Urso-pardo de volta a Portugal?

Tópico em 'Biosfera e Atmosfera' iniciado por belem 9 Mai 2008 às 20:04.

  1. JPAG

    JPAG
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    14 Fev 2016
    Mensagens:
    185
    Local:
    Vila Viçosa (400 m) / Beja (245 m)
    Excelente comentário. Concordo com tudo o que disse.
    A 1ª posição que apresenta penso que está colocada como fora de hipótese neste momento pelos entendidos na matéria. Não faz sentido nenhum acreditar que o urso não entrou ou entrará em Portugal nos últimos/próximos anos. Só nós, humanos, é que vimos as fronteiras como limites administrativos e sabendo que os ursos têm andando pela região a cerca de 10/20 km da fronteira não me faz muito sentido que este limite não tenha sido já ultrapassado. Estamos a falar de um território que apresenta uma igualdade florística e faunística dos 2 lados da fronteira, de um território que felizmente tem conseguido fazer crescer algumas populações de animais em risco, como o lobo ou a cabra (e teve o ano passado também a boa notícia da charrela ter aparecido), ou seja, as condições necessárias para que os ursos entrem no nosso território estão lá e não me parece que desculpas como diferença de habitats e falta de alimento façam sentido de acordo com as semelhanças que há entre os territórios.

    Acerca da Reserva da Biosfera Transfronteiriça da Meseta Ibérica, é sem dúvida um excelente indicador de que as coisas estão a ser bem feitas e bem planeadas. Aliás, estas iniciativas só pecam por escassas. e deviam a continuar a ser implementadas, tanto em Portugal como no resto do mundo. Não faz sentido olhar-se para o território de forma desarticulada e através das fronteiras administrativas. No entanto acho que esta Reserva ainda está um pouco aquém do potencial que apresenta... percebo que nesta altura embrionária do projeto ainda se olhe muito para as questões de divulgação e aspetos económicos da região (principalmente turismo), mas esta terá que ter um papel mais interventivo na criação e gestão de projetos de conservação da natureza. Mas no geral o trabalho desenvolvido tem sido bom.

    Não sendo um grande entendido na matéria, nem sabendo muito bem todos os requisitos necessários para a criação de estas reservas transfronteiriças, custa-me a perceber como é que ainda não foi criada nenhuma (nem se ouviu falar, que eu saiba), para a região do Guadiana (Vale do Guadiana-Picos de Aroche-Serra de Aracena, p.ex).
     
    belem e Thomar gostaram disto.
  2. JPAG

    JPAG
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    14 Fev 2016
    Mensagens:
    185
    Local:
    Vila Viçosa (400 m) / Beja (245 m)
    Ainda acerca desta notícia...

    Neste momento não estamos só a falar deste registo fotográfico. O autor das fotos, um pastor da zona (e primo do prof.Carlos Aguiar), avistou o urso junto a uns colmeais. Não tendo o telemóvel aquando do avistamento só conseguiu fazer registos mais tarde às pegadas. Há mais fotos mas apenas uma foi divulgada. Vale o que vale, mas o pastor é um ex-emigrante nos EUA e diz "conhecer" bem os ursos, e a verdade é que é um animal bem reconhecível :D

    Com avistamentos e com relatos de várias pegadas na zona, bem como de vários técnicos já no local a investigar, as hipóteses da história ser verídica parece tornar-se mais forte. Seria fulcral alguns dos técnicos na zona encontrarem outros vestígios, como fezes ou pelos para amostras de ADN. Parece-me que a hipótese de encontrar pelos não será muito complicada, no entanto penso que mesmo que se confirme não deverá haver confirmação por parte das entidades competentes tão brevemente..
     
  3. Pek

    Pek
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    24 Nov 2005
    Mensagens:
    3,564
    Local:
    Menorca
    Não há variedade ibérica do tetraz. Tradicionalmente temos:

    - Subsp. cantabricus: Cordilheira Cantábrica.
    - Subsp. aquitanicus: Pirenéus.

