Seg. Previsão do Tempo e Modelos - Fevereiro 2014

stormy

Super Célula
Registo
7 Ago 2008
Mensagens
5,117
Local
Lisboa
Boas tardes...

Em relação ao dia de amanhã e de 4f, teremos outra vez uma situação que merece alguma atenção.

Sinóptica

3f, uma corrente zonal forte estabelece-se entre um vasto campo de baixo geopotencial ( ar frio) na Europa NW, e uma dorsal subtropical entre o Atlantico e Africa.
Nesta zonal, uma nova ondulação do jet desenvolve-se e migra rapidamente para leste desde os Açores até ao UK, com um forte campo de forçamento dinamico associado.

Á superfície uma bolsa de ar subtropical sobe desde o Atlantico, e converge contra o ar polar a norte...esta margem frontal é excitada pela ondulação em altura, produzindo uma ciclogénese explosiva...pela madrugada o forte ciclone posiciona-se a noroeste da Galiza com pressão <950hpa.

Em PT continental, uma massa de ar húmido é empurrada á frente da depressão, seguindo-se uma frente fria de actividade moderada a forte.

Especialmente no norte e centro, na proximidade de ar mais frio em altura, geram-se perfis com alguma instabilidade...GFS06z e WRF00z colocam uns 100-300J/Kg de CAPE.
A falta de CAPE poderá no entanto ser compensada pelo forçamento dinâmico intenso.

Shear muito forte ( até 55m/s de 0-6km shear) de caracter algo direccional e um fluxo intenso em toda a vertical deverão criar condições para segmentos lineares capazes de produzir rajadas severas e talvez um tornado breve...a falta de CAPE no entanto poderá limitar o tempo de vida destes...o shear excessivamente forte poderá simplesmente obliterar as extruturas convectivas...pelo que tudo o que surgir será breve mas potencialmente violento.

A presença de bastante humidade disponível também coloca um risco de precipitação pontualmente excessiva, acrescido pelo movimento relativamente lento da frente fria.

Após a passagem da frente, instabilidade mantem-se pelo noroeste, e mais linhas convectivas deverão afectar a região com precip pontualmente forte e algumas rajadas.

Por estes motivos coloco um nível amarelo para o litoral norte e centro, essencialmente por precipitação excessiva e rajadas severas.
Não há confiança num nível mais alto devido ao CAPE fraco.


wtIVjCU.png



Cinzento
- Aguaceiros e possibilidade de trovoada

Amarelo
- Aguaceiros e possibilidade de trovoada
- Precipitação localmente excessiva
- Rajadas
 

Agreste

Furacão
Registo
29 Out 2007
Mensagens
10,015
Local
Aljezur (48m) - Faro (11m)
Parece que o pessoal do litoral norte e centro tem de comprar um barco pois as frentes são bem carregadas de água. Inundações urbanas é o prato da semana. E a próxima também promete mais frio e mais chuva.
 

Jorge_scp

Nimbostratus
Registo
17 Fev 2009
Mensagens
1,072
Local
Casal do Rato (Odivelas)
Parece que o pessoal do litoral norte e centro tem de comprar um barco pois as frentes são bem carregadas de água. Inundações urbanas é o prato da semana. E a próxima também promete mais frio e mais chuva.

Com o descer da zonal previsto para a próxima semana creio que o Sul também deverá levar uma boa rega. Claro que nunca como no Norte e Centro, mas poderá ter acumulados razoáveis.

Todos os modelos e ensembles concordam, a corrente zonal manter-se-á extremamente activa durante possivelmente cerca de duas semanas. Algures neste período essa corrente está previsto descer até latitudes próximas de Portugal Continental e dos Açores, o que aumenta as hipóteses de sermos atingidos por temporais mais fortes, de chuva, muito vento e também grandes ondulações. Resta saber o grau de severidade, o que só se conseguirá apurar mais perto dos eventos. Mas é garantido que sol e bom tempo é coisa que não vamos ter.
 

