Impacto agrícola da seca 2011-2012

Tópico em 'Biosfera e Atmosfera' iniciado por Agreste 29 Fev 2012 às 14:25.

  1. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,543
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    - Colecção de notícias sobre o impacto da seca 2011-2012 -

    Correio da Manhã - Algarve - 29-02-2012

    Algarve: Produtores sofrem quebras avultadas
    Geada arruína campos e pasto

    O ano agrícola está comprometido no Algarve. Além da precipitação média estar a metade do que seria normal, e já com um longo período de ausência total de chuva, a diminuição da humidade do ar e o acentuado arrefecimento nocturno combinaram-se, sobretudo na primeira quinzena deste mês, para a ocorrência de geadas negras. Poucas pastagens de sequeiro subsistiram para a produção pecuária e há elevados prejuízos nas principais produções vegetais da região.

    De acordo com uma avaliação feita, este mês, pela Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, as pastagens definharam e as reservas de forragem são insuficientes. José Maria, produtor de gado da raça limousine, perto de Lagos, já teve de vender seis vacas para comprar feno para as restantes. A sementeira de feno não vingou e as pastagens têm a erva queimada pela geada. "Se não chover até ao fim de Março, vou ter de vender tudo" lamenta.

    Fernando Severino, director regional de agricultura, admite que "a cultura do abacate está toda destruída e há zonas na campina de Faro que perderam toda a cultura de tomate em estufa, por causa da geada". Paulo Cristina, produtor de tomate, costumava ter uma produção média de 100 toneladas por hectare. "Este ano, se chegar às 20 toneladas será bom. Isto é uma catástrofe".

    Em Silves, José Sustelo calcula que a produção de laranja tardia (colhida no Verão) vá sofrer uma quebra de 30 por cento. As reservas subterrâneas de água ainda permitem combater a falta de chuva, mas a rega aumenta os custos da produção.

    Avaliação e monitorização do impacto na agricultura Algarvia,
    resultante do efeito Seca/Geada

    http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/geada-arruina-campos-e-pasto
     
  2. Paulo H

    Paulo H
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    2 Jan 2008
    Mensagens:
    3,010
    Local:
    Castelo Branco 386m(489/366m)
    Para além da consciência de todos nós, dos agricultores e da cultura dos seus antepassados, acerca da variabilidade climática, e dos equipamentos da região onde se está inserido (barragens, projetos de pegadio,..), está a culpa dos nossos governantes! Então não é que (e já o disse em vários posts) se construiu um alqueva, enquanto os nossos irmãos espanhóis construiam canais na sua fronteira para irrigar a andaluzia, enquanto nós olhamos agora para os patos bravos? Então e o sistema de irrigação??? Pois é.. Já o disse muitas vezes, os nossos políticos gostam de inaugurar o que está à vista, mas as infrastruturas enterradas no solo, isso não é com eles! Pois é.. Agora temos água, mas é para ver os patos ou para sonhar com projectos de golfe, à volta do alqueva! Falta o chamado valor acrescentado, enfim o último aperto de rosca do parafuso (que é o que aperta mesmo), de tudo o que se gastou nada vale, faltando o resto, vale ZERO!

    É uma tristeza observar os campos praticamente rentes de erva, sem nada! Já vi aqui irrigar campos em Fevereiro para que a erva cresça e alimente as cabras e ovelhas! É grave..

    Esquecendo a variabilidade climática, precisamos de MUITO POUCA precipitação, mas contínua, enfim todos os dias um pouco, todos os dias! Imaginem, se chover hoje 30mm e depois 1 mês sem chover seria pior ainda. Era preferível 1mm por dia!! É essa a noção que temos de ter da realidade, pois não é de quantidade que falamos, mas de distribuição contínua.. Se hoje caem 30mm, durante a semana nasce o resto de sementes, e se não voltar a chover no próximo mês, é tudo comido sem gerar semente. Estou a exagerar, mas apenas para dizer que mais que a quantidade de precipitação desejada, é preferível pouco mas frequente!!
     