    De acordo com análises genéticas mais recentes, existem duas linhagens:

    - Boreal: Pirenéus, Escandinávia, Alpes, Cárpatos, Rússia, Montanhas Dináricas, etc.
    - Meridional: Cordilheira Cantábrica, Montanhas Ródope, Montanhas Dináricas, Cárpatos e Pirenéus

    Nos Cárpatos, Pirenéus e Montanhas Dináricas há contacto entre as duas linhagens, com exemplares boreais e meridionais. A linhagem do sul é só pura na Cordilheira Cantábrica e Montanhas Ródope (Bulgária-Grécia). Na Ibéria, portanto, existem as duas "linhas", diferente é o caso da Cordilheira Cantábrica.

    Em relação ao urso cuatro mapas do habitat potencial:

    - Azul: Habitat adequado ocupado pela espécie.
    - Verde: Habitat adequado não ocupado pela espécie.

    [​IMG]

    Mapa b) Adequação de habitat. Azul: Adequação máxima.

    [​IMG]

    Mais informação


    P.S.: Na Península Ibérica existem outras duas espécies de tetrazes além do tetraz-grande (Tetrao urogallus), ambas nos Pirenéus:

    - Lagópode-branco (Lagopus muta). Lagópodo alpino em castelhano.
    - Perdiz-avelã ou galinha-do-mato (Tetrastes bonasia). Grévol em castelhano. Recentemente reintroduzido:

     
    #663 Pek, 22 Fev 2019 às 16:36
    Última edição: 22 Fev 2019 às 17:06
  4. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    4,174
    Local:
    Sintra
    Há mais fotos? Então e alguma é melhor do que a que vimos (e que apareceu nas notícias)?

    Eu só vejo mais hipóteses, disso ser verdade quando aparecerem melhores fotos (ou nem que seja uma melhor foto) e aparecer a confirmação oficial.

    Se for verdade, ficaria muito satisfeito.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  5. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    4,174
    Local:
    Sintra
    Obrigado.
    Referia-me ao tetraz que ainda existe na Peninsula Ibérica (será que os tetrazes dos Pirinéus têm condições para assumir o papel de recuperar os tetrazes cantábricos?) e realmente se os estudos genéticos indicam esses resultados, será possível recuperá-lo sem causar alterações graves no seu património genético.

    Quanto ao lagópode branco e à galinha do mato, penso que são interessantes.
    Em Portugal, desconheço, se estariam presentes em tempos históricos, ou no passado longinquo (teria que pesquisar bem antes), mas se já existiram por cá, devem ter tido uma maior expressão durante fases climáticas bem mais frias que as atuais e/ou em zonas de montanha muito alta.
    Portugal é mais conhecido por ser um enclave onde sobrevivem plantas do período Terciário, quando o clima da Europa era mais quente, do que propriamente um refúgio para espécies «glaciárias», porque tem poucas zonas de grande altitude e está junto ao Atlântico, por exemplo.

    Relativamente às regiões, ditas como propícias à presença do urso, esses mapas são interessantes, mas desconheço qual o nível de rigor e parece haver alguma variação.
    Parece-me que em alguns casos, usam sobretudo a cobertura florestal e a altitude...

    Deixo aqui mais alguns:

    [​IMG]

    https://geoinnova.org/blog-territor...zly-nvWoNGVV9RTonJ-lKFr4eMbn6sJ-fES-JfyZg_YTA

    Este é relativo à presença (1998-2000):
    [​IMG]

    https://www.miteco.gob.es/es/biodiv...8bZIfbPLvGKE0-XBQiA2Q4KPYNE57_7LZzjWXqxUzW9vs

    Mais um (mas é relativo a zonas com potencial para albergar a espécie):

    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #665 belem, 22 Fev 2019 às 18:52
    Última edição: 23 Fev 2019 às 09:10
    MSantos e Pek gostaram disto.
  6. Pek

    Pek
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    24 Nov 2005
    Mensagens:
    3,564
    Local:
    Menorca
    Sim, em princípio, seria interessante transferir exemplares dos Pirinéus para o Cantábrico, embora primeiro devemos eliminar as causas do seu declínio lá. Há um projeto Life, mas não está indo bem (me reservo a minha opinião :rolleyes:)

    Actualmente vejo impossível o lagópode branco em território português, mas não a galinha do mato. O lagópode branco estava presente nas montanhas cantábricas até cem anos atrás (não há programa de reintrodução nem haverá no curto-médio prazo).

