Biodiversidade

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,346
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Sim, aquela zona onde estive é uma das mais quentes do Algarve. Eu depois fui a Portimão, Silves e nenhum destes locais se comparava em temperaturas.
Cheguei a notar diferenças de cerca de 8 graus , sobretudo durante a noite, de alguns locais para outros.
O Quercus faginea? Deve ser raro, que não me lembro de ver algum, pelo menos nos locais em que estive ( Monchique incluído). Provavelmente estará restringido a zonas húmidas.
Sim, ainda há linces em Monchique.
A Barragem de Odelouca vai ser contruída, numa zona pouco ou nada frequentada pelos linces, pois estes andam mais pela lado oeste de Monchique. Assim como nos pontos mais isolados e altos da Serra.
O ideal, no entanto, era que essa barragem não fosse feita. ;)
 


psm

Nimbostratus
Registo
25 Out 2007
Mensagens
1,509
Local
estoril ,assafora
Quanto ao Quercus Faginea no Algarve penso que não se encontra, mesmo na serra de Monchique. Ele se encontra mais a norte como no Cercal e onde haja sempre humidade no solo(ribeiras ou onde o solo seja mais espesso, pois é uma zona xistosa). Em montemor e ai há uma boa mancha, e ai os solos são graniticos ou de aluvião(compacto)mais antigos, e por isso onde retêm bastante humidade no solo, tal como em Monfurado se encontra mais a sul o Quercus Pyrenaica(reliquial).


ps:Eu não sei se em Montemor a sub espécie de faginea é o Faginea faginea, pois a norte do tejo e na Arrabida é o Broteroi:unsure:.
 

MSantos

Staff
Registo
3 Out 2007
Mensagens
9,836
Local
Azambuja / Rio Maior
Em relação a flora do barrocal, queria salientar a presença da unica palmeira nativa da Europa:), A palmeira anã ou palmeira das vassouras.
É uma especie que em Portugal apenas existe no Algrave principalmente no barrocal.:)
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,346
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Em relação a flora do barrocal, queria salientar a presença da unica palmeira nativa da Europa:), A palmeira anã ou palmeira das vassouras.
É uma especie que em Portugal apenas existe no Algrave principalmente no barrocal.:)


A Phoenix canariensis também é nativa da Europa. Quanto à palmeira das vassouras, em Portugal, também existe na Costa Vicentina Alentejana ( provavelmente ainda dentro da zona geográfica do Algarve).
 

MSantos

Staff
Registo
3 Out 2007
Mensagens
9,836
Local
Azambuja / Rio Maior
A Phoenix canariensis também é nativa da Europa. Quanto à palmeira das vassouras, em Portugal, também existe na Costa Vicentina Alentejana ( provavelmente ainda dentro da zona geográfica do Algarve).

Pensava que a Palmeira das canarias era apenas origiraia dos arquipelagos da Macaronésia:unsure:

Sim a Palmeira das vassouras também existe na Costa Vicentina;) Mas penso ser mais comum na zona do barrocal:unsure:
 

frederico

Furacão
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
10,093
Local
Porto
Ria Formosa, antes que desapareça o Parque Natural...



A Ria Formosa constitui uma das principais áreas protegidas portuguesas em termos de protecção da avifauna. São quase 200 espécies de aves, algumas bem raras no nosso país, como o caimão. A juntar à riqueza da fauna, temos a presença de espécies vegetais cuja conservação é prioritária, incluindo endemismos algarvios, presentes na vegetação dunar e nalguns pequenos bosques de sobreiro e pinheiro-manso que ainda subsistem.


Infelizmente, constitui uma das áreas mais amaeaçadas do nosso país. O avanço do tecido urbano nas imediações de ecossistemas fundamentais como o sapal e as salinas tem sido assustador. Nos arredores de Tavira, o betão continua a ocupar terrenos agrícolas junto da zona húmida a um ritmo assustador. O mesmo sucede em Olhão e em Faro. Cada vez mais o parque está rodeado por uma muralha cerrada de betão.

Nos arredores de Faro, o Pontal constitui a principal mancha verde do litoral sul, um dos raros bosques de sobreiro e de pinheiro-manso que ainda subsistem. Contudo, a pressão para betonizar esta zona verde, situada entre a cidade e a Quinta do Lago é enorme.

Para além disso, surgem outras ameaças. A pressão humana na época balnear nas ilhas barreira, derivada do aumento exponencial da área urbana, põe em risco a sua conservação, pois aumenta o pisoteio dunar e a acumulação de lixo. Propostas para a construção de pontes pedonais para as ilhas barreira a ser concretizadas agravarão a situação.