Agreste

Furacão
Registo
29 Out 2007
Mensagens
10,015
Local
Aljezur (48m) - Faro (11m)
O Carnaval se fosse este ano em fevereiro não saia... Vamos ver se temos sorte e conseguimos surfar a zonal em condições de chuva e mau tempo aqui por baixo.
 

ferreira5

Nimbostratus
Registo
18 Mar 2007
Mensagens
1,926
Local
Bragança (alt.665m) Lamego (alt.558m)
Uma questão: porque é que a temperatura a 2m nos meteogramas gfs/meteopt para Bragança erra constantemente, qual a razão para esta madrugada apontar uma cota de 450m, o que foi um erro enorme e mais uma vez o que estava mal era a temperatura a 2m! Mesmo agora segundo o meteograma deveriam estar 0° e estão para cima de 2°....é que fico curioso como é que se chegam a essas temperaturas à superfície....:)
 

rozzo

Staff
Registo
11 Dez 2006
Mensagens
2,470
Local
Alcochete/Lisboa
Uma questão: porque é que a temperatura a 2m nos meteogramas gfs/meteopt para Bragança erra constantemente, qual a razão para esta madrugada apontar uma cota de 450m, o que foi um erro enorme e mais uma vez o que estava mal era a temperatura a 2m! Mesmo agora segundo o meteograma deveriam estar 0° e estão para cima de 2°....é que fico curioso como é que se chegam a essas temperaturas à superfície....:)

Já foi explicado no tópico dos Modelos MeteoPT. A temperatura a 2 metros, é a 2 metros do solo naturalmente, mas falamos do solo segundo a representação do modelo. O modelo global GFS tem uma resolução pouco realista e não vê vales, não vê picos nas montanhas, suaviza tudo. Portanto o ponto onde está Bragança, segundo a orografia do GFS, está certamente acima da realidade. Ou seja, segundo a orografia grosseira do GFS, Bragança está bem mais alta que a realidade, daí essas temperaturas irrealistas. Apenas em modelos de resolução maior podes contornar esse problema, e começar a "ver" vales e mais detalhes.

Aqui está a malha do GFS, vê a que altitude está o modelo a representar a orografia onde está Bragança... ;)

 

Meteo Trás-os-Montes

Cumulonimbus
Registo
28 Jan 2007
Mensagens
4,393
Local
Carcavelos /Chaves / Vilardevós - Galiza
Já foi explicado no tópico dos Modelos MeteoPT. A temperatura a 2 metros, é a 2 metros do solo naturalmente, mas falamos do solo segundo a representação do modelo. O modelo global GFS tem uma resolução pouco realista e não vê vales, não vê picos nas montanhas, suaviza tudo. Portanto o ponto onde está Bragança, segundo a orografia do GFS, está certamente acima da realidade. Ou seja, segundo a orografia grosseira do GFS, Bragança está bem mais alta que a realidade, daí essas temperaturas irrealistas. Apenas em modelos de resolução maior podes contornar esse problema, e começar a "ver" vales e mais detalhes.

Aqui está a malha do GFS, vê a que altitude está o modelo a representar a orografia onde está Bragança... ;)


Isto explica muita coisa de facto Rozzo! Obrigado pela partilha. Não há maneira de mitigar este problema?
Afinal à chegada da frente choveu ou nevou em Bragança?
 

Luso Meteo

Cumulonimbus
Registo
22 Set 2012
Mensagens
2,194
Local
Felgueiras, Porto (500 mts)
Isto explica muita coisa de facto Rozzo! Obrigado pela partilha. Não há maneira de mitigar este problema?
Afinal à chegada da frente choveu ou nevou em Bragança?
Eu não estava lá mas digo com quase 100 % de certeza que nevou.
 

MSantos

Staff
Registo
3 Out 2007
Mensagens
9,699
Local
Azambuja / Mte. Barca (Coruche)
Isto explica muita coisa de facto Rozzo! Obrigado pela partilha. Não há maneira de mitigar este problema?
Afinal à chegada da frente choveu ou nevou em Bragança?

A primeira precipitação que chegou era liquida, foi por volta da meia-noite e meia estavam 3ºC nessa altura, depois da precipitação chegar a temperatura baixou e passou a ser apenas neve por volta das 2h30 da manhã.
 

Snifa

Furacão
Registo
16 Abr 2008
Mensagens
10,279
Local
Porto-Marquês:145 m Mogadouro:749 m
Informação especial

Comunicado válido entre 2014-02-03 19:34:00 e 2014-02-07 19:34:00

Assunto: Semana de Mau Tempo em Portugal

Durante a próxima semana uma forte corrente de oeste no Atlântico Norte e a passagem frequente de ondulações frontais de forte atividade pelo território do Continente irão originar episódios de precipitação, vento e agitação marítima fortes e queda de neve nas regiões Norte e do Centro do Continente.

A precipitação será generalizada a todo o território do Continente, persistente, com períodos de maior intensidade e com queda de neve nas regiões do Norte e Centro que, na terça feira e na quinta feira, chegará a cotas de 600 a 800 metros.

O vento predominará de sudoeste ou oeste moderado ou forte, com rajadas que, nos períodos de maior intensidade, serão da ordem de 80 km/h no litoral e de 90 a 100 km/h nas terras altas.

A altura significativa das ondas na costa Ocidental a partir de terça feira, irá variar entre 5 a 7 metros podendo atingir alturas máximas entre 8 e 10 metros.

O IPMA irá manter a vigilância meteorológica, actualizando as previsões sempre que se justifique, recomendando-se que dê a devida atenção aos avisos meteorológicos e que se sigam as orientação dos Serviços de Proteção Civil.

Data de edição: 2014-02-03 19:34:51

http://www.ipma.pt/pt/otempo/comunicados/index.jsp
 

ferreira5

Nimbostratus
Registo
18 Mar 2007
Mensagens
1,926
Local
Bragança (alt.665m) Lamego (alt.558m)
Já foi explicado no tópico dos Modelos MeteoPT. A temperatura a 2 metros, é a 2 metros do solo naturalmente, mas falamos do solo segundo a representação do modelo. O modelo global GFS tem uma resolução pouco realista e não vê vales, não vê picos nas montanhas, suaviza tudo. Portanto o ponto onde está Bragança, segundo a orografia do GFS, está certamente acima da realidade. Ou seja, segundo a orografia grosseira do GFS, Bragança está bem mais alta que a realidade, daí essas temperaturas irrealistas. Apenas em modelos de resolução maior podes contornar esse problema, e começar a "ver" vales e mais detalhes.

Aqui está a malha do GFS, vê a que altitude está o modelo a representar a orografia onde está Bragança... ;)

Obrigado Rozzo. Como se costuma dizer na minha área profissional, Bragança está sobredimensionada....
 

Paulo H

Cumulonimbus
Registo
2 Jan 2008
Mensagens
3,159
Local
Castelo Branco 386m(489/366m)
O problema da T2m do GFS não. É como é... :) Tal como a suavização junto ao mar. Temperaturas a 2m realistas vindas de output directo de modelos em regiões destas só mesmo com um bom mesoscala...

Conhecendo a cota estimada pelo modelo, seria possível apurar a diferença em termos de T2m, o problema é que depois colocava-se o problema do gradiente térmico vertical.. Mas pronto aí, podia-se aferir de um local "próximo" a uma altitude diferente qual a variação de temperatura.

Não conhecendo a cota estimada, teria que se recolher uma amostra suficientemente grande de registos comparativos para avaliar o desvio, eliminando desses dados situações de inversão térmica..

Mas pronto, estaríamos de certa forma a desvirtuar o que o modelo mostra, inserindo alterações..