Furacão ISAAC (Atlântico 2012 #AL09)

Tópico em 'Tempo Tropical' iniciado por MSantos 22 Ago 2012 às 01:57.

  1. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    A categoria de um furacão é um bocado irrelevante em cenários destes, pois é baseada em vento, ignorando a precipitação e a maré (storm surge), discussão que dá pano para mangas e se arrasta há décadas.

    Na minha opinião há imensos idiotas nestas histórias, e eu não tenho grande simpatia por todos aqueles que por exemplo não evacuaram em zonas onde isso era obrigatório (pelos vistos foram muito poucos comparativamente a 2005), mas também confesso que os maiores idiotas nestas coisas são aqueles gajos que assistem de fora e mandam as suas postas de pescada a achar que que milhões de pessoas devem mudar de um momento para o outro de local onde vivem há dezenas ou centenas de anos.

    Algarvio1980, nos EUA há seguramente neste preciso momento mais de 50 mil pessoas a trabalhar neste exacto momento em protecção civil no terreno.
    Sem ofensas, mas deixa-te de patetices,são milhares de pessoas a tentar mitigar o que se passa por lá, já cansa um bocado esse discurso, até nos Açores já vimos há dias como as instituições públicas funcionaram bem apesar de todo o veneno que lançaste.
    Quando foi o Gordon não dei por ti a ires ao tópico que durou uma longa madrugada a ires lá elogiar todo o esforço que houve... só te interessa a critica ?
     
  2. algarvio1980

    algarvio1980
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mai 2007
    Mensagens:
    9,612
    Local:
    Olhão (24 m)
    Fiquei esclarecido em relação à categoria do furacão. Quanto às críticas que me fazes a mim, aceito elas mal de mim se não aceitasse não me reconhecia a mim próprio. :D:lol: Em relação aos Açores, o veneno que lançei foi no sentido que existia zonas mais vulneráveis e que deviam ser evacuadas as pessoas em maior risco, para evitar as tragédias. Mais vale prevenir do que remediar. Mas normalmente, estas tragédias acontecem quando menos se espera como foi o caso da Madeira, no Alentejo e etc. Há que criticar antes e depois louvar quando as coisas correm bem. A vida tem-me ensinado a ser assim, se estou certo ou errado não sei, mas no futuro se estiver errado não sei, mas estarei cá para ver. Por isso, adoro saber a perspectivas das outras pessoas em relação a mim.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura

Partilhar esta Página