Biodiversidade

Tópico em 'Biosfera e Atmosfera' iniciado por psm 15 Nov 2008 às 20:50.

  1. frederico

    frederico
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    9 Jan 2009
    Mensagens:
    6,844
    Local:
    Porto
    Penso que o trabalho em torno do lobo tem corrido genericamente mal.

    Nas minhas caminhadas pelo Gerês vi gado dentro de cercas baixas que podem ser facilmente puladas pelo lobo, sem nada nem ninguém por perto. Assim é normal que haja ataques. Os proprietários deveriam ser sensibilizados e instruídos, para terem melhores cães de guarda, para colocarem melhores cercas, uma vedação alta em segunda mão é barata e fácil de instalar. Existem projectos interessantes na Galiza, os burros, por exemplo, podem ser utilizados como sistema de aviso para a presença do lobo. Há muita negligência.

    Outro problema passa pela organização do território, coisa que existe noutros países europeus mais a Norte. Seria fundamental definir áreas de reserva integral e áreas de floresta nativa, que seriam públicas e geridas pelas municípios em articulação com o ICN. Com áreas de floresta nativa onde haja presas em abundância, veado, corço, javali, garrano, a probabilidade do lobo causar ataques é menor. Investir na floresta nativa trará benefícios nas décadas vindouras, menores prejuízos com cheias, maior tempo de vida para as barragens, empregos resultantes da exploração sustentável dos recursos florestais.

    Infelizmente não há dinheiro nem vontade política para refazer o Parque Nacional. Criar floresta nativa pública implica negociar com proprietários para adquirir as terras. Além do mais neste momento é prioritário erradicar as invasoras e nada está a ser feito.

    EDIT: essa floresta pública deveria estar nas mãos dos municípios ou de instituições sem fins lucrativos como associações ambientais, Igreja ou comunidades locais. Não de um Estado Central distante.
     
    CptRena, lreis e Pedro1993 gostaram disto.
  2. frederico

    frederico
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    9 Jan 2009
    Mensagens:
    6,844
    Local:
    Porto
    Neste momento devido ao abandono da agricultura em algumas áreas do país seria possível criar um rede razoável de floresta nativa sem qualquer tipo de reflorestação.

    1) Na zona centro perto de Ansião há boas áreas onde o carvalho-português está a crescer.

    2) Em algumas encostas da Gardunha bastaria limpar o eucalipto e o pinheiro, para o carvalhal vingar.

    3) Na serra de Fafe há boas áreas de carvalho-roble.

    4) No concelho de Odemira há duas excelentes florestas ripícolas que mereciam ser reserva integral.

    5) Em Barrancos junto ao rio Ardila seria possível recuperar o azinhal e o zambujal antes que a doença do sobreiro faça mais estragos.

    6) Em Portalegre e no Marvão seria possível termos um excelente carvalhal dentro de 20 anos.

    7) Na serra do Monfurado a sul de Montemor-o-Novo bastaria aumentar a densidade de freixo e de carvalhos para termos uma floresta extraordinária ao nível da que há em Aracena.

    E há mais exemplos.
     
    lreis e Pedro1993 gostaram disto.
  3. Mr. Neves

    Mr. Neves
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    22 Jan 2013
    Mensagens:
    3,696
    Local:
    Tondela-290m
    Boas... Alguém sabe identificar a espécie desta bela borboleta?
    [​IMG]
    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    PedroMAR, MSantos e CptRena gostaram disto.
  4. Pedro1993

    Pedro1993
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Jan 2014
    Mensagens:
    6,142
    Local:
    Torres Novas(75m)
    O nome em questão dessa borboleta não sei, mas ela está a trabalhar bem na polinização da flor da cerejeira, pode ser que tenhas aí umas boas cerejas.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    PedroMAR e Mr. Neves gostaram disto.
  5. Pedro1993

    Pedro1993
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Jan 2014
    Mensagens:
    6,142
    Local:
    Torres Novas(75m)
    Lixo, calor e ninhos: as cegonhas foram seduzidas pelo Inverno português

