Aquecimento Global

Tópico em 'Climatologia' iniciado por Minho 23 Set 2007 às 19:38.

  1. trovoadas

    trovoadas
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    3 Out 2009
    Mensagens:
    1,992
    Local:
    loule-caldeirao
    Grande hipócrisia desta malta! Ainda não vi ninguém tomar medidas concretas e "sacrificarem-se" um pouco. É tudo do bom e do melhor e nada tem valor. Para mim isso é um circo com muito palhaço!
     
  2. algarvio1980

    algarvio1980
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mai 2007
    Mensagens:
    9,176
    Local:
    Olhão (24 m)
    http://www.snmportugal.pt/

    Bom, aqui onde moro, nem em 2100 o mar chega cá.:D Mas, Olhão é o concelho do Algarve mais afectado com cerca de 10000 pessoas afectadas.

    Em 2100, o Aeroporto de Faro está parcialmente debaixo de água. :D
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  3. algarvio1980

    algarvio1980
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mai 2007
    Mensagens:
    9,176
    Local:
    Olhão (24 m)
    Há 2.000 anos, o clima na Europa mudou (e a culpa foi dos Romanos)

    https://zap.aeiou.pt/clima-europa-mudou-culpa-romanos-260226

    Ainda vai aparecer um estudo, em que vão dizer que a culpa foi dos dinossauros. :D
    Na volta, ainda vão descobrir, que o clima da Terra sempre foi mudando ao longo da sua longa história. :rolleyes:
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    camrov8 e 1337 gostaram disto.
  4. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    15,575
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    O artigo diz que a atividade humana interfere com o clima/padrões meteorológicos de forma não uniforme. Paralelamente, isto interage com as variações naturais do clima.

    Não estou a perceber. De que forma é que a teoria foi invalidada? E desde quando é que o artigo fornece informações até agora desconhecidas?

    Há 2000 anos atrás a madeira/carvão representava a principal fonte de energia fóssil. Se a reduzida população mundial da altura, com as reduzidas emissões associadas, já influenciava os padrões meteorológicos, que inferências se pode tirar da atual? :intrigante:

    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #2119 Orion, 5 Jun 2019 às 22:48
    Última edição: 5 Jun 2019 às 22:53
    Thomar gostou disto.
  5. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    15,575
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
  6. camrov8

    camrov8
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Set 2008
    Mensagens:
    2,328
    Local:
    Oliveira de Azeméis(278m)
    ora não sou maluquinho da negação continuo mas temos de saber discernir o que o homem esta a influenciar, nos estamos a sair de uma era glaciar é natural que o clima aqueça,
    mas não esta a aquecer onde a "populaça" pensa Março foi quente ouvi uma pita muito preocupada que Março esta a ser quente e tudo o mais veio Abril e cumpriu o ditado,
    são os pólos que estão a aquecer é normal já existiram eras em gelo nos pólos, agora como chalaça nem somos os piores uma das maiores extinções em massa foi causada pelo
    evolução dos primeiros seres fotossinteticos que inundaram o planeta com o segundo elemento mais oxidativo que existe o oxigénio
     
    belem e 1337 gostaram disto.
  7. bandevelugo

    bandevelugo
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    3 Jan 2008
    Mensagens:
    157
    Local:
    Lisboa
    O problema com estes silogismos é que não explicam a forte redução da temperatura entre o ano 1300 (c. 400 milhões de humanos entretidos em atividades pré-industriais) e o final do século 19 (1 650 milhões)...

    By the way, a "madeira/carvão" não é propriamente uma "energia fóssil"... embora os romanos já usassem o carvão mineral de forma massiva, em especial na Bretanha e na Germânia...
     
    "Charneca" Mundial gostou disto.
  8. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    15,575
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
  9. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    15,575
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  10. joralentejano

    joralentejano
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Set 2015
    Mensagens:
    5,215
    Local:
    Arronches, Portalegre (272m)
    O manto de água que gelou o mundo
    A 13 de Junho, a Gronelândia perdeu 2 mil milhões de toneladas de gelo, aproximadamente 712 mil quilómetros da superfície — ou seja, oito vezes a superfície de Portugal. Este é um problema global, não conhece fronteiras, e todos em sociedade e individualmente somos chamados a agir.

    Há casos em que as imagens podem mesmo substituir as palavras. As notícias sobre o ambiente, o aquecimento global e a urgência de acção ao nível climático multiplicam-se. Todos os dias ouvimos algo sobre economia circular, o drama dos microplásticos ou como o Árctico está a derreter. Até que aparece uma fotografia que nos faz engolir em seco e petrificar porque por fracções de segundo temos uma imagem real de tudo aquilo que lemos e que inconscientemente guardamos na caixinha do futuro.

    Sim, não precisei sequer de dizer para que soubessem de que imagem vos falo — a fotografia dos cães de trenó a caminharem sobre um manto de água outrora gelada, tirada pelo cientista dinamarquês Steffen M. Olsen, no passado dia 13 de Junho, no noroeste da Gronelândia.

    A imagem é realmente tremenda e podia fazer parte de qualquer cenário dantesco ou até tornar-se uma obra de poesia épica camoniana. O buzz foi brutal, tornou-se num trending topic no Twitter e demais redes sociais. Por todo mundo milhares de milhões de pessoas viram, comentaram e partilharam a imagem. Ainda assim, torna-se importante, mandatório até, que se tente compreender o que afinal está na base daquela fotografia.

    Para os cientistas esta situação não é totalmente inesperada, mas antecipou-se ao previsto. Embora este não seja um acontecimento isolado, nunca tinha sido visto tanto gelo derretido antes de Julho. É verdade que o Verão está aí, mas nesta região da Terra as temperaturas máximas em Junho costumam ser de 3,2 graus Celsius e não temperaturas entre os 15 e os 17 graus Celsius, como registados pela estação meteorológica mais próxima do aeroporto de Qaanaaq, no noroeste da Gronelândia. Este aumento de temperatura resultou num derretimento de gelo atípico. Só nesse dia, 13 de Junho, a ilha perdeu 2 mil milhões de toneladas de gelo, aproximadamente 712 mil quilómetros da superfície — ou seja, oito vezes a superfície de Portugal.


    Mas como aconteceu tudo isto? Existiu uma massa de ar quente que se deslocava do sul, que em simultâneo com uma alta pressão atmosférica criou estas condições quentes e ensolaradas. Tal provocou uma baixa cobertura de nuvens e diminuição da neve, o que torna a superfície de gelo mais vulnerável à radiação solar. Debaixo de todo aquele lago de água estava ainda uma camada de gelo a derreter, com uma espessura de 1,2 metros, o que permitia que os cães se deslocassem. Já noutras áreas, a água é drenada pelas fissuras no gelo, o que impede que se acumule em tanta quantidade à superfície, como explica o cientista dinamarquês.

    Além de tudo isto, a cada novo Verão prevê-se que o gelo continue a diminuir de forma galopante. A cada Inverno que passa forma-se uma nova camada de gelo. O grande problema é que é cada vez menos espesso e mais vulnerável. E este é um ciclo que não tem fim. Esta fotografia veio, mais uma vez, mostrar que já não se fala só de previsões e que tudo está acontecer diante dos nossos olhos (ou dos nossos feeds).

    Urge perceber, interiorizar, que o futuro é mesmo hoje. Este é um problema global, não conhece fronteiras, e todos em sociedade e individualmente somos chamados a agir, com toda a responsabilidade política, social e geracional.

    Fonte: Público
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    Ricardo Carvalho gostou disto.

Partilhar esta Página