E depois temos a instalação de grandes empreendimentos turísticos na área do parque, como a Quinta do Lago, e mais recentemente da Quinta da Ria, bem como de várias aldeias turísticas e pequenas urbanizações que não param de crescer.

A atitude dos autarcas e da população não tem sido sempre a melhor, considerando o parque como um entrave ao progresso.

A ausência de uma área de conservação entre os sapais e salinas e a área urbana leva a que as habitações sejam por vezes construídas quase dentro da zona húmida.

E por fim, existe o problema das construções nas ilhas barreira, que por enquanto está sem fim à vista.




Esta seria a minha proposta para salvar o pouco que resta:

- recuperar esteiros e canais de água em áreas que foram drenadas;

- salvaguardar os bosques de sobreiro e pinheiro manso;

- demolir as construções ilegais integralmente;

- travar a expansão urbana nas imediações do parque;

Infelizmente, neste momento já não é possível criar um corredor ecológico no litoral sotavento, para espécies como o camaleão, que pelas minhas perspectivas não tardará muito e estará extinto.


Mas para além da degradação ambiental, há que referir a degradação urbana. Os centros de Faro e de Olhão possuem vários edifícios abandonados, em ruínas, muitos com um valor arquitectónico considerável. Paradoxalmente, a expansão urbana continua, de forma desorganizada, sem que sejam criados verdadeiros espaços verdes, criando uns subúrbios onde impera a fealdade paisagística.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,346
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Pensava que a Palmeira das canarias era apenas origiraia dos arquipelagos da Macaronésia:unsure:

Sim a Palmeira das vassouras também existe na Costa Vicentina;) Mas penso ser mais comum na zona do barrocal:unsure:

Olá

A Phoenix canariensis é originária das Canárias e portanto sendo território espanhol e sendo da Espanha, são da Europa. Não se sabe se existem núcleos espontâneos na ilha de Porto Santo, mas para isso era necessário fazer um estudo histórico para saber a sua proveniência.
Assim como a Madeira e os Açores são de Portugal e da Europa.
A laurissilva é conhecida por ser a única floresta subtropical húmida da Europa e fica na Macaronésia. :)
Geograficamente algumas destas ilhas ficam na África, mas neste caso, o que interessa é a quem e a onde pertencem.
Eu sei que a Chamaerops humilis é mais frequente no barrocal, mas para tornar a tua informação ainda mais completa e abrangente referi aquela zona, que constitue a região mais setentrional, da distribuição geográfica desta espécie em Portugal.:thumbsup:
 

stormy

Super Célula
Registo
7 Ago 2008
Mensagens
5,140
Local
Lisboa
no que toca á distribuição geografica e aos limites de distribuiçao das especies sabemos que se teem alterado devido a muitas causas incluindo antropogenicas, a phoenix canarensis assim como a arvore do incenso ou a palmeira das vassouras entre muitas outras especies dão-se bem e reproduzem-se com sucesso em regioes como lisboa ou até no norte do pais logo penso que é correcto dizer que são especies espontaneas nesses locais.
por outro lado sabemos que o coqueiro dá-se bem na madeira mas como não se reproduz lá ( devido a factores limitantes variados) não deve ser considerado uma especie espontanea ou introduzida ( na madeira).
boas:thumbsup::D
 

stormy

Super Célula
Registo
7 Ago 2008
Mensagens
5,140
Local
Lisboa
Mas para além da degradação ambiental, há que referir a degradação urbana. Os centros de Faro e de Olhão possuem vários edifícios abandonados, em ruínas, muitos com um valor arquitectónico considerável. Paradoxalmente, a expansão urbana continua, de forma desorganizada, sem que sejam criados verdadeiros espaços verdes, criando uns subúrbios onde impera a fealdade paisagística.

é esse o grande problema das cidades, existem predios mas muito velhos e que as camaras nao querem recuperar ( penso que é uma atitude estupida até porque é mais barato reconstruir e reabilitar o que temos do que contruir de novo pela raiz).
eu sinto um grande pesar por saber que a ria formosa entre outros locais como o estuario do tejo ( que já esta bem melhor que há alguns anos:thumbsup::w00t:) estao tao debilitados :sad::sad:
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,346
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
no que toca á distribuição geografica e aos limites de distribuiçao das especies sabemos que se teem alterado devido a muitas causas incluindo antropogenicas, a phoenix canarensis assim como a arvore do incenso ou a palmeira das vassouras entre muitas outras especies dão-se bem e reproduzem-se com sucesso em regioes como lisboa ou até no norte do pais logo penso que é correcto dizer que são especies espontaneas nesses locais.
por outro lado sabemos que o coqueiro dá-se bem na madeira mas como não se reproduz lá ( devido a factores limitantes variados) não deve ser considerado uma especie espontanea ou introduzida ( na madeira).
boas:thumbsup::D

A Phoenix canariensis apresenta características subespontâneas em algumas partes do continente, apenas porque cresce e reproduz-se por si própria em algumas zonas selvagens. Não é espontânea ainda.
Em relação ao coqueiro parece-me um tanto cedo tomar conclusões dessas, porque os que se conhecem lá ainda são jovens, por isso não se sabe se têm reprodução ou não, na Madeira.
O coqueiro não é espontâneo nem introduzido, é apenas uma espécie ornamental, pois só se vêem em zonas controladas pelo Homem.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,346
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Ria Formosa, antes que desapareça o Parque Natural...



