Urso-pardo de volta a Portugal?

Seattle92

Nimbostratus
Registo
22 Set 2010
Mensagens
668
Local
Portugal
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Porém, as últimas referências ao urso na região fronteiriça do norte de Portugal datam do início do século XX. GRANDE DEL BRIO et al., (2002) menciona evidências documentais da sua presença em 1905 e 1920 na região de Lubián e Sanábria (Zamora) respectivamente, ambas situadas a menos de 10 km da fronteira portuguesa na Serra de Montesinho. JUSTO MÉNDEZ (1993), apesar de não citar as fontes documentais ou orais em que se baseia, refere que desde inícios do século XX até 1930 ainda subsistiam alguns exemplares na zona fronteiriça constituída pelas serras do Gerês e Larouco. Em particular, menciona que em 1915 eram ainda avistados ursos com alguma frequência na zona de Portela do Homem (Serra do Gerês), e que em 1920 “fue muerta una osa, acompañada de dos crias, que los cazadores sorprendieron en la sierra de Larouco, entre Baltar y Villamayor de Gironda”, junto à fronteira portuguesa.

O último registo confirmado de urso nas montanhas fronteiriças do Noroeste de Portugal, é todavia mais recente e diz respeito ao abate de um urso, em Junho de 1946, por Camilo Lloves Gonzalez, habitante de Couceiros na Serra do Laboreiro, a menos de cinco quilómetros da fronteira portuguesa de Melgaço. Este facto, publicado no jornal “Pueblo Galego” de 17 de Junho de 1946 e frequentemente citado em fontes bibliográficas posteriores (e.g. FERNANDÉZ DE CÓRDOBA, 1964; TABUADA CHIVITE, 1971; PIMENTA, 2001, DOMINGUES, 2005b), foi confirmado por um dos autores do presente trabalho (F. Álvares) através de uma entrevista a Camilo Lloves em 4.10.1996, o qual, apesar dos seus 80 anos de idade, relatou em pormenor os acontecimentos. O urso abatido era um macho com 102 kg (possivelmente sub-adulto) e, na altura, dizia-se que nessa região andariam três ursos que com frequência destruíam colmeias e silhas, e dos quais um foi o que veio a ser abatido.


Ainda no mesmo estudo estão comentadas várias situações que provam a existência ou pelo menos aparecimentos de ursos nas zonas fronteiriças do norte de Portugal durante o século XX.

É um bocado irrealista continuar a referir-se que os ursos se extinguiram no nosso país há 3 ou 4 séculos.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,342
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?


Interessante esse trabalho!
Parece-me bastante recente e assim sendo parece-me estranho não referir o acontecimento de 2005, em que foram encontradas pegadas de urso-pardo mesmo junto à fronteira ( Peña Trevinca). Além de que em Espanha existem variados testemunhos recentes de presença de urso-pardo junto à fronteira.
No entanto, pareceu-me um bom artigo e até aberto à crescente possibilidade actual de ainda haverem ursos-pardos na zona fronteiriça a fazerem algumas incursões esporádicas por Portugal!
Seria extraordinário e algo improvável haver reprodução de urso-pardo , presentemente em Portugal ( embora quem leia algumas referências desse artigo descubra coisas impensáveis a acontecer até há bem pouco tempo), mas parece-me já altamente provável que hajam pelo menos, incursões temporárias. Algo a confirmar.
Espectacular e surpreendente também, foi a descrição sobre a presença do lobo-cerval ( lince-boreal ?) no Gerês! Pena é que seja sobre a sua extinção...
Na vizinha Cantábria chamava-se de lobo-cerval ou tigre ao lince-boreal, à semelhança do caso do Gerês.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,342
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

O lobo-cerval seria o lince boreal ou o lince ibérico?

