Floresta nativa Portuguesa

DMigueis

Cumulus
Registo
22 Jun 2011
Mensagens
138
Local
Figueira da Foz/Aveiro
Olá a todos,

Abro este tópico para pedir alguma informação sobre a floresta nativa portuguesa, mais especificamente do litoral centro e, se possível, ainda mais especificamente da zona da Figueira da Foz.

Num programa da Biosfera, em que abordaram a temática da floresta portuguesa, falam no sobreiro como a espécie nativa predominante das zonas do litoral, e no carvalho alvarinho nas zonas do interior de baixa altitude. Mas gostava de saber ao certo, que espécies se poderão dar bem nesta zona, e quem sabe, num futuro próximo, fazer uma plantação, ainda que pequena, com essas espécies.

Deixo aqui o programa da Biosfera:
http://www.rtp.pt/play/p1053/e112783/biosfera-xi/288130
 

frederico

Super Célula
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
9,989
Local
Porto
Figueira da Foz? Aposto no sobreiro, pinheiro-manso, carvalho-cerquinho. Mais as espécies arbóreas das galerias ripícolas, mas não sou especialista nesse tema.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,323
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Concordo com o Frederico.
A ver se ponho aqui mais algumas classificações.
Lembro-me que o trabalho de Pina Manique e Albuquerque (1954), até estava razoavelmente completo. E descrevia uma floresta portuguesa, em tempos que esta apresentava um melhor estado de conservação e mais perto do original, do que nos dias de hoje.

Aqui está:

Efeito bioclimático na vegetação ( descrito para Portugal continental) :

Tabela 3.18. Classificação bioclimática de Pina Manique e Albuquerque (Portugal continental) (1954). Símbolo Zona notas Parâmetros climáticos Série transversa (E-W) no norte do país – nível basal A X MA Litoral. Pinheiro-bravo e Quercus robur. Porto. Q2>100 MA Mediterrâneo - atlântica Pinheiro-bravo e Quercus robur. Vilar de Barrô. Q2>100 MA X AM Quercus faginea ssp. faginea. Régua. 600≤P<900 AM Atlante-Mediterrânea Quercus faginea ssp. faginea. Folgosa. 600≤P<900 AM X SM Sobreiro e Quercus faginea ssp. faginea. Pinhão. 600≤P<900 SM Submediterrânea Sobreiro em pleno. Malvedos. 600≤P<900 SM X M X IM Zona de transição. Pluviosidade anual e estival um pouco superior ao observado na zona seguinte (M X IM). Sobreiro, amendoeira e azinheira. Vesúvio. Q2<50 M X IM Clima semi-árido, segundo Emberger. Amendoeira, azinheira. Barca d’Alva. Q2<50 Série transversa (E-W) no norte do país – nível submontano (450 m ) SA X MA Mediterrâneo - atlântica Castanheiro, Quercus, pyrenaica, Quercus robur, pinheiro-bravo. Ribeira de Pena. P>1000 SAXMAXAM Castanheiro, Quercus pyrenaica, Quercus robur, Quercus faginea ssp. broteroi, pinheiro-bravo. Vila Real. P>1000 SA X AM A tlante-Mediterrânea Castanheiro, Quercus pyrenaica, Quercus faginea ssp. broteroi. Sabrosa. P>1000 SAXAMXSM Castanheiro, Quercus pyrenaica, Quercus faginea ssp. broteroi, sobreiro. Alijó. P>1000 SA X SM Submediterrânea Castanheiro, Quercus pyrenaica, sobreiro. Vila Flor. Q2<100 AS X I X SM Castanheiro, Quercus pyrenaica, sobreiro, azinheira. Freixo de Espada à Cinta. Q 2 < 100 Série montana no norte do País BA Boreo-atlântica Juniperus communis. A partir de 1900 m de altitude, na S. Estrela. k>7,0 AO X BA Juniperus communis e bétula. A partir de 1700 m de altitude, na S. Estrela. k>7,0 AO Oro-atlântica Juniperus communis, Pinus sylvestris, bétula, teixo. A partir de 1300 m de altitude, na S. da Estrela. k>7,0 SA X OA Bétula, teixo, Quercus pyrenaica, Quercus robur. A partir de 1000 m de altitude, na S. Estrela. k<7,0 SA Subatlântica Na S. Estrela: bétula, teixo, sobreiro, Quercus pyrenaica. Noutras serras: Quercus pyrenaica. A partir de 700m de altitude. k<7,0 A X SA Zona mais atlântica das representadas em Portugal continental. Castanheiro, bétula, Quercus pyrenaica, Quercus robur. Vertentes cismontanas dos relevos do norte (da Peneda á Estrela). P>1500; Pe>100 I X SA Zona de transição para climas continentais. Carvalho negral e azinheira. Miranda. P<900 I Ibérica Plena continentalidade ( não representa em Portugal continental). Série transversa (E-W) no centro e sul do país MA X AM Elevado grau de oceaneidade. Quercus robur, Q. faginea ssp. broteroi. Cabo Carvoeiro Q2>200 AM Atlante-Mediterrânea Clima húmido, segundo Emberger. Quercus faginea ssp. broteroi. Lisboa. P<550 AM X SM Clima sub-húmido. Quercus faginea ssp. broteroi, sobreiro. Santarém. P < 5 5 0 SM Submediterrânea Sobreiro. Alvega. P<550 SM X IM Azinheira e sobreiro. Ferreira do Alentejo. P<500 IM Ibero- Mediterrânea MediterrânIca semi-árida de tendência continental. Azinheira. Beja. Q2<50 Série do Vale do Guadiana (S-N) M Eumediterrânea Amendoeira e alfarrobeira. Vila Real de Santo António. Pe<10 M X IM Azinheira, alfarrobeira, amendoeira. Alcoutim. Q2<50 IM Ibero- Mediterrânea Azinheira. Moura. Q2<50 Série da Costa Vicentina e Serra de Monchique ÅM Termo-atlante- Mediterrânea Condições climáticas quase insulares ÅM X SM Ambiente subtropical de feição macaronésica, com influências submediterrânicas. Sobreiro, Myrica faia, Quercus canariensis. Zona costeira entre Melides e perto do Cabo de São Vicente; Serra de Monchique, abaixo de 400m. Q2<100 SM X SÅ Myrica faia, Quercus canariensis, castanheiro. Serra de Monchique, 400-600 m. P>1000 SÅ Termo-subatlântica Ambiente serrano com influências atlânticas. Myrica faia, castanheiro. Serra de Monchique, acima dos 600 m. P>1000


