Floresta portuguesa e os incêndios

Tópico em 'Biosfera e Atmosfera' iniciado por frederico 20 Jul 2010 às 22:23.

  1. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,543
    Local:
    Sintra
    Nem mais.
     
    Collapse Signature Expand Signature
    4ESTAÇÕES e luismeteo3 gostaram disto.
  2. bandevelugo

    bandevelugo
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    3 Jan 2008
    Mensagens:
    89
    Local:
    Lisboa
    Com o devido respeito, o seu raciocínio enferma de graves erros.

    Primeiro estamos a falar de areais e não da "Beira Litoral". O autor do artigo que citei faz uma história da evolução da vegetação nas dunas litorais e descobriu que há uns poucos milhares de anos as dunas eram dominadas por pinheiro misturado com carvalhos. Depois o homem destruiu tudo e as dunas avançaram, sepultando tudo. Depois há que reflorestar com espécies rústicas, adaptadas às areias paupérrimas, que foi o que os nossos avós fizeram.

    Quando se destrói a vegetação natural, bem desenvolvida, para a recuperar tem de se passar por diversas fases, e foi isso que aconteceu: em areias brancas não se semeiam carvalhos, mas sim pinheiros, não se pode saltar etapas na evolução dos ecossistemas. Os carvalhos nem um verão lá se aguentavam!!!

    Agora que os pinhais arderam, volta tudo à estaca zero e tem que se recomeçar outra vez com o pinheiro. Depois, daqui umas boas dúzias ou centos de anos, lá hão-de pensar nos carvalhos, ou eles entram naturalmente.

    Essa é a grande lição do artigo, não outra totalmente ao contrário!

    Não leve a mal, mas quanto ao eucaliptos é misturar alhos com bugalho, porque esta é uma espécie exótica e não da flora natural das dunas. :D
     
    MSantos e luismeteo3 gostaram disto.
  3. bandevelugo

    bandevelugo
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    3 Jan 2008
    Mensagens:
    89
    Local:
    Lisboa
    Com o devido respeito, o seu raciocínio enferma de graves erros.

    Primeiro estamos a falar de areais e não da "Beira Litoral". O autor do artigo que citei faz uma história da evolução da vegetação nas dunas litorais e descobriu que há uns poucos milhares de anos as dunas eram dominadas por pinheiro misturado com carvalhos. Depois o homem destruiu tudo e as dunas avançaram, sepultando tudo. Depois há que reflorestar com espécies rústicas, adaptadas às areias paupérrimas, que foi o que os nossos avós fizeram.

    Quando se destrói a vegetação natural, bem desenvolvida, para a recuperar tem de se passar por diversas fases, e foi isso que aconteceu: em areias brancas não se semeiam carvalhos, mas sim pinheiros, não se pode saltar etapas na evolução dos ecossistemas. Os carvalhos nem um verão lá se aguentavam!!!

    Agora que os pinhais arderam, volta tudo à estaca zero e tem que se recomeçar outra vez com o pinheiro. Depois, daqui umas boas dúzias ou centos de anos, lá hão-de pensar nos carvalhos, ou eles entram naturalmente.

    Essa é a grande lição do artigo, não outra totalmente ao contrário!

    Não leve a mal, mas quanto ao eucaliptos é misturar alhos com bugalhos, porque esta é uma espécie exótica e não da flora natural das dunas. :D
     
    4ESTAÇÕES gostou disto.
  4. bandevelugo

    bandevelugo
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    3 Jan 2008
    Mensagens:
    89
    Local:
    Lisboa
    Bem, ir buscar pinheiros a Espanha, para plantar artificialmente e substituir uma variedade que é autóctone da região, digamos que não é um propriamente "alinhar com a natureza"... ainda por cima quando quase sempre ela assegura que os pinheirinhos nasçam outra vez...;)

    Quanto ao pinheiro bravo, não sei como é que é na sua terra, mas na minha os pinhais estão cheios de matos - tojos, giestas, camarinhas, sargaços, sámoucos, etc., etc., infelizmente até acácias. Não sei onde é que está a tão propalada "monocultura", aquilo tem uma grande variedade de espécies de arbustos, bem adaptados à extrema secura das areias da beira do mar.