    Collapse Signature Expand Signature
  3. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    Seria importante o sector se preparar para um cenário como 2005, nada como estar preparado para se tentar, dentro do possível claro, minimizar as consequências de uma seca, uma boa gestão do sector pode menorizar as dificuldades. Hoje sabemos mais coisas de como prever e lidar com estes cenários do que sabíamos há 7 anos atrás. Esta seca vem numa péssima altura, pois ultimamente até havia alguns indicadores bastante interessantes da agricultura nacional, de um sector que finalmente estava a crescer nalguns segmentos e com capacidade exportadora.
     
  4. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,543
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    - Correio do Alentejo, 27 de Fevereiro 2012 -

    Odivelas exige água do Alvito sem aumento

    REGADIO. Barragem de Odivelas vai necessitar de transvase do Alvito, mas ABORO recusa-se a pagar o valor exigido pela EDIA.

    A Associação de Beneficiários da Obra de Rega de Odivelas (ABORO) exige que o necessário transvase de água da barragem do Alvito para a albufeira de Odivelas, no concelho de Ferreira do Alentejo, não acarrete mais custos para os seus agricultores. Ao longo dos anos a ABORO nunca pagou pela água proveniente do Alvito, mas para 2012 a EDIA, que irá ter a concessão da barragem do Alvito, exige o pagamento de 4,2 cêntimos por cada metro cúbico de água transferido, valor que a associação rejeita pagar devido aos seus "direitos adquiridos".
    "Queremos aquilo que temos tido todos os anos, que é um direito adquirido. E a EDIA tem de ter em consideração que a barragem [do Alvito] foi construída para ser reservatório da albufeira de Odivelas. […] É essa reserva que reivindicamos com um custo baixo, considerando que não tem custos para a EDIA, já que não é água bombada do Alqueva, mas sim água das afluências naturais da barragem do Alvito, que são da bacia do Sado", explica ao "CA" o presidente da direcção da ABORO.
    Manuel Canilhas Reis admite que a associação (e por inerência os seus associados) contribua "com algum valor para alguns custos de manutenção e conservação da rede ou da barragem do Alvito, mas nunca" o valor de 4,2 cêntimos exigido pela empresa gestora do projecto Alqueva.
    "Porque este é um valor que tem a ver com a bombagem [de água] do Alqueva para o Alvito. E como não é água do Alqueva mas sim dos afluentes naturais do Alvito, sem qualquer custo energético associado, não será necessário pagar esse valor", justifica.
    A situação já fez a direcção da ABORO reunir-se com a Direcção Geral de Agricultura e a administração da EDIA, mas ainda não foi possível chegar a um acordo. "A EDIA está intransigente e acha que tem de cobrar o valor que está no decreto-lei do Conselho de Ministros", diz Manuel Canilhas Reis, sem esconder que espera que a nova equipa directiva da empresa gestora do Alqueva, liderada por João Basto, "tenha em consideração todas estas questões e maior sensibilidade que a administração anterior".
    Beneficiando uma área total de 12.300 hectares onde predominam as culturas do olival, tomate, melão, milho e arroz, a albufeira de Odivelas tem actualmente disponíveis perto de 14 milhões de metros cúbicos de água para rega. Em média, o regadio na zona necessita anualmente de 35 milhões de metros cúbicos de água, quantidade que deverá aumentar significativamente em 2012 devido à ameaça (cada vez mais real) de seca.
    "Este ano as previsões são de que se consuma mais água, porque ainda nem parámos de regar. Continua-se a regar neste momento as arvenses e pastagens. Portanto, prevemos que iremos consumir muita água e precisamos da água do Alvito", revela o presidente da ABORO, que antevê para 2012 um consumo a rondar "os 40 milhões de metros cúbicos de água" no Aproveitamento Hidroagrícola de Odivelas.

    http://www.correioalentejo.com/index.php?diaria=6781
     
  5. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,543
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    - Diário de Coimbra, 27 de Fevereiro 2012 -

    Baixo Mondego e Gândaras

    Seca é “machadada do S. Pedro” que levará à “completa ruína” explorações de leite da região

