Como eram e quem eram os Portugueses nativos?

Tópico em 'Biosfera e Atmosfera' iniciado por belem 26 Jan 2013 às 20:40.

  1. Topê

    Topê
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    4 Dez 2015
    Mensagens:
    920
    Local:
    Negrais
    Além das que já referi sobre a Historia oficial neste caso da Península Ibérica que me suscitam e não só a mim mas a vários autores algumas duvidas.
    Á outros episódios e que me levam a colocar em causa a Historia oficial muito condicionada pelas potências e pela politica circunstancial de cada época histórica. Por exemplo a nível do novo mundo, colocam a Diáspora portuguesa apenas confinada ao Brasil, algo que me suscita muitas duvidas é o Canadá, existe palavra que soa mais a português que o Canadá? sinceramente existem localidades nos Açores com o nome Canada, canadas significam zonas de canas. Sinceramente e vou ser muito caustico a treta de que a palavra " Canada" vem do nomes indignas americanos não me convence nada e não é só a mim. Para não falar da usurpação da Terra Nova e Lavrador, pelo mundo anglo-saxónico, ai nem sequer á margem para duvidas, que transpira Portugalidade. Cada vez mais olho para Historia institucional com muitas reservas e com um sentido critico.
     
  2. Paelagius

    Paelagius
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    27 Set 2013
    Mensagens:
    1,516
    Local:
    Porto
    Culpa da reforma agrária comunista. O alentejo foi em tempos o celeiro de Portugal.
     
  3. Topê

    Topê
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    4 Dez 2015
    Mensagens:
    920
    Local:
    Negrais
    Verdade seja dita, com a actividade vinicula em grande escala e de sucesso, grandes areas do Alentejo têm uma paisagem até bem verdejante e bucólica, também por culpa da intervenção humana, nota-se bem a diferença entre o Alentejo e o interior espanhol.
     
    #243 Topê, 3 Jun 2016 às 12:52
    Última edição: 3 Jun 2016 às 13:46
  4. camrov8

    camrov8
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Set 2008
    Mensagens:
    2,480
    Local:
    Oliveira de Azeméis(278m)
    é verdade muitos castros foram achados em locais onde existem ermidas pelos meus lados ainda há uns anos foi descoberto um durante as obras de recuperação de uma ermida, muita coisa esta por descobrir outro esta irremediavelmente perdido
     
  5. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,903
    Local:
    Sintra
    E os últimos achados de R1b na Europa, remontam de facto para o período dos caçadores da pré-história, e não para colonizadores mais recentes vindos das estepes asiáticas ou da Anatólia.

    Na Rússia europeia (Samara) foi encontrado um caçador mesolítico (que existiu há cerca de 7.000 anos) com R1b.

    E agora mais recentemente um achado ainda mais antigo (14.000 anos) proveniente da Itália (Villabruna) dá-nos conta de um caçador epipaleolítico também com este haplogrupo (R1b).

    http://www.nature.com/nature/journal/vaop/ncurrent/full/nature17993.html

    A ver até onde isto vai dar.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  6. Paelagius

    Paelagius
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    27 Set 2013
    Mensagens:
    1,516
    Local:
    Porto
    Em Génova (Itália) existe uma afinidade com a língua portuguesa.
     
  7. camrov8

    camrov8
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Set 2008
    Mensagens:
    2,480
    Local:
    Oliveira de Azeméis(278m)
    sim mas sempre com ossadas, no estudo relaciona-se com o genoma de alguém que vive em portugal e secalhar agora esta a tomar café no café central da sua terra
    os pirineus sempre foram um problema para quem quer a nossa iberia , que o digam Rolando Napoleão e muitos outros
     
  8. Paelagius

    Paelagius
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    27 Set 2013
    Mensagens:
    1,516
    Local:
    Porto
    E como estamos num fórum dedicado à meteorologia, partilho as previsões meteorológicas em genovês


    genovês - português - italiano
    u ma - o mar - il mare
    legero aumentu - ligeiro aumento - legero calo
    remescou - remexeu - ha mescolato
    a partir da - a partir da - a partire da
    diminuçu - diminuição - diminuzione
    quatorze - quatorze/catorze - quattordici
    nêuve - nove - nove [nóóvé]
    sezze - dezasseis - seidici
    êutto - oito - otto
    agitado - agitado - agitato

    Notas: Génova fica relativamente próxima de França e do Principado do Mónaco (±150km). É normal que o dialeto também partilhe parecenças de pronunciação com a língua francesa pela questão de proximidade geográfica. Foi uma das quatro Repúblicas Marítimas Italianas. Crê-se que os marinheiros portugueses e genoveses conseguissem entender-se no passado, aliás, crê-se que Cristóvão Colombo tenha nascido em Génova.
     
