered at 55 degrees southern latitude and 210 degrees eastern longitude.
Image credit: NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA

dawn-image-071811.jpg

Image of Vesta Captured by Dawn on July 18, 2011

July 21, 2011 - PASADENA, Calif. -- NASA's Dawn spacecraft obtained this image with its framing camera on July 18, 2011. It was taken from a distance of about 6,500 miles (10,500 kilometers) away from the protoplanet Vesta. The smallest detail visible is about 1.2 miles (2.0 km).
Image credit: NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA
 

adiabático

Cumulus
Registo
19 Nov 2007
Mensagens
316
Local
Lumiar
dawn-image-072311-full.jpg


Image of the Dark Side of Vesta Captured by Dawn on July 23, 2011



July 28, 2011 - PASADENA, Calif. -- NASA's Dawn spacecraft obtained this image with its framing camera on July 23, 2011. It was taken from a distance of about 3,200 miles (5,200 kilometers) away from the giant asteroid Vesta.
Image credit: NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA
 
Última edição:

adiabático

Cumulus
Registo
19 Nov 2007
Mensagens
316
Local
Lumiar
http://dawn.jpl.nasa.gov

A sonda Vesta executou uma manobra em espiral em torno de Vesta, encontrando-se já na primeira de quatro órbitas programadas para a execução do seu programa científico. Nesta órbita deverá completar sete voltas completas ao asteróide e realizar um levantamento fotográfico quase total da sua superfície. Posteriormente deverá navegar para uma órbita mais próxima, onde deverá realizar cerca de 60 voltas ao asteróide e recolher material que permitirá realizar estereomapas da sua superfície iluminada.

Esta imagem intriga-me já que as crateras não mostram o rebordo enrugado e o fundo plano que vemos, por exemplo, na Lua, nem os característicos rastos radiais de detritos. Poderemos supor, então, duas coisas? Que as crateras que vemos em Vesta são produzidas por objectos de pequena dimensão relativa, que não chegam a liquefazer a superfície, já que o impacto de objecto maior produziria, em vez de crateras, deformações maiores como as que, de facto, se observam e que a gravidade de Vesta teria dificuldade em "aplanar"? E, quanto aos raios de detritos, que a gravidade de Vesta também não é suficiente para provocar a queda da pluma de detritos resultantedo impacto, pelo menos perto da cratera, escapando-se aqueles para o espaço, ou dispersando-se por uma área maior, de modo que não são tão evidentes?

utra hipótese: as crateras parecem quase de subsidência, como as aberturas de um formigueiro. Será que o material de que é feita a camada superficial do asteróide é brando e permite que um objecto perfure a superfície, ou seja, que faça um buraco profundo de modo que as paredes, lentamente, vão abatendo e os materiais escorregando para o centro?

5f2_365886460_detail.jpg
 

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,234
Local
Castelo Branco
utra hipótese: as crateras parecem quase de subsidência, como as aberturas de um formigueiro. Será que o material de que é feita a camada superficial do asteróide é brando e permite que um objecto perfure a superfície, ou seja, que faça um buraco profundo de modo que as paredes, lentamente, vão abatendo e os materiais escorregando para o centro?

Dúvido, 100kg aqui na Terra, pesam em Vesta cerca de 2,4kg, mesmo uma camada de pó solto a superfície, seria suficiente para reter qualquer objecto depois de este assentar. A única solução para tal acontecer seria que o material á superfície tivesse uma composição similar á encontrada nos desertos aqui na Terra, ou seja, literalmente o pó teria de ter uma superfície limada e não enrugada (como a que é encontrada no leito dos oceanos). Ora se tomar-mos em consideração o rególito da Lua, este é enrrugado e não limado (no programa Apolo grande parte do material Lunar estudado veio literalmente agarrado aos fatos espaciais dos astronautas) podemos deduzir que tal poderá não ser viável em Vesta.
 

adiabático

Cumulus
Registo
19 Nov 2007
Mensagens
316
Local
Lumiar
Percebo o teu argumento acerca do peso do material pulverulento em Vesta ser reduzido.

Entretanto, estive a ler e não me parece haver razão para crer que o material que forma a superfície de Vesta seja mais brando do que o de outros asteróides e planetas rochosos. Terei lido, não me lembro onde, que uma das razões para Vesta ser tão "fácil" de observar (magnitude ~5.6 por esta altura, mais ou menos o seu brilho máximo) comparativamente a outros corpos, como Palas ou Ceres era, para além de se encontrar numa órbita mais interior relativamente à cintura de asteróides, o facto de ter uma albedo de superfície maior. Isso não implica menor densidade, claro, não tem nada a ver, mas na minha fervilhante e amadora especulação inventei uma correlação um tanto abusiva... :)

Subsiste o facto de que as crateras que se observam são bastante diferentes das da Lua ou dos maiores planetas e luas...

Poderá dar-se o caso de haver algum tipo de sismicidade em Vesta que ajude o material a caír? Eventualmente, provocada por outros impactos? Neste site: http://www.solarviews.com/eng/vesta.htm lê-se que Vesta tem/teve um interior líquido, ao contrário de outros asteróides. Não me leves a mal esta especulação, não pretendo fazer uma indagação científica, para a qual não estou preparado e só agradeço se entenderem corrigir a minha ignorância com ideias mais fundamentadas. :)