    Para além de estarem a vender abaixo do preço de custo, produtores são agora obrigados a comprar fora alimentos para animais, a preços que aumentam 100% a cada mês

    É «dramática» e «alarmante» a situação dos produtores de leite na região do Baixo Mondego e Gândaras, correndo-se o risco de praticamente 100% das explorações existentes nestas duas zonas virem a desaparecer até ao final do ano. Numa situação fragilizada desde que, há cerca de dois anos, estão obrigados a vender o leite a preços abaixo dos custos de exploração, os produtores são, neste momento, as principais vítimas da seca deste Inverno, que inviabilizou vários hectares de terrenos de pastagens e com forragens e está a obrigar a comprar, no estrangeiro, os alimentos para os animais, a preços que aumentam 100% a cada mês.

    http://www.diariocoimbra.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=16923&Itemid=111
     
  6. Hazores

    Hazores
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Out 2008
    Mensagens:
    1,375
    Local:
    AGH,terceira,açores
    As notícias sobre o impacte da seca na agricultura são muitas, contudo a maioria das pessoas não imagina na realidade o quanto é difícil gerir uma exploração agrícola (quer seja de horticulas ou produção de animais) de um modo especial a gerir a disponibilidade de água.
    Apenas quem trabalha a terra e com os animais poderá ter uma ideia de quanto é limitativo para a agricultura a disponibilidade de água no solo.
     
  7. Mário Barros

    Mário Barros
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,495
    Local:
    Cavaleira (Sintra)
    Culturas na Lezíria Grande no valor de 36 ME "em risco"
     
  8. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,543
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    - Peniche, 07 de Março de 2012 -

    Plantação de batata no concelho de Peniche destruída, agricultores pedem apoio do governo

    Rui Mendes, reportagem João Ramalhinho 07 Mar, 2012, 19:40

    O concelho de Peniche, sobretudo na cultura de batata, foi o mais afetado da região de Lisboa e Vale do Tejo. As geadas deste inverno, na localidade de Ferrel, no concelho de Peniche, destruiu praticamente toda a plantação. Os agricultores pedem agora apoios ao governo. O jornalista João Ramalhinho esteve no terreno e falou com dois agricultores, José Manuel e José Marques, que ficaram com a produção destruída.

    http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=533652&tm=8&layout=123&visual=61
     
  9. Hazores

    Hazores
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Out 2008
    Mensagens:
    1,375
    Local:
    AGH,terceira,açores
    Estou convencido que a seca, em parte da europa, poderá levar a mais um aumento significativo dos preços dos cereais...espero estar completamente enganado...
     
  10. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,543
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    - Correio do Alentejo, 05 de Março 2012 -

    Próxima campanha de regadio "seriamente ameaçada" em todo o Alentejo

    A próxima campanha de regadio no Alentejo começa a estar "seriamente" ameaçada devido à pouca chuva registada, segundo o primeiro relatório do grupo de acompanhamento e avaliação dos impactos da seca em 2012.

    Divulgado na quinta-feira, 1, à noite pelo Ministério da Agricultura, o documento, que faz um balanço até 15 de Fevereiro, indica não ser muito preocupante a situação dos sistemas de rega colectivos estatais, ao contrário das barragens privadas.

    Nesta região, também algumas explorações estão há algum tempo a comprar palhas e fenos no exterior e alimentos compostos.

    http://www.correioalentejo.com/index.php?diaria=6821

    As culturas forrageiras anuais têm tido um desenvolvimento muito fraco, "comprometendo a possibilidade de pastoreio e a obtenção de massa verde".

    O grupo notou que o mau estado das searas poderá tornar-se irreversível se continuar a faltar chuva.

    Nesta região do país, as geadas intensas têm afectado bastante os pomares de citrinos e provocaram a queda dos frutos e fraca qualidade da produção.

    "O volume de produção deverá ser semelhante ao do ano anterior, mas com frutos de menor calibre", lê-se no documento.