    Muitas cegonhas portuguesas deixaram de migrar no Inverno. Esta mudança de comportamento está ligada ao aquecimento global e aos alimentos encontrados nos aterros sanitários, mostra um novo estudo. Mas estes campos de lixo têm os dias contados e os cientistas querem ver como a espécie vai adaptar-se



    [​IMG]

    É Inverno, o camião do lixo surge carregado e as cegonhas aprontam-se para a caça. O lixo irá ser despejado e rapidamente aparecerá uma máquina que o vai espalhar e cobrir de terra. É durante este intervalo, depois de o camião chegar e antes de a terra esconder o lixo, que as cegonhas obtêm uma refeição. Os alimentos podem ser restos de carne, de peixe, algo mais “escabroso como um animal morto” ou pouco comestível como “um pedaço de computador”, conta ao PÚBLICO a bióloga portuguesa Aldina Franco, da Faculdade de Ciências Ambientais da Universidade de East Anglia, em Norwich, no Reino Unido, que tem estudado esta ave.

    Os aterros são um festim para as cegonhas e uma peça fundamental que ajuda a explicar uma mudança de comportamento nesta espécie. Desde a década de 1980 que mais e mais cegonhas-brancas (Ciconia ciconia) portuguesas desistiram de migrar para a África subsariana durante o Inverno, mantendo-se por cá. Hoje é possível encontrar abaixo do rio Tejo muitas cegonhas residentes nos 12 meses, e também aves vindas da Alemanha e da Polónia que substituíram o Verão africano pelo Inverno da Península Ibérica. Um censo feito em 2015 contou 14.000 indivíduos em Portugal durante a temporada fria, mostrando a dimensão da nova realidade.

    https://www.publico.pt/ciencia/noti...oram-seduzidas-pelo-inverno-portugues-1729223
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  6. Mr. Neves

    Mr. Neves
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    22 Jan 2013
    Mensagens:
    3,696
    Local:
    Tondela-290m
    Depois de alguma busca:hehe:, acho que já achei a espécie, penso tratar-se de uma Lasiommata megera (https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d6/Lasiommata_megera_Sinarp_3.jpg), uma borboleta, ao que li, bastante comum em Portugal e em bom estado de conservação:)
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    #1266 Mr. Neves, 18 Abr 2016 às 02:22
    Última edição: 18 Abr 2016 às 19:26
    CptRena e Pedro1993 gostaram disto.
  7. lreis

    lreis
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    22 Dez 2010
    Mensagens:
    182
    Local:
    Lisboa
    As politicas públicas vão caminhando no sentido de se poder negociar com os proprietários para adquirir terras para fins de conservação e preservação da biodiversidade. No entanto, penso que é mais útil e consequente, ganhar a proactividade privada para estes projetos. O Estado como proprietário é um elemento a ter em conta mas implica muitos factores, como refere.
    O projecto de erradicação de invasoras é provavelmente a tarefa mais difícil e cara que temos à nossa frente. Vai implicar muito dinheiro e dezenas de anos de esforços de intensidade anual. Necessita de planeamento económico a 20 anos, situação que é uma miragem nos tempos mais próximos.
    Relativamente à floresta pública estar nas mãos Estado Central ou regional, acho indiferente. Haja recursos suficientes e a gestão é feita em padrões aceitáveis, como o foi no passado. Na realidade o Estado, encontra-se gestora de muita área porque as comunidades locais confirmam a intenção de ser o Estado a gerir, situação que pode mudar assim o queiram.
     
  8. lreis

    lreis
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    22 Dez 2010
    Mensagens:
    182
    Local:
    Lisboa
    Esta descrição lembra-me uma situação interessante que tem sido detectada em fotografia área de várias décadas.
    Nos anos 60 e 70 do século passado, as áreas em torno das linhas de água de muitas serranias, foram arborizadas com bétulas, salgueiros, freixos, etc.
    Nos anos subsequentes muitas dessas serras arderam, mas a vegetação imediatamente situada em torno das linhas de água, resistiu e não morreu.
    Passado 10/20 anos, confirma-se por fotografia área que a área naturalmente arborizada, através de expansão da vegetação arbórea existente, é significativa e permitiu recuperar alguma coisa do que antes ardeu, para além de manter uma pool de biodiversidade local.
    Alguma destas linhas de água foram andando "para trás e frente", ao sabor dos fogos, mas outras tem conseguido expandir-se de forma auspiciosa.
    A seguir no futuro.
     