Na zona Atlântica refere-se ao lince-boreal.
A designação de tigre então, refere-se apenas ao lince-boreal. E foi utilizada tanto no Gerês como na Cantábria.
O lince-ibérico não existe nem nunca existiu em zonas de bosque caducifólio, porque lá não há o seu alimento principal em quantidade suficiente: o coelho-bravo.:)
 

Pek

Cumulonimbus
Registo
24 Nov 2005
Mensagens
4,076
Local
Menorca
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Unas cuantas fotografías de distintos ejemplares de oso de la Cordillera Cantábrica de esta primavera del año 2010 liberadas por el FAPAS (Fondo para la Protección de los Animales Salvajes). Las fotografías están tomadas por cámaras y equipos fotográficos camuflados fijos de marca Cuddeback que funcionan en su gran mayoría desde finales de marzo a principios de noviembre (período de actividad del oso); algunas funcionan los 12 meses del año de forma completa por sí algún oso muestra actividad y se deja ver durante la época de hibernación. Ahí van (son de diferentes zonas, valles y montes cantábricos y a diferentes altitudes):

7 de mayo

20101218_oso_100507g.jpg



13 de mayo

20101218_oso_100513g.jpg



14 de mayo

20101218_oso_100514g.jpg



4 de junio

20101218_oso_100604-2g.jpg



31 de mayo

20101218_oso_100531g.jpg



Y dos muy buenas noticias:

Nacen dos osos pardos en Picos de Europa de una hembra de la población oriental y un macho de la occidental

SANTANDER/OVIEDO, 3 Dic. 2010 (EUROPA PRESS) -

Dos ejemplares de oso pardo cantábrico han nacido tras el cruzamiento, dentro del Parque Nacional de Picos de Europa, de una hembra de la población oriental y un macho procedente de la occidental. Los oseznos, --que en la actualidad son subadultos-- campean por el territorio protegido y su entorno.

Ello demuestra la importancia de Picos de Europa como "nexo de unión" entre las dos poblaciones de esta especie en peligro de extinción.

Así lo ha subrayado este viernes el consejero de Desarrollo Rural, Ganadería, Pesca y Biodiversidad del Gobierno de Cantabria, Jesús Oria, con motivo de una reunión del Patronato del Parque en Santander.

El también presidente de este órgano ha destacado la importancia de Picos de Europa para la preservación del oso, ya que mantiene sus ecosistemas forestales en "adecuado estado de conservación" y sirve de comunicación para ejemplares de la población oriental y occidental.

También ha destacado que la presencia de los plantígrados en el Parque es "cada día más frecuente", puesto que en lo que va de año se han registrado más de 25 avistamientos o recogida de indicios de machos adultos solitarios o hembras con crías en Picos de Europa.



Otra: Comprobada la primera reproducción de una osa en Teverga


Es el resultado de casi doce meses de trabajo en el seguimiento de la población de osos en el Concejo de Teverga. Los equipos fotográficos, cada vez más eficaces, están permitiendo no solamente obtener fotografías que puedan ser más o menos vistosas, si no aportar verdaderamente una información importante a la cada vez más numerosa población de osos que se mueven en los territorios de montaña.

El resultado de estos trabajos, poco a poco y con la debida interpretación, complementada con el trabajo de identificación genética, nos permite conocer con mayor detalle la estructura de los osos que viven en determinados territorios, en especial, demostrar la presencia de osas reproductoras en enclaves donde no había una confirmación real de su existencia.

Este es el caso de Teverga.

Se identifica la primera osa reproductora en el territorio tevergano, a mitad de camino entre la población reproductora de Somiedo y la del valle del Trubia, especialmente en los territorios de Proaza.

Podrá alguien decir que es una casualidad, pero lo cierto es que esta primera osa reproductora aparece en el territorio después de años de ausencia total de reproducción, un territorio con características excepcionales para la presencia osera y en donde son historia los datos de los cazadores de osos, como aquel cura de un pueblo que tan solo en los alrededores de la aldea, llegó a matar a lo largo de su vida 54 ejemplares.

¿Por qué no había osos en este territorio?. Respuesta compleja a la que habrá que dedicar tiempo para valorar la pregunta. Pero lo cierto es que comienza a reproducirse la misma línea de evolución que en Proaza, cuando en el año 2004 no había reproducción y luego de 6 años de trabajo del FAPAS, la población osera está perfectamente asentada con un nivel de reproducción que la convierte en una de las mejores áreas oseras de la Cordillera Cantábrica.