    O relatório foi feito com base na situação até 15 de Fevereiro quando 70% do território do Continente estava em seca severa e 5% em seca extrema em zonas do Litoral Norte e Douro.

    Entretanto, na quinta-feira de manhã, antes da divulgação do documento, o Observatório da Seca do Instituto de Meteorologia indicou que a 29 de Fevereiro estas taxas eram já de 68% e 32%, respectivamente.

    [​IMG]
     
  11. trovoadas

    trovoadas
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    3 Out 2009
    Mensagens:
    1,847
    Local:
    loule-caldeirao
    Estamos numa boa altura para repensar a nossa agricultura e começar a pensar como eles, os Israelitas.
    Às voltas aqui na web achei esta noticia que me parece interessante:
    http://www.maraoonline.com/marao/marao_online_julho/7A2D97B2-113A-433A-9E70-9531CDA86A31.html

    Já sabemos que o nosso país tem um clima bastante irregular e muito sujeito a secas, mas ainda assim em relação aos Israelitas as nossas reservas de água são um "mar" em relação a um "lago" quando comparadas com as deles.
    No entanto a agricultura deles nem tem comparação em relação à nossa, para nosso mal como é óbvio!
     
  12. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,543
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    - Correio do Alentejo, 16 de Março de 2012 -

    EDIA lança medidas de apoio aos agricultores contra efeitos da seca


    A EDIA - Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva vai disponibilizar água para abeberamento de gado e culturas fora das áreas já equipadas pelo empreendimento de fins múltiplos, no sentido de apoiar os agricultores contra os efeitos do actual período de seca.

    "São as medidas que podemos tomar dentro do que são as competências da empresa", frisou esta sexta-feira, 16, ao final da tarde, o novo presidente do conselho de administração da EDIA.

    Em declarações ao "CA", João Basto garantiu que estas propostas serão efectivadas até final da próxima semana e irão "contribuir para a minimização dos impactes que a seca está a produzir na agricultura da região", além de responderem "às solicitações dos agricultores".
    Nesse sentido, continuou, a partir de agora o agricultor que tenha necessidade de água para abeberamento de gado "poderá recolher essa água em qualquer albufeira do empreendimento, canal ou boca de rega nos perímetros já instalados em pontos pré-identificados pela EDIA" e transportá-la para as suas explorações sem que a empresa cobre qualquer valor pela água utilizada.

    Por outro lado, os agricultores que não estejam servidos pelo sistema global de rega de Alqueva, mas tenham necessidade de água, poderão fazer captações directas ou utilizar as bocas de rega pré-definidas pela EDIA, aplicando-se nestes casos o tarifário em vigor para cada caso.

    "No caso das captações directas, em albufeiras ou canais da rede primária do EFMA, o agricultor deverá instalar a respectiva bomba e contador", acrescentou João Basto.

    Este pacote de medidas foi anunciado após o novo conselho de administração e os trabalhadores da EDIA terem reunido na instalações da empresa com a ministra da Agricultura, que se deslocou ao Baixo Alentejo para lhes transmitir aquela que "é a visão do Governo sobre a importância" da infra-estrutura.

    "É muito importante concluir este projecto, porque transforma toda uma região, combate a desertificação, torna-nos mais aptos a lidar com as alterações climáticas e vai seguramente dar um grande contributo para a riqueza do país", disse no final da reunião Assunção Cristas, sem se comprometer com uma data para a conclusão da obra.
     
  13. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,543
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    - Diário das Beiras, 16 de Março de 2012 -

    Empresa de abastecimento de água da Covilhã ativa plano de contingência devido à seca