    Sim, fundamentalmente cobertura florestal bem preservada e distância a áreas altamente urbanizadas. O estudo: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/ddi.12796 Pode ser melhorado, mas não é mau.

    Já conhecia os mapas de distribuição e probabilidade de presença. Alguma vez os coloquei no fórum no passado se não estou enganado. Mais um da sua distribuição no século XIX:

    [​IMG]

    Distribuição do urso pardo em meados do século XIX de acordo com os dados do Dicionário Madoz (áreas sombreadas). Os círculos brancos representam exemplares erráticos e os círculos pretos são citações no primeiro quarto do século XIX. De acordo com Nores e Naves (1993).
     
    belem gostou disto.
  7. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    4,174
    Local:
    Sintra

    Concordo, aliás eu dei-me ao trabalho de pesquisar por fotografias e fiz aqui mesmo, essas analogias.
    Alguns membros do forum, que vivem na região, enriqueceram também bastante o forum, com material fotográfico.
    Também já tive a felicidade de visitar o Parque Natural de Montesinho a Serra da Nogueira e arredores, e fiquei surpreendido, com a presença de vários bosques de carvalho, por exemplo, que sinceramente, não esperava ali encontrar, sobretudo tendo em conta a extensão dos mesmos, e a dimensão de algumas árvores.
    E pelas fotos, que tenho encontrado, muito ainda ficou por ver...

    Para ser honesto, desconheço o que tem sido feito (em termos gerais) ultimamente em torno, da Reserva da Biosfera Transfronteiriça da Meseta Ibérica... Pelo menos, nos últimos 6 meses, por exemplo..
    A ver se guardo tempo para pesquisar sobre esse assunto.
    Tenho estado (parcialmente), mais envolvido isso sim, com a Faia Brava, que no fundo também vai ficar incluída nesta reserva.
    Mas tenho quase a certeza que existem planos para expandir o trabalho que tem sido feito na Faia Brava, por mais algumas zonas desta mega reserva da Biosfera (porque já tive acesso a informação que assim o indica).
    Isto porque o modelo da Faia Brava, tem funcionado e tem sustentabilidade.
    Tem havido cuidado em identificar e monitorizar a fauna e flora locais (passando pelos grandes herbívoros e carnívoros selvagens, até ao nível das plantas mais pequenas e dos insectos), em descobrir bosques antigos (e em conservá-los), em remover muita vegetação seca para diminuir a capacidade de expansão dos fogos no caso destes ocorrerem (com a utilização de raças autóctones primitivas nacionais de cavalos e bovinos), em criar comedouros para aves de rapina, em proteger métodos agrícolas tradicionais e ancestrais, em educar as populações locais e as novas gerações para a questão do ambiente e claro está em desenvolver o ecoturismo! Claro que podia falar de mais atividades, mas isto é só um exemplo.
    Recentemente, até se descobriram mais gravuras «novas» no vale do Côa e por isso o trabalho de campo, na reserva, é praticamente constante, porque inclue vertentes diferentes de investigação.

    Em relação, à situação do Guadiana/Serra da Adiça/Serra de Aracena/etc.., concordo com tudo o que diz.
    Gostaria de salientar 2 aspetos, que muitos podem desconhecer em relação ao vale do Guadiana:,a surpreendente boa qualidade de diversos habitats presentes em várias sectores do vale e a descoberta recente de gravuras rupestres.
    A criação do Parque Natural do Guadiana já foi um pequeno passo (ingénuo) na direção dessa hipotética mega-reserva luso-espanhola, assim como as ações desenvolvidas em prole do abutre-preto e do lince-ibérico, na zona de Contenda-Barrancos.
    A união, dessas áreas com a vizinha Espanha, penso que pode ter o seu interesse, até porque sabemos, que o lince-ibérico, por exemplo, usa corredores naturais, presentes nessa região, para deambular por entre Portugal e Espanha.
    Quando muitos especialistas conhecidos, falavam na extinção do lince em Portugal, as referências sobre a presença do lince-ibérico, pelo menos nesta região,nunca deixaram de surgir, tendo até sido ali recolhidos excrementos identificados (geneticamente) como sendo de lince.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #667 belem, 22 Fev 2019 às 20:08
    Última edição: 23 Fev 2019 às 08:54
    MSantos gostou disto.
  8. frederico

    frederico
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    9 Jan 2009
    Mensagens:
    9,840
    Local:
    Porto
    Eu acredito que há condições para termos uma pequena população de ursos, MAS não será no Gerês. O local com melhores condições é o Nordeste Transmontano.
     
    MSantos, belem e "Charneca" Mundial gostaram disto.
  9. MSantos

    MSantos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    3 Out 2007
    Mensagens:
    9,376
    Local:
    Azambuja / Mte. Barca (Coruche)
    O problema é que mesmo uma pequena população de ursos necessita de uma vasta área, e mesmo no Nordeste Transmontano não sei se haverá neste momento condições para a existência de ursos.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    Pedro1993 gostou disto.
  10. Pedro1993

    Pedro1993
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Jan 2014
    Mensagens:
    7,880
    Local:
    Torres Novas(75m)
    Pois o nosso território até podem ser visitados pelos ursos que cruzam a fronteira, mas também não acredito que reúna todas as condições essenciais para a sua permanencia efectiva.

    @belem, parabéns pela tua excelente abordação ao tema do urso, com explicações bastantes detalhadas e explicativas.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    belem gostou disto.
  11. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    4,174
    Local:
    Sintra
    Sim concordo.

    E acho que frequentemente se exagera quanto às exigências dos ursos.

    Quanto à possibilidade de uma população efectiva se fixar no canto Nordeste, se for nos dias de hoje, impossível não é, mas talvez seja antes algo improvável. Daqui a alguns anos, quem sabe...
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #671 belem, 27 Fev 2019 às 09:43
    Última edição: 27 Fev 2019 às 09:51
    Pedro1993 gostou disto.
  12. frederico

    frederico
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    9 Jan 2009
    Mensagens:
    9,840
    Local:
    Porto
    Ja nao vou ao Geres ha uns dois ou tres anos. A ultima vez que la estive pareceu me que havia excesso de presenca humana em algumas areas. Nao creio que tenha condicoes para albergar ursos com gente por todo o lado a caminhar e a fazer barulho. O Macico Central e de dificil acesso mas nao tem floresta...
     
  13. frederico

    frederico
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    9 Jan 2009
    Mensagens:
    9,840
    Local:
    Porto
    Ha muita gente ligada ao Ambiente e a Conservacao que fala disto mas ninguem os ouve. A situacao agravou se muito nos ultimos 10 a 15 anos por culpa das autarquias que nao param de abrir caminhos e trilhos. Ha zonas que so podem ser conservadas se nao houver presenca humana, ponto.
     
  14. Ricardo Carvalho

    Ricardo Carvalho
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    23 Jul 2015
    Mensagens:
    2,614
    Local:
    Azeitão/Sesimbra
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #674 Ricardo Carvalho, 1 Mar 2019 às 17:32
    Última edição: 1 Mar 2019 às 19:57
    belem, frederico e JPAG gostaram disto.
  15. frederico

    frederico
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    9 Jan 2009
    Mensagens:
    9,840
    Local:
    Porto
    Se a memoria nao me falha ha uma lenda medieval que fala de um ataque de um urso ao Rei D. Dinis na regiao de Beja.
     
    MSantos e belem gostaram disto.

Partilhar esta Página