Tras dos años de trabajos en Teverga, es posible identificar la primera osa reproductora acompañada al menos por un osezno. Lamentablemente, la fotografía no es de una gran calidad, pero es en sí misma un testimonio importante, tanto que nos permite dar esta buena noticia. La reproducción comienza en un territorio vedado a ella durante muchos años y en donde el furtivismo, el veneno y alguna que otra circunstancia lo había impedido hasta ahora.

Fonte: www.fapas.es
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,342
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Espectacular, Pek! :)
Se souberes de alguma coisa sobre os ursos-pardos da zona da Sanábria ou da zona mais próxima de Montesinho ( e quem sabe Gerês!), diz alguma coisa.
O trabalho de Ramón Del Brio, deixou-me curioso e este (http://www.altotejo.org/acafa/docsn3/O_Urso_em_Portugal.pdf ) fala-nos da presença de ursos-pardos em Portugal até tempos bastante mais recentes do que o esperado.
A referência de Ramón, no entanto, é ainda mais recente e retrata a presença de ursos-pardos junto à fronteira e coloca a hipótese dos ursos entrarem em Portugal (temporariamente?).
Parece-me que várias situações favoráveis ( especialmente as actuais) estão a tornar tudo isto possível.
Um passo importante, seria acabar com algumas reservas de caça em zonas muito sensíveis ecologicamente ( ou então transferir estas actividades para outro lado), sobretudo no lado Espanhol.
 

Seattle92

Nimbostratus
Registo
22 Set 2010
Mensagens
668
Local
Portugal
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Nacen dos osos pardos en Picos de Europa de una hembra de la población oriental y un macho de la occidental

SANTANDER/OVIEDO, 3 Dic. 2010 (EUROPA PRESS) -

Dos ejemplares de oso pardo cantábrico han nacido tras el cruzamiento, dentro del Parque Nacional de Picos de Europa, de una hembra de la población oriental y un macho procedente de la occidental. Los oseznos, --que en la actualidad son subadultos-- campean por el territorio protegido y su entorno.

Ello demuestra la importancia de Picos de Europa como "nexo de unión" entre las dos poblaciones de esta especie en peligro de extinción.

Así lo ha subrayado este viernes el consejero de Desarrollo Rural, Ganadería, Pesca y Biodiversidad del Gobierno de Cantabria, Jesús Oria, con motivo de una reunión del Patronato del Parque en Santander.

El también presidente de este órgano ha destacado la importancia de Picos de Europa para la preservación del oso, ya que mantiene sus ecosistemas forestales en "adecuado estado de conservación" y sirve de comunicación para ejemplares de la población oriental y occidental.

También ha destacado que la presencia de los plantígrados en el Parque es "cada día más frecuente", puesto que en lo que va de año se han registrado más de 25 avistamientos o recogida de indicios de machos adultos solitarios o hembras con crías en Picos de Europa.

Que boas notícias :thumbsup:

Uma das melhores notícias dos últimos anos, esta é a única maneira da população oriental ter futuro.

Já agora, os novos ursos andam pela população oriental ou ocidental? Ou seja, este "sangue novo" entrou na população oriental? Pela notícia o macho é da população ocidental, presumo que ele se tenha deslocado mais para leste e a fêmea permaneça mais perto da sua área natural.
 

Bergidum

Cumulus
Registo
22 Dez 2009
Mensagens
118
Local
Comarca del Bierzo. León. España.
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Nao é descartabel a presencia dalgun ejemplar de urso pardo nos montes ao N de Bragança (Montesinho,...). Ha uma pequena populacion que comparte as montanhas de Sanabria, Sª Cabrera (entre Zamora e León), Montes Aquilianos (ao S de Ponferrada),...
Em todo caso sería unha presencia de paso, nao constante, pois as zonas de refugio escasean no lado portugués...Tampouco parece haber apenas femias, e por tanto a reproducción semella ser esporádica.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,342
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Nao é descartabel a presencia dalgun ejemplar de urso pardo nos montes ao N de Bragança (Montesinho,...). Ha uma pequena populacion que comparte as montanhas de Sanabria, Sª Cabrera (entre Zamora e León), Montes Aquilianos (ao S de Ponferrada),...
Em todo caso sería unha presencia de paso, nao constante, pois as zonas de refugio escasean no lado portugués...Tampouco parece haber apenas femias, e por tanto a reproducción semella ser esporádica.

Não me parece que as zonas de refúgio sejam escassas no lado português...
Para uma grande população sim, mas para uma pequena população, nem pensar.
Quanto à reprodução, não tenho qualquer informação...
O que sei é que o lado espanhol da fronteira, dá como oficial a presença de urso-pardo, até mesmo junto a Portugal.
Mas desde já, obrigado pela opinião! :)
 

lreis

Cumulus
Registo
22 Dez 2010
Mensagens
185
Local
Lisboa
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Recebi uma notícia de um investigador espanhol, que diz que os ursos-pardos provavelmente já entram em Portugal.
Em 2005 foi avistado um urso-pardo adulto, bastante perto de Portugal, no Rio Sil, afluente do Rio Minho. Significa que a população está a aumentar e a colonizar novos territórios. Tendo em conta que a Peneda Gerês é uma continuidade da cordilheira cantábrica e que tanto do lado português como espanhol ainda restam vastas áreas remotas, com muita água, floresta, montanhas e uma população francamente crescente de cervídeos é fácil de entender o porquê deste acontecimento.
Convém lembrar que outra espécie de grande mamífero fez o mesmo há uns anos no mesmo local, neste caso a Ibex ( Capra pyrenaica) que veio de Espanha e neste momento já está instalada no Gerês.
Em Espanha as leis de caça permitem a caça deste magnífico ungulado.

Esta informação é bastante interessante e realça os aspectos ligados à tendência de progressiva "renaturalização" de muitos dos habitats naturais de Portugal, em particular, no contexto ibérico.
Na sequência desta informação, questiono-me relativamente ao seguinte: terão os habitats portugueses capacidade para permitir um conjunto/população de ursos, ainda que diminuta? Tenho em consideração que o território de um urso deve ser certamente vasto, e não se compadece com as fronteiras dos paises.
A tendência natural é que os ursos sejam progressivamente confirmados, com maior frequência, quer perto de Portugal quer no interior de Portugal.
Mas, poderá Portugal antever que exista uma pequena população centrada nos seus habitats?
Não tenho qualquer tipo de conhecimento na matéria, mas parece-me que os territórios mais prováveis de "colonização" serão os da Peneda-Gerês e os de Montesinho, e nestes fico com a sensação que não existem habitats (manchas de carvalhais, outras folhosas, etc) suficientemente extensos e não perturbados para que possam permitir a "sedentarização" destes animais.
 

Seattle92

Nimbostratus
Registo
22 Set 2010
Mensagens
668
Local
Portugal
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Bem vindo ao MeteoPT, lreis.

Também partilho dessas dúvidas. Por muito que adorasse ter ursos em Portugal, não sei se haverá capacidade para isso neste momento.

Talvez haja no futuro.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,342
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Esta informação é bastante interessante e realça os aspectos ligados à tendência de progressiva "renaturalização" de muitos dos habitats naturais de Portugal, em particular, no contexto ibérico.
Na sequência desta informação, questiono-me relativamente ao seguinte: terão os habitats portugueses capacidade para permitir um conjunto/população de ursos, ainda que diminuta?.



Sim, pelo menos no Parque Natural de Montesinho e na contígua Serra da Nogueira.
O importante é haver uma conexão de habitats entre algumas montanhas mais inacessíveis com diferentes núcleos florestais que tenham boas condições ecológicas ( refúgio, alimentação), alternados com campos de cultivo ou pomares com pouca perturbação humana ( que existem muitos na região...).
Todo esta paleta paisagística encontra nesta região e em abundância.


