Auriol Weather Station

Geiras

Cumulonimbus
Registo
16 Jun 2010
Mensagens
4,247
Local
Qta. do Conde / Sintra
Não sei se a pergunta é um pouco disparatada mas as pilhas recarregáveis também dão para a Estação?
 

Estação SP

Cumulus
Registo
1 Fev 2011
Mensagens
438
Local
Gafanha da Nazaré (Aveiro)
Eu axo que sim que podes, tens é de ter um carregador para carregalas, no anemometro e no pluvimetro é que nao sei, com temperaturas frias e quentes se deitará algum liquido


Entao o que aconteceu à tua estaçao meteorologica? que tinha 8 metros e passou para 7 metros?

a tua casa é de primerio andar ou resto do chao?
 

Geiras

Cumulonimbus
Registo
16 Jun 2010
Mensagens
4,247
Local
Qta. do Conde / Sintra
Eu axo que sim que podes, tens é de ter um carregador para carregalas, no anemometro e no pluvimetro é que nao sei, com temperaturas frias e quentes se deitará algum liquido


Entao o que aconteceu à tua estaçao meteorologica? que tinha 8 metros e passou para 7 metros?

a tua casa é de primerio andar ou resto do chao?

Tive a medir tudo com uma régua de 50cm. 2.5m parte de baixo e 3m parte de cima. mais cerca de 1m ou 1,5m entre o telhado e onde ta o RS vai-me dar esses 7metros :D

A minha casa é uma vivenda :thumbsup:
 

Geiras

Cumulonimbus
Registo
16 Jun 2010
Mensagens
4,247
Local
Qta. do Conde / Sintra
vivenda? mas resto do chao certo?

a minha é resto do chao e tenho um grande obstáculo situado a NNO ou NO

depois com o tubo de 3,5 só tenho esse obstáculo

Tem R/C e primeiro andar ;)
 

jpproenca

Cumulus
Registo
7 Jan 2011
Mensagens
126
Local
Lajes do Pico - Açores
Não sei se a pergunta é um pouco disparatada mas as pilhas recarregáveis também dão para a Estação?

Não experimentei mas penso que dá para funcionar embora é provável que apareça o alerta de pilha fraca.

Não tenho a certeza qual a tensão a que é accionado o alerta mas as baterias recarregáveis têm tensão de 1,2 V enquanto que a tensão das pilhas é de 1,5 V.

No caso dos sensores externos haverá que contar com a necessidade de maior frequência na troca, pois a energia disponível nas baterias recarregáveis é muito menor que a energia das pilhas.

Em conclusão, não recomendaria tal opção. As pilhas duram muito tempo e, no caso da consola, ainda há a hipótese de utilizar uma alimentação pela rede eléctrica ficando as pilhas apenas como alimentação de recurso no caso de falha da rede.
 

Geiras

Cumulonimbus
Registo
16 Jun 2010
Mensagens
4,247
Local
Qta. do Conde / Sintra
Não experimentei mas penso que dá para funcionar embora é provável que apareça o alerta de pilha fraca.

Não tenho a certeza qual a tensão a que é accionado o alerta mas as baterias recarregáveis têm tensão de 1,2 V enquanto que a tensão das pilhas é de 1,5 V.

No caso dos sensores externos haverá que contar com a necessidade de maior frequência na troca, pois a energia disponível nas baterias recarregáveis é muito menor que a energia das pilhas.

Em conclusão, não recomendaria tal opção. As pilhas duram muito tempo e, no caso da consola, ainda há a hipótese de utilizar uma alimentação pela rede eléctrica ficando as pilhas apenas como alimentação de recurso no caso de falha da rede.

As pilhas recarregáveis eram apenas para a consola, pois nos sensores externos as pilhas estão muito boas :)

Obrigado :thumbsup:
 

Geiras

Cumulonimbus
Registo
16 Jun 2010
Mensagens
4,247
Local
Qta. do Conde / Sintra
@Geiras

Porque não usas um transformador na consola?