A Ria Formosa constitui uma das principais áreas protegidas portuguesas em termos de protecção da avifauna. São quase 200 espécies de aves, algumas bem raras no nosso país, como o caimão. A juntar à riqueza da fauna, temos a presença de espécies vegetais cuja conservação é prioritária, incluindo endemismos algarvios, presentes na vegetação dunar e nalguns pequenos bosques de sobreiro e pinheiro-manso que ainda subsistem.


Infelizmente, constitui uma das áreas mais amaeaçadas do nosso país. O avanço do tecido urbano nas imediações de ecossistemas fundamentais como o sapal e as salinas tem sido assustador. Nos arredores de Tavira, o betão continua a ocupar terrenos agrícolas junto da zona húmida a um ritmo assustador. O mesmo sucede em Olhão e em Faro. Cada vez mais o parque está rodeado por uma muralha cerrada de betão.

Nos arredores de Faro, o Pontal constitui a principal mancha verde do litoral sul, um dos raros bosques de sobreiro e de pinheiro-manso que ainda subsistem. Contudo, a pressão para betonizar esta zona verde, situada entre a cidade e a Quinta do Lago é enorme.

Para além disso, surgem outras ameaças. A pressão humana na época balnear nas ilhas barreira, derivada do aumento exponencial da área urbana, põe em risco a sua conservação, pois aumenta o pisoteio dunar e a acumulação de lixo. Propostas para a construção de pontes pedonais para as ilhas barreira a ser concretizadas agravarão a situação.

E depois temos a instalação de grandes empreendimentos turísticos na área do parque, como a Quinta do Lago, e mais recentemente da Quinta da Ria, bem como de várias aldeias turísticas e pequenas urbanizações que não param de crescer.

A atitude dos autarcas e da população não tem sido sempre a melhor, considerando o parque como um entrave ao progresso.

A ausência de uma área de conservação entre os sapais e salinas e a área urbana leva a que as habitações sejam por vezes construídas quase dentro da zona húmida.

E por fim, existe o problema das construções nas ilhas barreira, que por enquanto está sem fim à vista.




Esta seria a minha proposta para salvar o pouco que resta:

- recuperar esteiros e canais de água em áreas que foram drenadas;

- salvaguardar os bosques de sobreiro e pinheiro manso;

- demolir as construções ilegais integralmente;

- travar a expansão urbana nas imediações do parque;

Infelizmente, neste momento já não é possível criar um corredor ecológico no litoral sotavento, para espécies como o camaleão, que pelas minhas perspectivas não tardará muito e estará extinto.


Mas para além da degradação ambiental, há que referir a degradação urbana. Os centros de Faro e de Olhão possuem vários edifícios abandonados, em ruínas, muitos com um valor arquitectónico considerável. Paradoxalmente, a expansão urbana continua, de forma desorganizada, sem que sejam criados verdadeiros espaços verdes, criando uns subúrbios onde impera a fealdade paisagística.

Um dos aspectos esquecidos pelo Parque Natural é o camaleão. É uma espécie muito sensível à presenca humana e ao pisoteio, pois assim são destruídos muitos dos seus ninhos assim como mesmo alguns animais.
Em Portugal, apenas se conhece a sua presença neste parque e no de Castro Marim.
Tem que se restringir o acesso das pessoas em certas áreas mais sensíveis, tal como se faz no Sul da Grécia.
No aspecto urbano, parece-me que numerosas casas clandestinas foram e têm sido demolidas em certas áreas da Ria Formosa ( tal como a Ilha de Faro), o que já não é assim tão mal.
Parece-me, contudo, que este é um dos parques naturais portugueses mais sujeitos à pressão do crescimento urbano e turístico.
 

stormy

Super Célula
Registo
7 Ago 2008
Mensagens
5,140
Local
Lisboa
já tive informações que as phoenix canarensis e a olea europeia se dão bem no sudoeste da inglaterra e irlanda:Dinteressante:w00t: ( essa zona devido á corrente do golfo apresenta um clima invulgarmente quente para a latitude em que situa e é fascinante observar que especies de climas tao quentes se dao lá bem):shocking: