Furacão SANDY (Atlântico 2012 #AL18)

Aristocrata

Super Célula
Registo
28 Dez 2008
Mensagens
6,164
Local
Paços de Ferreira, 292 mts
Uma animação feita pela Nasa:

 
Editado por um moderador:

Aristocrata

Super Célula
Registo
28 Dez 2008
Mensagens
6,164
Local
Paços de Ferreira, 292 mts

Iuri

Cumulus
Registo
24 Dez 2009
Mensagens
189
Local
Estoril
Extinto o Sandy é hora de fazer a contability do evento climatérico.

O Sandy começou na zona das Caraíbas a 19 de Outubro, tendo evoluído, em apenas 6 horas, de uma depressão tropical para uma tempestade tropical.
A 24 de Outubro foi categorizada como furacão, numa altura em que a velocidade dos ventos rondava os 119km/h.
Os estragos começaram no dia 24, quando fez landfall na Jamaica, mas foi depois desta passagem que, em alto mar, ganhou força passando a categoria 2
A 25 de Outubro fez landfall em Cuba tendo enfraquecido para uma cat. 1.
A 26 de Outubro, varreu as Bahamas, tendo enfraquecido para uma tempestade tropical no dia 27.
Novamente em mar alto voltou a ganhar força tendo passado a Cat. 1. É na subida do Atlântico que o furacão ganha força e forma, virando à esquerda em direcção à costa americana.

O furacão Sandy faz landfall nos EUA por volta das 20h00 do dia 29, chegando a New Jersey com ventos na ordem dos 120km/h.
Uma lua cheia criou marés 20% mais altas, tendo amplificado o efeito do furacão inundando ruas e túneis.

No dia 1 de Novembro o Sandy estava oficialmente dissipada, ainda que tenham havido registos de múltiplas células a circular na região dos Grandes Lagos.

Entretanto as marés baixaram 50cm abaixo do normal.

Os ventos mais fortes gerados pelo Sandy extenderam-se por uma área de 280 km desde o centro, tendo os mais "fracos" (de velocidade inferior a 70km/h) se extendido por uma área de 780 km.

Ainda assim, o Sandy foi considerado como a segunda maior tempestade tropical do Atlântico.
É o Furacão Olga que, em 2001, mantém o recorde de gerar ventos de força tropical por uma área de 965 km.

Mas o Sandy assumiu outros recordes. Como furacão, teve uma pressão central de 940 millibars, sendo a leitura mais baixa alguma vez registada num furacão do Atlântico que tenha atingido a costa Leste dos EUA.
O recorde anterior era do Furacão Long Island Express que, em 1938, apresentou valores de 946 millibars.

A força e ângulo de aproximação do Sandy, combinados, produziram uma tempestade que elevou a água em Nova Iorque a níveis recordes. 4,20m ultrapassaram os 3,20 registados com o Furacão Donna em 1960.

Fica uma foto do ponto épico do Furacão, bem como uma explicação gráfica de como estes monstros surgem.


 

adiabático

Cumulus
Registo
19 Nov 2007
Mensagens
316
Local
Lumiar
Mais outro dado para a contabilidade, estima-se que o Sandy tenha gerado danos materiais acima de 50.000M USD, tornando-se o segundo furacão com maior impacto económico de sempre, seguindo-se ao Katrina em 2005 - é de salientar que o Katrina era até agora considerado um caso isolado, tendo gerado danos cerca de 3 vezes superiores ao anterior segundo mais custoso, o furacão Ike de 2008.

O Sandy vem, de algum modo, "fazer a ponte" com o custo do Katrina e reforçar que não se trata de casos isolados mas de um novo paradigma no impacto dos ciclones do Atlântico.

A lista abaixo apresenta os danos materiais em USD referentes apenas ao impacto nos Estados Unidos (no mesmo artigo uma listagem referente a danos em Cuba) e os valores encontram-se corrigidos para o valor actual do dólar.

http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_costliest_Atlantic_hurricanes

Por "curiosidade" noto que dos dez primeiros, sete ocorreram nos últimos 8 anos. Valia a pena estudar a fundo este assunto e perceber porquê.

Dever-se-á a uma subida na intensidade das tempestades? Talvez em parte, mas não só - até porque destes furacões mais "danosos" apenas o Katrina e o Wilma aparecem na lista dos 20 ciclones mais intensos do Atlântico Norte:

http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_the_most_intense_tropical_cyclones

Como tem evoluído a preparação face à eventualidade da ocorrência destas catástrofes? Pelo que se pode apreciar pelas fotos da imprensa na cobertura do Sandy, a zona atingida não demonstrava grande preparação - nem na qualidade das construções, nem no ordenamento do território, especialmente em zonas costeiras. Mas é cedo para tirar conclusões definitivas.

Outros factores têm sido levantados a propósito do Sandy, como a infraestrutura envelhecida - recordo-me de ouvir o mesmo a propósito do Katrina, quando não de outros ciclones...