    Finalmente, acho (tenho a certeza) que está redondamente enganado quanto aos custos. Veja estas duas alternativas:

    Primeira opção: comprar semente e à mão, ou com máquina, espalhar no terreno.

    Segunda opção: comprar árvores (se for preciso ir a Espanha!), fazer regos ou covas, comprar estrume/adubo, plantar com máquina ou à mão (tapando a cova).

    Qual é que acha que é mais dispendiosa?
     
  5. MSantos

    MSantos
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    3 Out 2007
    Mensagens:
    8,092
    Local:
    Leiria (Guimarota)
    Exatamente!

    Em relação ao que foram os pinhais litorais temos que esperar pela regeneração natural, que já deverá estar a acontecer em muitos locais, depois terá que ser feita uma gestão/condução destes futuros pinhais. Nos locais onde o pinhal ardido ainda era jovem e não tinha banco de sementes terá que haver sementeira e/ou plantação.

    O principal problema desta zona vai ser a expansão que a acácia de espigas vai ter, muitas áreas que foram de pinhal se nada se fizer serão um imenso e impenetrável acacial dentro de poucos anos. :(
     
    Collapse Signature Expand Signature
    #1385 MSantos, 12 Mar 2018 às 23:29
    Última edição: 12 Mar 2018 às 23:37
  6. 4ESTAÇÕES

    4ESTAÇÕES
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    30 Dez 2010
    Mensagens:
    823
    Local:
    Marinha Grande/Leiria/Fátima/Lisboa
    Muito obrigado pela resposta! Gosto de aprender :)
     
    bandevelugo e luismeteo3 gostaram disto.
  7. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    3,543
    Local:
    Sintra
    Não me referi a espécies exóticas, tão e somente me referi a pinheiros que fazem ou faziam parte da flora autóctone portuguesa e em lado nenhum afirmei que eram a melhor opção para a Beira Litoral, especificamente.
    Sou naturalmente a favor da preservação das variedades locais (e isso é bem patente aliás em algumas participações minhas aqui no forum).

    E sim, não vejo qualquer problema, em recorrer a viveiros espanhois, caso as árvores (ou sementes, obviamente) necessárias para um reflorestamento estejam esgotadas em território nacional (e aqui claro que me refiro a zonas onde não haja regeneração do pinhal, por exemplo, ou onde tal se realize lentamente).
    E em certas zonas raianas, até deve render mais comprar ao lado, do que mandar vir de outro canto do país.


    Na minha terra, os pinheiros-bravos alternam com carvalhos, sobreiros, loureiros, medronheiros, etc...
    Interessante o que refere sobre os samoucos dessa região (existe alguma documentação?) e em algum lado formam um samoucal?
    E eu referia-me naturalmente ao coberto arbóreo principal que foi propagado pelo Homem e não a várias espécies de tamanho secundário, ainda com um estágio de regeneração longe do climax.
    Eu espero mesmo que algumas medidas preventivas andem a ser tomadas (abertura de corta fogos, criação de cortinas verdes em locais estratégicos com uma determinada vegetação autóctone (onde tal seja propício), etc..., pois não gostaria de ver novamente região a arder como no ano passado.
    Se não der para pôr carvalhos nessas cortinas verdes (especialmente em solos degradados), outras espécies poderão ser usadas.
    Se existem outras alternativas mais eficazes e económicas, gostaria de saber quais são.