    #1268 lreis, 20 Abr 2016 às 12:14
    Editado por um moderador: 21 Abr 2016 às 00:26
  9. jonas_87

    jonas_87
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    11 Mar 2012
    Mensagens:
    15,025
    Local:
    Alcabideche, Cascais - cota 119 mts
    No outro dia fiquei perplexo quando me cruzei com isto...falei com amigos disseram-me que são javalis traçados com porcos de umas quintas da zona e costumam andar a solta para se alimentar. Vai uma pessoa de bike na boa e cruza-se com isto ao virar da esquina. :lol:

    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  10. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,814
    Local:
    Sintra
    Parecem-me antes porcos de estimação, tipo os vietnamitas.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    CptRena, Thomar, AnDré e 1 outra pessoa gostaram disto.
  11. Pedro1993

    Pedro1993
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Jan 2014
    Mensagens:
    6,142
    Local:
    Torres Novas(75m)
    DIA DA TERRA LANÇA-NOS O DESAFIO DE PLANTARMOS 7,8 MIL MILHÕES DE ÁRVORES

    Esta é a 46ª vez que o mundo celebra o Dia da Terra, iniciativa para inspirar as pessoas a ajudar o planeta. Este ano, com o tema Árvores pela Terra, foi lançado o desafio de, até 2020, plantarmos 7,8 mil milhões de árvores.

    “O Dia da Terra é mais do que um simples dia, 22 de Abril. É maior do que participar numa manifestação e assumir uma posição”, escrevem os organizadores da iniciativa. “A partir deste Dia da Terra, vamos fazer acontecer grandes feitos. Vamos plantar 7,8 mil milhões de árvores pela Terra”, uma por cada pessoa no planeta. “Sabemos que é incrivelmente ambicioso, mas acreditamos que temos de o fazer para combater as alterações climáticas e evitar que os nossos ecossistemas mais frágeis se extingam.”

    Esta é uma campanha a cinco anos, uma espécie de contagem decrescente até 2020, ano em que se comemoram os 50 anos do Dia da Terra. Neste Dia da Terra de 2016, a meta são as 50.000 árvores.

    http://www.wilder.pt/historias/dia-...afio-de-plantarmos-78-mil-milhoes-de-arvores/
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    CptRena, guisilva5000 e belem gostaram disto.
  12. camrov8

    camrov8
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Set 2008
    Mensagens:
    2,328
    Local:
    Oliveira de Azeméis(278m)
    também me parecem porcos vietnamitas se fossem porcos cruzados com javali eram maiores e quem tirou a foto ia ter de correr muito
     
    lreis e belem gostaram disto.
  13. camrov8

    camrov8
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Set 2008
    Mensagens:
    2,328
    Local:
    Oliveira de Azeméis(278m)
    mas é preocupante vê-los a solta, primeiro porque alguém teve a displicência de os abandonar e depois nunca se sabe o que acontece quando são introduzidos
     
    MSantos e lreis gostaram disto.
  14. Pedro1993

    Pedro1993
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Jan 2014
    Mensagens:
    6,142
    Local:
    Torres Novas(75m)
    Deixo aqui umas excelentes fotos, em que o autor está identificado na parte superior da foto.
    O Ribatejo cheio de vida, em Vale de Figueira, Santarém







     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    belem, CptRena, Thomar e 2 outras pessoas gostaram disto.
  15. vinc7e

    vinc7e
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    30 Nov 2008
    Mensagens:
    1,043
    Local:
    Vila Verde
    CptRena e Dan gostaram disto.

Partilhar esta Página