Tabela 3.17. Série litoral da classificação bioclimática de Pina Manique e Albuquerque (1954). Símbolo Zona notas Proporção da supremacia A/M Parâmetros climáticos Série litoral (N-S) A Atlântica Atlântica genuína ( não representada em Portugal continental). 100/0 A X MA Atlântica galaico-portuguesa Mesotermia estival; chuvas repartidas por todo o ano; mínimos de aridez. Mediterrânica húmida no sist. de Emberger. Quercus robur e pinheiro-bravo. Caminha. 70/30 Pe > 70 MA Mediterrâneo-atlântica Atlântica de tendência mediterrânica. Quercus robur e pinheiro-bravo. Montemor-o-velho. 60/40 50<Pe<70 MA X AM Zona de equilíbrio. Quercus robur, Quercus faginea ssp. broteroi e pinheiro-bravo. Marinha Grande. 50/50 40<Pe<50 AM Atlante-Mediterrânea Mediterrânica de têndencia atlântica. Quercus faginea ssp. broteroi. Lisboa. 40/60 30<Pe<40 AM X SM Mediterrânica atenuada. Quercus faginea ssp. broteroi e sobreiro. Setúbal. 30/70 SM Submediterrânea Sobreiro e zambujeiro. Alcácer do sal. 20/80 SM X M Amendoeira e sobreiro. Bravura. 10/90 10<Pe<30 M Eumediterrânea Mediterrânica genuína. Inverno suave; estio seco, longo, macrotérmico. Faro. Amendoeira e alfarrobeira. 0/100 Pe<10

Aqui fica uma resenha das formações vegetais principais ou até associações culturais (atenção: a amendoeira não é nativa).




Um link interessante:

http://www3.uma.pt/alfa/bioclimatologia_pt.html


Aqui está um tópico também interessante:

http://www.meteopt.com/forum/biosfe...laurissilva-em-portugal-continental-4714.html
 

DMigueis

Cumulus
Registo
22 Jun 2011
Mensagens
138
Local
Figueira da Foz/Aveiro
Muito obrigado a todos!

Essa informação de certeza que vai ser bastante útil para aquilo que pretendo, que é criar uma área, ainda que muito pequena, com árvores autóctones, para fazer frente aos eucaliptos e acácias que dominam a zona...

Entretanto, com uma pequena pesquisa, encontrei um site com informação também bastante útil e interessante.

http://www.florestar.net/index.html
 

frederico

Super Célula
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
9,989
Local
Porto
Eu conheço mais ou menos a zona e a árvore que me pareceu ter maior potencial de regeneração foi o sobreiro. A norte e sul da Figueira há extensas zonas arenosas que terão sido espaço do pinheiro-manso no passado. O carvalho-cerquinho também existe na região. No vale do Mondego e braços do vale há muitas espécies de árvores típicas dessa ecossistema, como choupos. Não muito longe houve no passado núcleos de carvalho-alvarinho, mas seria uma árvore rara na região. Mesmo nos arredores de Coimbra, onde a precipitação já é mais elevada, domina claramente o sobreiro. Acho que o carvalho-alvarinho só domina a norte de Aveiro.
 

nelson972

Cumulus
Registo
22 Abr 2010
Mensagens
355
Local
Mira de Aire
Penso que ainda não foi mencionado aqui, mas neste tópico falam num bosque de carvalho negral que desde pequeno me lembro de ver e achar estranho naquele local :

e para quem gosta de flora existe um sitio unico no pais, e que se situa no Arrimal é um bosquete de carvalho negral. É unico este local pois esta especie de arvore não se dá em solos basicos(calcarios), e tudo à volta deste sitio, é calcário do jurassico.

Segundo ouvi dizer, é um resquício de tempos mais frios.
 

frederico

Super Célula
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
9,989
Local
Porto
Penso que ainda não foi mencionado aqui, mas neste tópico falam num bosque de carvalho negral que desde pequeno me lembro de ver e achar estranho naquele local :



Segundo ouvi dizer, é um resquício de tempos mais frios.

Segundo bibliografia que coloquei acima o roble chegava à serra de Aire.

O negral existe na serra de Cádis, portanto não me admira que marque presença nas serras de Aire e Candeeiros.
 

chicoria

Cirrus
Registo
3 Jan 2012
Mensagens
18
Local
PT/FR
Bom dia! Qual seria a floresta nativa ancestral em tempos idos, antes da actividade humana, no Alentejo? Sendo o montado uma invenção humana... o que havia antes eram bosques cerrados de azinheiras e sobreiros? Obrigado desde ja :)
 

Paulo H

Cumulonimbus
Registo
2 Jan 2008
Mensagens
3,159
Local
Castelo Branco 386m(489/366m)
A floresta nativa portuguesa, era composta da mesma variedade de árvores que existe hoje (excepto eucaliptos, acacias e outras árvores tropicais ou sub-tropicais). Temos de imaginar o território sem influência humana, isto é, um território onde as mesmas espécies dominam umas em relação a outras consoante o clima, mais humido ou menos humido, mais frio ou mais quente, próximo ao mar ou de grande altitude.

Façamos o seguinte exercício mental, em que vamos plantar em Portugal continental inteiro, em igual proporção, misturadas as seguintes espécies e mais algumas:
- sobreiro
- azinheira
- carvalho (4 ou 5 espécies)
- loureiro
- medronheiro
- pinheiro (3 ou 4 espécies)
- teixo
- faia
- choupo
- amieiro
- azereiro
- piroliteiro
- carrasqueiro
- salgueiro
- etc..

A seguir deixamos todos Portugal, viajando no tempo e voltamos daí a 500 anos.

O que iríamos observar?

Pinheiros no interior em altitude, com algum clima humido.

Azinheiras e sobreiros maioritariamente onde o verão é mais quente e seco, mas um pouco por todo portugal.

Carvalhos, cujas diferentes espécies se adaptam melhor, por todos os climas. Ex: quercus pirinaica nos locais mais secos ou de verão quente.

Um pouco por todo o país: medronheiros e loureiros.

Nas margens dos rios e ribeiras: amieiros, salgueiros, faias, choupos..

Em locais mais humidos e frios, mas de menor altitude: castanheiro, faia, tilia..

Conclusão: temos as mesmas árvores, mas sujeitas a ordenamento florestal. Sem a atividade humana, sobrevivem as que dominem em função do clima, solo, altitude, enfim, segundo as condições edafoclimáticas.

Ps: logicamente que não enumerei nem metade das espécies.. :)
 
  • Gosto
Reactions: 4ESTAÇÕES

Paulo H

Cumulonimbus
Registo
2 Jan 2008
Mensagens
3,159
Local
Castelo Branco 386m(489/366m)
..Ao fim de 500anos, o resultado seria óbvio: pinheiros muito menos, azinheiras e sobreiros muito mais. Carvalhos e medronheiros muito mais. Localizados, mas em muito maior número, teríamos loureiros, castanheiros e restantes árvores. Uma pequena ressalva: para além de não poder haver mão humana, teríamos de colocar a correta proporção e número de fauna pré-existente.

É que.. A haver fogos naturais, teria de haver fauna que consumisse os matos, caso contrário o pinheiro iria vencer o carvalho e o castanheiro. Sem pastoricia, o teixo ia também vingar na serra da estrela e trás-os-montes.
 
  • Gosto
Reactions: 4ESTAÇÕES

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,323
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Eu tenho algumas descrições (que posso colocar aqui para quem quiser) da flora que tivemos em periodos passados até tempos relativamente recentes, e posso dizer que as associações floristicas que existiram são ainda mais complexas do que a maior parte das pessoas pensa.

Só para dar uma pequena ideia: apenas na Estremadura, podiamos ter florestas de pinheiros-silvestres, de tilias e carvalhos como de florestas de zambujeiros ou até de laurissilva.

A laurissilva estava certamente melhor representada no Mesolítico que nos dias de hoje e ainda que não tão diversificada como há 500.000 anos atrás ou como na Ilha da Madeira. Certas zonas baixas, húmidas e abrigadas davam abrigo a esta reliquía subtropical que em tempos distantes alimentava uma distinta megafauna paleolítica.

As árvores no passado também tinham dimensões inacreditáveis para os dias de hoje e é bastante raro ver algum exemplar que lhes faça alguma justiça (mas ainda assim não digo que em média atinjam o mesmo tamanho).
 

frederico

Super Célula
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
9,989
Local
Porto
Bom dia! Qual seria a floresta nativa ancestral em tempos idos, antes da actividade humana, no Alentejo? Sendo o montado uma invenção humana... o que havia antes eram bosques cerrados de azinheiras e sobreiros? Obrigado desde ja :)

O sobreiro está deslocado dos locais onde existiria antes da intevenção humana, uma vez que foi uma árvore muito cultivada por causa do valor comercial da cortiça. Para além disso, é árvore protegida há séculos, ao contrário dos carvalhos.

Do que sei e conheço do Alentejo, a minha aposta é esta.

Litoral Alentejano: em solos arenosos, pinheiro-manso e talvez pinheiro-bravo (provavelmente foi introduzido pelo Homem, não se sabe). Sobreiro e nas serras carvalho-cerquinho. No concelho de Odemira, carvalho-de-Monchique e castanheiro, nas partes mais altas das serras.

Baixo Alentejo interior: concelhos de Almodôvar, Ourique, Mértola, Moura, Castro Verde ou Barranco. Domínio claro da azinheira e zonas de estepe com clima semi-árido. Sobreiro presente na serra do Mu no concelho de Almodôvar e nos contrafortes da serra Morena na região de Barrancos.

Alentejo beirão: região em torno da serra de São Mamede. Carvalho-negral, sobreiro, castanheiro e sub-espécie de carvalho-alvarinho. Azinheira nas terras baixas. Talvez carvalho-cerquinho.

Serra da Ossa: carvalho-negral, sobreiro. Carvalho-alvarinho nas galerias ripícolas, sub-espécie que ocorre na Estremadura espanhola e no Alto Alentejo.

Peneplanície do Alto Alentejo: sobreiro a dominar as regiões mais ocidentais, azinheira a dominar no interior.

Acrescentar espécies de galerias ripícolas e de terras baixas onde há acumulação de água nos meses de Inverno.


Originalmente o Alentejo teria um quadro paisagístico mais diversificado.
 
  • Gosto
Reactions: MSantos e belem