Também costumo usar, mas às vezes ando com a consola de um lado para o outro e era para isso que queria as pilhas recarregáveis, ou isso ou começo a acender menos vezes a luz do visor para não gastar tanto a pilha :D

(as pilhas de fábrica duraram-me menos de 3 meses na consola) :lmao:
 

Pedro

Super Célula
Registo
15 Abr 2009
Mensagens
6,105
Local
.
Também costumo usar, mas às vezes ando com a consola de um lado para o outro e era para isso que queria as pilhas recarregáveis, ou isso ou começo a acender menos vezes a luz do visor para não gastar tanto a pilha :D

(as pilhas de fábrica duraram-me menos de 3 meses na consola) :lmao:

As minhas só as mudei na semana passada, e com medo que fosse abaixo, que começara a dar sinal de pilha fraca há mais de dois meses. (a minhs estação é de Dezembro de 2009):thumbsup:
 

Estação SP

Cumulus
Registo
1 Fev 2011
Mensagens
438
Local
Gafanha da Nazaré (Aveiro)
Como eu tinha dito aqui está a estaçao meteorologica a 8,5 metros, com um mastros de 3,5metros

dsc00467ee.jpg



O RS a 1,50 metros do telhado

dsc00469o.jpg



O pluvimetro a 3 metros(no terraço)

dsc00471e.jpg



Como podem ver agora fica mais alto que a casa de primeiro andar do lado direito (vi me à rasca para tirar esta foto)

dsc00474i.jpg
 

jpproenca

Cumulus
Registo
7 Jan 2011
Mensagens
126
Local
Lajes do Pico - Açores
ACERCA DO ANEMÓMETRO (2)
(No seguimento do comunicado # 616 - página 42)

FUNCIONAMENTO

Introdução:
O presente comunicado limita-se a registar, em termos muito gerais, como é que funciona o processo de medição do anemómetro em apreço.
O objectivo é sintetizar o processo, para além do estritamente descrito no manual, a fim de permitir melhor compreender a máquina e as suas capacidades na função de aparelho de medida.

Para a medida da direcção, o vento orienta um cata-vento associado a um provável (não confirmado) conjunto de 4 interruptores que operam sozinhos e aos pares sequenciais.

Para a medida da velocidade, o vento impulsiona uma roda eólica associada a um íman que acciona um interruptor magnético.

Um circuito electrónico, alimentado por 2 pilhas correntes de 1,5 V do tamanho AA, monitoriza a tensão de alimentação, a configuração do conjunto de interruptores associados ao cata vento e a contagem de rotações facultada pelo interruptor magnético da roda eólica, e prepara periodicamente um pacote de informação que envia para a consola, via radio.

A emissão é feita nos 434 MHz a intervalos de 31 segundos e, a cada seis pacotes de comunicação, cinco dizem respeito ao anemómetro e contêm 3 pares de mensagens iguais e seguidas, cada par com a seguinte informação: Identificação do emissor; Estado da tensão de alimentação; Identificação do tipo de informação; Velocidade média do vento ou direcção e velocidade máxima do vento; Chave para validação da mensagem.

A direcção do vento é informada em múltiplos de 45 º
A velocidade do vento é informada em múltiplos de 0,2 m/s

Ao receber validamente cada comunicação proveniente do anemómetro, a consola actualiza internamente os respectivos registos, efectua cálculos relativos à direcção do vento e disponibiliza no visor as correspondentes medidas nas unidades em uso.

Paralelamente, a consola actualiza também os valores históricos máximos e mínimos das velocidades recebidas e, se for caso disso, desencadeia o alarme de rajada máxima programado pelo utilizador.

Cada alteração à direcção do vento, quando transmitida pelo anemómetro, é informada pela consola numa sequência de 4 etapas com a cadência de 31 segundos.

As medidas em km/h, mph e knots são disponibilizadas no visor mediante arredondamento após conversão.