    A empresa Águas da Covilhã ativou um plano de contingência face à escassez de água para abastecimento, que abaixo dos níveis médios para esta época do ano, informou o município em comunicado.
    O plano prevê o recurso a “captações alternativas” da AdC e de particulares, de modo a minimizar a utilização da Barragem do Viriato, nas Penhas da Saúde, Serra da Estrela.
    Segundo as últimas medições realizadas pela empresa de águas, a albufeira “apresenta um volume de armazenamento semelhante ao verificado no início de julho de 2011″.
    Além da barragem, também as minas e nascentes apresentam “uma redução significativa nos caudais”.
    O plano de contingência, ativado também em 2005, pretende acautelar “o abastecimento de água no período crítico de verão, caso as condições de pluviosidade não se alterem favorável e significativamente”.
    Se não chover em quantidade, o município admite que “terão de ser implementadas medidas mais rigorosas, que limitem as zonas de abastecimento a serem abastecidas exclusivamente por captações próprias”.
    Se tal acontecer, obrigará a que, “nalgumas localidades, o fornecimento de água seja efetuado apenas durante algumas horas por dia”.
     
  14. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    http://www.publico.pt/Local/regadio...ternativa-para-alimentar-o-gado-1539942?all=1
     
  15. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,543
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    «Correio da Manhã, 1 de Junho de 2012»

    Seca: Situação "trágica" para agricultores da Campina de Faro

    A Associação dos Agricultores do Concelho de Faro classificou esta sexta-feira de "trágico" o estado da agricultura na campina de Faro, uma das duas regiões do país com menos humidade no solo, de acordo com um boletim oficial esta sexta-feira divulgado. A par da zona norte do distrito de Aveiro, a campina de Faro é a região do país mais afectada, com cerca de 10% de água no solo, segundo o 6.º relatório sobre o acompanhamento e avaliação dos impactos da seca, publicado pelo Ministério da Agricultura e Ambiente.

    De acordo com Ana Lopes, presidente daquela associação, a falta de chuva nos campos não está a ser suprida pela rega, uma vez que "a falta de água na própria folha também afecta a qualidade e a dimensão do produto", exemplificando com o caso dos citrinos.

    "Devido à falta de chuva, as nossas laranjas e tangerinas estão com falta de calibre, o que faz com que sejam rejeitadas por muitos e portanto tenham dificuldade de penetração no mercado", disse, apontando as grandes superfícies "muitos difíceis" nesta matéria.

    Segundo a líder da Associação dos Agricultores do Concelho de Faro e Concelhos Limítrofes (AACFCL), devido à seca, "muitas árvores morreram e a produção caiu em muitos casos mais de metade".

    O relatório do Governo indica que a percentagem de água no solo no Alentejo e Algarve apresenta valores inferiores a 40%, contra valores que variam entre 60% e 90% nas regiões a norte do sistema montanhoso Montejunto-Estrela.
    À excepção do extremo oeste do concelho de Vila do Bispo, com seca severa, o resto da região apresenta um quadro de seca extrema, com a Campina de Faro a ter cerca de 10% de água no solo. O resto do sotavento tem 20% e o barlavento 30%, num quadro de precipitação média regional de 200 milímetros nos primeiros cinco meses do ano, isto é, um terço da média dos anos anteriores.

    Ana Lopes aponta a construção do primeiro troço da Via do Infante (A22), inaugurado em 1991, como um dos principais originadores da falta de água no solo.

    "Na altura, não fizeram um dique para evitar que a água viesse para sul da estrada e a água vem toda por junto pela ribeira do Rio Seco, em vez de ficar numa lagoa, onde aos poucos se iria infiltrando no solo", explicou.

    Recordou que, antes disso, há mais de duas décadas, a campina de Faro produzia cerca de um terço de toda a produção hortofrutícola do país e hoje "não passa de umas poucas dezenas de agricultores.

    A presidente da AACFCL desvalorizou a decisão do Governo de subsidiar a electricidade utilizada nos motores de rega, cuja utilidade disse ser "muito pouca para os mais pequenos".

    Fonte da Direcção Regional de Agricultura do Algarve disse à Lusa que a futura "electricidade verde" terá como destinatários todos os agricultores portugueses, independentemente da sua dimensão, que serão subsidiados em 40% do total da factura. Os pagamentos deverão começar a ser efectuados ainda na primeira quinzena de Junho, mediante a simples apresentação de factura.

    http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/n...-tragica-para-agricultores-da-campina-de-faro
     

Partilhar esta Página