  9. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,903
    Local:
    Sintra
    Na Sardenha também existe uma variante relativamente semelhante ao Português/Espanhol.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  10. Paelagius

    Paelagius
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    27 Set 2013
    Mensagens:
    1,516
    Local:
    Porto
    É possível. A Sardenha foi uma colónia da República de Génova.
     
  11. camrov8

    camrov8
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Set 2008
    Mensagens:
    2,480
    Local:
    Oliveira de Azeméis(278m)
    eu acho que tem a ver com a raiz das linguas , por exemplo se forem ver os numeros muitos apesar de grafia diferente teem som semelhante o 3 é o caso mais famoso
     
  12. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,903
    Local:
    Sintra
    Interessante o que contas, depois vou abordar isso com mais atenção.





    Portugal: Europe's best-kept foodie secret



    By Paul Ames, for CNN

    Updated 0901 GMT (1701 HKT) July 8, 2016

    (CNN)Portuguese cuisine rarely travels well.

    The cooking of mainland Europe's westernmost country is deeply rooted in the freshest local ingredients.
    Superlative seafood, sun-ripened fruit, lamb raised on flower-speckled meadows, free-range pigs gorging on acorns beneath oak forests.
    Without them, it just doesn't taste the same.
    So while diners worldwide crowd Italian trattorias, French bistros and Spanish tapas bars, Portuguese restaurants abroad generally cater to melancholy emigrants seeking in vain to matar saudades (kill their longing) for mom's home-cooked food.
    Things are changing.
    The success of Portuguese chefs like George Mendes in New York and Nuno Mendes (no relation) in London is generating a global buzz about the cooking of their homeland.
    Regular visitors have long been in on the secret, but here are 20 reasons why Portugal should be on every foodie traveler's list.




    1. Piscivore perfection

    In Europe, only Icelanders eat more fish than the Portuguese.
    Superstar chef Ferran Adria says seafood from Portugal's Atlantic waters is the world's best -- and he's Spanish.
    Markets glimmer with a startling variety, from baby cuttlefish to U-boat-sized tuna.
    If your food heaven is fresh seabass expertly barbequed with a hint of lemon, garlic and olive oil, this is the place.
    Best eaten by the sea in restaurants like Sao Roque in Lagos, Restinga in Alvor,Furnas in Ericeira, Azenhas do Mar or Restaurante da Adraga west of Sintra,Ribamar in Sesimbra, or Doca do Cavacas on Madeira island.





    2. Liquid gold

    [​IMG]

    The basis of Portuguese gastronomy.
    Drive the backroads of the Alentejo, Beira Interior and Tras-os-Montes regions and you'll weave through endless olive groves.
    Olive oil is the basis of Portuguese cooking, whether it's used to slow-cook salt-cod, dribbled into soups or simply soaked up with hot-from-the-oven bread.
    Exports have quadrupled over the past decade as the world wakes up to the quality of Portugal's liquid gold, either from big-time producers like Gallo and Oliveira da Serra, or hand-crafted, single-farm oils.
    The latest prize: a gold medal for Olmais Organic oil at the World's Best Olive Oils awards in New York.

    3. The national boiled dinner
    Portugal's cooking is rigorously regional: meaty and robust in the north, Mediterranean in the south.
    Yet one dish unites the country: cozido.
    Best eaten as a big family lunch, this is a boiled one-pot featuring a hunk of beef, various piggy bits, sometimes chicken, always cabbage, potatoes, carrots, turnips and an array of sausage, including paprika-spiced chourico and cumin-flavored blood pudding.
    There are regional variations: in the Algarve they add chickpeas and mint; expect lamb and pumpkin in the Alentejo, sweet potatoes on Madeira.
    In the Azores islands, cozido is slow-cooked by volcano in underground pits.