Se for caso disso, a consola disponibiliza no visor a informação de tensão insuficiente das pilhas no anemómetro.

Durante a pesquisa de sinal horário DCF-77 pela consola, esta não recebe a emissão de comunicação do anemómetro.

O 'entendimento' entre anemómetro e consola é feito no início de operação, do seguinte modo:
- Ao ser alimentado por energia eléctrica, o anemómetro gera um número aleatório de identificação, que vai manter enquanto a alimentação se mantiver;
- Ao forçar-se, na consola, a pesquisa de periféricos, esta capta a emissão do anemómetro e regista a sua identificação, que vai servir de palavra passe para aceitação das respectivas comunicações;
- Ao registar o anemómetro no acto de pesquisa de periféricos, a consola regista também os valores de arranque informados pelo anemómetro.

No caso de existência no ar de outros pacotes de comunicação na mesma frequência, poderão ser necessárias várias tentativas até que a consola 'apanhe' o anemómetro efectivamente pretendido. Naturalmente que não haverá 'entendimento' possível no caso de existência no ar de outra emissão com potência semelhante e operando ininterruptamente na mesma frequência.

A medição facultada ao utilizador não é disponibilizada em contínuo. Há que ter presente os seguintes factores:
- As medidas feitas pelo anemómetro são comunicadas à consola com a periodicidade de 31 ou 62 segundos;
- A actualização de medidas na consola depende da recepção da informação facultada pelo anemómetro, o que pode demorar até cerca de 6 minutos;
- No caso de falha de recepção pela consola (por exemplo, devido a emissões sobrepostas, emitidas por outras fontes) as respectivas medidas são perdidas mantendo-se as anteriores até nova recepção bem-sucedida;
- Após cada recepção, a consola demora cerca de 2 segundos a processar a informação;
- A indicação da direcção do vento é facultada mediante sequência de alterações que pode demorar até 93 segundos.

(Disponível na página 47 / # 692 um índice desta colecção de apontamentos.)
 

fablept

Nimbostratus
Registo
12 Nov 2008
Mensagens
1,296
Local
Ponta Delgada - Açores
Boa info jpproença :)

Já tenho a Auriol a funcionar no freeware WSDL..



A comunicação entre o Arduino e o WSDL é directa, não é necessário um programa em background para receber os dados como é necessário com o Cumulus..isto é conseguido através de um protocolo genérico (dei a ideia ao autor do WSDL e ele aceitou :) ), podem fazer a vossa própria estação com um Arduino ou outro microcontrolador que se seguirem o protocolo genérico, o WSDL irá receber os dados da estação.

Acho que não vou dedicar-me a suporte a mais nenhum software, acho que o Cumulus e o WSDL são dos melhores freewares.

@Jproença, o WSDL agora tem suporte para a Auriol e para os teus sensores de Temp/humid..
http://wmrx00.sourceforge.net/Arduino/arduino.html
 

jpproenca

Cumulus
Registo
7 Jan 2011
Mensagens
126
Local
Lajes do Pico - Açores
Boa info jpproença :)

Já tenho a Auriol a funcionar no freeware WSDL..



A comunicação entre o Arduino e o WSDL é directa, não é necessário um programa em background para receber os dados como é necessário com o Cumulus..isto é conseguido através de um protocolo genérico (dei a ideia ao autor do WSDL e ele aceitou :) ), podem fazer a vossa própria estação com um Arduino ou outro microcontrolador que se seguirem o protocolo genérico, o WSDL irá receber os dados da estação.

Acho que não vou dedicar-me a suporte a mais nenhum software, acho que o Cumulus e o WSDL são dos melhores freewares.

@Jproença, o WSDL agora tem suporte para a Auriol e para os teus sensores de Temp/humid..
http://wmrx00.sourceforge.net/Arduino/arduino.html

Interessante. Muito obrigado. Vou estudar a matéria.