    Já agora deixo aqui este artigo: http://observador.pt/especiais/gabriel-roldao-o-pinhal-de-leiria-ja-esta-morto-ha-12-anos/
     
    Collapse Signature Expand Signature
    #1387 belem, 13 Mar 2018 às 00:14
    Última edição: 13 Mar 2018 às 09:40
    4ESTAÇÕES e luismeteo3 gostaram disto.
  8. lreis

    lreis
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    22 Dez 2010
    Mensagens:
    177
    Local:
    Lisboa
    Tendo em conta o quantitativo nacional de plantações, que anda em torno de 10 a 12 mil hectares/ano, suspeito que em termos de produção de plantas para efeitos de florestação, facilmente teremos os stocks esgotados. Tanto mais que boa parte das novas plantações são eucaliptais. Vai ser a procura que irá despoletar a produção de plantas, num processo gradual.
     
    belem, 4ESTAÇÕES, MSantos e 1 outra pessoa gostaram disto.
  9. lreis

    lreis
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    22 Dez 2010
    Mensagens:
    177
    Local:
    Lisboa
    Sim, concordo. No
     
  10. Pedro1993

    Pedro1993
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    7 Jan 2014
    Mensagens:
    4,411
    Local:
    Torres Novas(75m)
    "A lei terrorista continua a devastar directamente a nossa vida e a vida dos futuros. A capacidade destruidora da ignorância e da incompetência de quem manda é a guerra permanente a que os mandões nos sujeitam "









    No nosso país existe coisas que não compreendem, tenho assistido a desmatações e corte de árvores em taludes bastante inclinados, basta um dia de chuva como a que tivemos na semana passada, para ser uma desgraça, e uma perda enorme de solo, sem necessidade.
     
    Collapse Signature Expand Signature
  11. jonas

    jonas
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Jul 2015
    Mensagens:
    2,063
    Local:
    paredes (200 m) Mouriz (202 m) Bitarães (185 m)
    Boas,
    Tenho aqui uma dúvida, e preciso de ajuda.
    Primeiro, são permitidas árvores a menos de 10m da estrada? Se sim, qual a densidade de árvores que é aceitável?
     
    luismeteo3 gostou disto.
  12. Pedro1993

    Pedro1993
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    7 Jan 2014
    Mensagens:
    4,411
    Local:
    Torres Novas(75m)


    Eu falo no meu caso, tenho vários arbusto em redor das paredes de casa, e muitas árvores no perímetro, e se fosse a olhar para a lei, ficava sem árvore nenhuma.
     
    Collapse Signature Expand Signature
    #1392 Pedro1993, 13 Mar 2018 às 19:27
    Última edição: 13 Mar 2018 às 20:27
    MSantos, Thomar e luismeteo3 gostaram disto.
  13. bandevelugo

    bandevelugo
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    3 Jan 2008
    Mensagens:
    89
    Local:
    Lisboa
    Ainda bem então que todos estamos de acordo: utilizar espécies autóctones bem adaptadas a cada local, e não inventar!

    Quanto à importação de sementes ou plantas, duvido muito que os espanhóis tenham as variedades de pinheiro do nosso litoral, e depois de serem plantados e começarem a multiplicar-se, não dá para distinguir, ao contrário dos eucaliptos...

    E samoucos é só ir à mata da reserva de São Jacinto, que há lá grande quantidade para apreciar!
     
  14. Gerofil

    Gerofil
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    8,788
    Local:
    Estremoz (401 metros)
    A busca e o salvamento das vítimas foi uma das grandes falhas no incêndio de Pedrógão.Várias pessoas poderiam ter sido salvas se houvesse uma estrutura responsável pelo socorro.O responsável pelo relatório que investiga a morte de mais de 60 pessoas já está a analisar o que se passou com os incêndios de Outubro.Mas por causa de problemas burocráticos por parte do Governo, o processo continua atrasado.

    Vídeo RTP:

    https://www.rtp.pt/noticias/pais/falta-de-estrutura-responsavel-explica-multiplas-vitimas-em-pedrogao_v1063942
     
    criz0r, joselamego e 4ESTAÇÕES gostaram disto.
  15. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    9,807
    Local:
    Fatima
    criz0r e 4ESTAÇÕES gostaram disto.

Partilhar esta Página