    4. Lisbon's gourmet awakening
    A new generation of chefs is shaking up the capital's restaurant scene with ultra-modern takes on gastronomic tradition.
    Leading the charge is Jose Avillez.
    His Belcanto restaurant facing the Sao Carlos theater won a second Michelin star in 2014.
    Its menu features braised red mullet with liver sauce, clams and cornmeal; oxtail with foie gras, chickpeas and creamy sheep cheese.
    Rivals include Henrique Sa Pessoa's new Alma restaurant, just round the corner and wowing diners with the likes of hake with burnt leek and hazelnuts; or Joao Rodrigues, voted chef-of-the-year with his riverside Feitoria.
    Sa Pessoa and other celebrity chefs offer cheap and cheerful alternatives at the Ribeira market food hall.
    Belcanto | Largo de Sao Carlos, 10 Chiado, Lisbon 1200-410 Portugal

    5. King cod
    They say Portugal has 365 recipes for cooking salt cod.
    In fact there are many more.
    Bacalhau is served "a bras" with scrambled eggs, olives and fries; as fish cakes (pasteis de bacalhau) alongside black-eyed-peas; barbequed, oven-baked or simply boiled with cabbage and carrots, then drizzled in olive oil.
    Crumbled with cornbread in the university city of Coimbra, baked under mayonnaise Ze-do-Pipo-style in Porto, chopped into a favorite Lisbon salad with chickpeas and onion, bacalhau is always close to the Portuguese soul.
    It's available everywhere, but Lisbon's Laurentina restaurant may just serve the best.
    Restaurante Laurentina o Rei do Bacalhau | Avenida Conde Valbom, 71 A, Lisbon 1050-067 Portugal


    6. Say Queijo
    [​IMG]

    Relatively unknown, the melty Serra da Estrela cheese is made from ewes' milk.
    Why Portugal's cheeses are not better known is a mystery.
    True, amarelo da Beira Baixa -- a herby goat-and-sheep-milk mix, was judged the world's greatest in a tasting organized by Wine Spectator and Vanity Fair a few years back.
    Yet creamy Serra da Estrela from the milk of ewes raised in Portugal's loftiest mountain range; hard, pungent cow's-milk cheeses made on the precipitous mid-Atlantic slopes of Sao Jorge island; or peppery Terrincho produced in remote Tras-os-Montes, remain largely unknown.
    Such dairy delights may be served as appetizers or after a meal with red wine or port, sometimes accompanied with quince jam (marmelada).

    7. Porto's tasty trinity
    In the 15th century, patriotic Porto donated all its meat to Prince Henry the Navigator to feed his soldiers when they sailed off to do battle in Morocco.
    Left with just offal, they concocted a dish which remains the city's signature: tripas a moda do Porto.
    It's not for the faint-hearted: a stew of butter beans, calves' feet, pigs' ears and peppery chourico as well as the tripe -- the chewy white lining of cow's stomach.
    Ever since, inhabitants of Portugal's second city have been known as tripeiros -- tripe-eaters.
    Porto's other best-known dishes: slices of deep-fried octopus and monster meat sandwiches smothered in spicy sauce and named francesinhas -- or little French girls.

    8. Going with the grain
    The Portuguese are Europe's biggest rice-eaters, outpacing Spaniards and Italians, but while paella and risotto are globally ubiquitous, Portugal's arroz dishes are unjustly neglected.
    Arroz de marisco is sumptuous: sloppy rice cooked in a garlicky, cilantro-infused tomato sauce fortified with a multitude of shellfish, which can include lobster, crab, clams and shrimp.
    You can taste top-notch versions at Cantinho do Mar in seaside Praia da Vieira de Leiria; O Faroleiro overlooking the spectacular Guincho beach in Cascais; orMarisqueira Rui in Silves, the old Moorish capital of the Algarve.
    Other classic rice dishes: arroz de pato, oven-baked with duck; arroz de cabidela, involving lots of chicken blood; and sweet, cinnamon-scented arroz doce for dessert.
    Cantinho do Mar | Avenida Marginal 87 Praia da Vieira, Vieira de Leiria 2430 - 696 Portugal

    9. Wild pigs
    Portugal enjoys some of the world's juiciest pork and tastiest ham as a by-product of its thriving cork industry.
    Semi-wild black pigs grow fat on a diet of acorns dropped by the forests of cork oaks across the southern Alentejo region.
    The resultant porco preto is marbled with fat, filled with flavor.
    Cured ham (presunto) made from these beasts -- especially from the border town of Barrancos -- rivals the best from Spain or Italy.
    The Alentejo's most distinctive dish combines clams with garlic-and-red-pepper-marinated pork.

    10. The old school
    Just about every provincial town has a least one old-school restaurant cooking time-honored dishes unique to their region.
    Examples: Porto Santana serving vinegary dogfish soup in the whitewashed town of Alcacer do Sal; Cafe Correia famed for stuffed squid in Vila do Bispo; Aveiro's O Telheiro and its eel stew; the Solar Bragancano whose seasonal partridge, pheasant and boar dishes make a trip to Braganca worthwhile.
    Portuguese towns also have a bunch of informal restaurant categories: tascas are wine taverns serving hearty lunches; cervejarias are for seafood and chilled beer; pastelarias are nominally pastry shops, but also serve lunchtime dishes.


    http://edition.cnn.com/2016/07/08/foodanddrink/portugal-food/
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #252 belem, 25 Jul 2016 às 23:40
    Última edição: 26 Jul 2016 às 23:45
    Thomar e CptRena gostaram disto.
  13. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,903
    Local:
    Sintra
    Acho que faltou uma referência sobre os nossos vinhos.

    Temos imensas castas e uma tradição vinícola tremenda.

    Os nosso vinhos ganham frequentemente prémios mundiais de qualidade, sejam verdes ou tintos...
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    frederico e Thomar gostaram disto.
  14. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,903
    Local:
    Sintra
    Depois gostaria de fazer uma maior menção a um grupo de caçadores pré-históricos, menos conhecidos que os de Muge, que viviam na bacia do Rio Douro, particularmente no interior. Parece-me quase certo que estas gentes tiveram um impacto importante na população portuguesa moderna e nativa, dos dias de hoje. Esta região foi outro «hotspot» para os caçadores pré-históricos portugueses (com um clima relativamente ameno, muita água, vegetação e caça). Aqui a transição foi ainda mais lenta, que em Muge e a agricultura (que apareceu aqui mais tarde), se iniciou muito lentamente e durante muito tempo se concentrou sobretudo numa pastorícia rústica e simples. Mesmo alguns milhares de anos, após a chegada da agricultura, a caça tinha ainda um enorme significado para as gentes locais, como se pode ver pelas ossadas presentes na região e pelas ferramentas usadas, bastante arcaicas para o seu tempo, fortalecendo a teoria de que os caçadores poderão ter adoptado um modo de vida diferente ou terão tido um forte impacto nos primeiros povoamentos neolíticos da região. Já o Neolítico ia mais avançado, ainda haviam famílias a usar regularmente grutas, e cujas atividades diárias, deixavam marcas nos seus ossos. Era relativamente normal, haver lesões normalmente relacionadas com atividades diárias de recoleção, locomoção, preparação de peles para vestuário (?), etc... E não necessariamente devido a violência entre humanos. Era também normal ter artrites, ter cáries (no caso de Muge, tal era atribuido ao consumo de figos silvestres), ainda que para o último caso, tal era menos comum no passado, do que nos dias de hoje. Tal devia ser debilitante (provavelmente usavam plantas contra as dores?), mas vários esqueletos, surgem também sem patologias ou lesões graves.
    A zona de Foz Côa, é um testemunho real da presença destes povos, pela região: http://www.arte-coa.pt/
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #254 belem, 30 Jul 2016 às 16:13
    Última edição: 31 Jul 2016 às 02:18
  15. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,903
    Local:
    Sintra
    Imagens de arte da região:

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]


    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]


    [​IMG]


    [​IMG]


    [​IMG]


    [​IMG]


    [​IMG]


    [​IMG]


    [​IMG]


    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #255 belem, 30 Jul 2016 às 16:20
    Última edição: 2 Ago 2016 às 23:46

Partilhar esta Página