Não tenho qualquer tipo de conhecimento na matéria, mas parece-me que os territórios mais prováveis de "colonização" serão os da Peneda-Gerês e os de Montesinho, e nestes fico com a sensação que não existem habitats (manchas de carvalhais, outras folhosas, etc) suficientemente extensos e não perturbados para que possam permitir a "sedentarização" destes animais.

Para ter uma ideia, só na Serra de Nogueira, por exemplo, existe um carvalhal constituído maioritariamente por carvalho-negral ( Quercus pyrenaica) que ocupa mais de 8.000 hectares. E isto nem é dentro do Parque Natural de Montesinho (!) embora esteja conectado a este, geograficamente.
Na minha opinião, na região de Montesinho existem condições para uma pequena população. Mas como disse a realidade do urso-pardo não respeita fronteiras e o importante é que deambule entre Portugal e Espanha, pois é essa a sua realidade neste contexto que abordamos.
Portanto, teremos sempre que considerar os territórios naturais de ambos os países, embora Montesinho, por si só, já tenha estas condições.
Um dos biodindicadores para a possível presença de urso-pardo é a permanência constante de numerosas alcateias de lobos, pois estas têm exigências ecológicas ainda acima das de uma pequena população de urso-pardo! Novamente, para ter uma ideia, estamos «só» a falar de uma região que apresenta uma das mais elevadas ( senão a mais elevada se estivermos a contar com a vizinha região espanhola) densidades de lobos de toda a Europa Ocidental.
O urso-pardo é um omnívoro (embora seja Carnivora a sua classificação) e muitas vezes até existe perto das povoações, enquanto o lobo é muito mais exigente não só nos refúgios, como na alimentação, pois é muito mais tímido e é essencialmente carnívoro, dependendo de populações estáveis de ungulados e não de uma alimentação variada, quase sempre disponível e de fácil acesso, como é a do urso-pardo.
Muitas destas informações já foram apresentadas aqui neste tópico. Se quiser saber de mais detalhes sempre as pode consultar e qualquer dúvida ou questão, disponha-a aqui, que terei todo o gosto em ler e se possível responder. :)
 

Bergidum

Cumulus
Registo
22 Dez 2009
Mensagens
118
Local
Comarca del Bierzo. León. España.
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

A presencia de lobos nao e um indicador fiabel da presencia do urso. Ha lobos no medio da meseta castelhana, sem árbores em decenas de km...
O urso e moito mais exigente, non só em grandes masas florestais, senon também en refugios inaccesibles e tranquilos para passar o inverno na hibernaçao.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,342
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

A presencia de lobos nao e um indicador fiabel da presencia do urso. Ha lobos no medio da meseta castelhana, sem árbores em decenas de km...
O urso e moito mais exigente, non só em grandes masas florestais, senon também en refugios inaccesibles e tranquilos para passar o inverno na hibernaçao.

Não foi isso que eu disse.
Eu disse que onde existem muitas alcateias permanentes de lobo, uma pequena população de urso-pardo pode singrar ( e no caso específico de Montesinho, pode ser um indicador da possível presença de urso-pardo, pois existem ursos confirmados junto a esta região).
E não me parece que uma pequena população de urso-pardo seja mais exigente que várias alcateias permanentes de lobo.
 

Bergidum

Cumulus
Registo
22 Dez 2009
Mensagens
118
Local
Comarca del Bierzo. León. España.
Re: Urso-pardo de volta à Peneda Gerês?

Não foi isso que eu disse.

E não me parece que uma pequena população de urso-pardo seja mais exigente que várias alcateias permanentes de lobo.

Nao entendo que é "alcateia", pero a resposta é sim. O urso é moitissimo máis exigente que o lobo, sobre todo en hábitat inalterado, e demanda uma grande presença de alimento no outono, justo antes da hibernaçao.
Nao é fácil a instalaçao de uma populación estabel de urso no norte de Portugal a meio prazo. Nim siquiera é estabel a populación comentada de Sanabria, Cabreira, Aquilianos, e a falta de femias é um assunto grave.

Estamos falando de um máximo de 10 ejemplares em esta zona montanhosa, tranquila, de miles de km cuadrados, e apenas frecuentada em moitos lugares...