Discussão e classificação de nuvens

Tópico em 'Aprendizagem e Formação' iniciado por Agreste 21 Fev 2008 às 22:57.

  1. Pedro

    Pedro
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    15 Abr 2009
    Mensagens:
    6,060
    Local:
    Viseu//Coimbra
    Nuvens(ParteII)

    Cirrus: são nuvens situadas em níveis mais elevados da troposfera (acima dos 6000 m nas latitudes temperadas, mas mais baixas nas regiões polares), sendo, então, constituídas por pequenos cristais de gelo que se mantêm suspensos por rápidas correntes de ar que ocorrem nesses níveis, reveladas pelos movimentos observados das referidas nuvens. Quando acontecem de não ser mais sustentados, esses cristais caem na forma de pequenos rastros (virga), ou, no caso de relativa ausência de variação de direcção/velocidade do vento com a altura, conferem aos cirrus uma curva em forma de coma (cirrus uncinus).
    A constituição mencionada, de cristais de gelo, conferem às nuvens cirrus um aspecto essencialmente filamentoso ou de plumas e uma transparência característica, o que faz com que não se obscureçam ou obscureçam pouco quando vistas contra a luminosidade solar. As principais espécies são cirrus fibratus, caracterizada por filamentos dispostos paralelamente ou de maneira irregular (cirrus fibratus intortus), cirrus uncinus, onde os elementos se curvam em vírgula, como já citado, cirrus spissatus, de consistência mais compacta e espessa e, portanto, frequentemente sombreada, e cirrus floccus, formada por pequenos elementos que se organizam regularmente, às vezes deixando cavidades de céu claro bem definidas (cirrus floccus lacunosus). Raramente, observam-se fracos movimentos convectivos influenciando o aparecimento de uma consistência mais cumuliforme, em que protuberâncias mais nítidas que o usual crescem de uma base comum; nesse caso, tem-se a espécie cirrus castellanus.
    As cirrus frequentemente prenunciam a aproximação de trovoadas, particularmente quando se estendem em cirrostratus que por sua vez se adensam em altostratus, ou são resultantes da evolução dos topos de nuvens cumulonimbus que já se dissiparam (variedade identificada pelo termo latino "cumulonimbogenitus"). Uma curiosa formação é aquela disposta em uma forma que lembra uma espinha de peixe (cirrus fibratus vertebratus), geralmente constituindo trilhas de condensação (rastros deixados por aviões a jacto resultantes do acréscimo de vapor de água, um dos constituintes da exaustão dos motores, no ar situado nas imediações) em estado avançado de degeneração.
    Um alto número de cirrus pode ser um sinal de um sistema frontal próximo ou perturbação aérea superior. Isto normalmente transmite uma modificação no tempo no perto do futuro, normalmente ficando cada vez mais tempestuoso. As nuvens cirrus também podem ser as sobras de um temporal. Um grande escudo do cirroso e cirrostratus tipicamente acompanha o alto fluxo de altitude de furacões ou tufões. As cirrus também foram observadas desenvolvendo-se depois da formação persistente de contrails de um avião. O aumento no tráfego aéreo é uma causa possível de um montante crescente de cirrus.

    [​IMG]

    Cirrostratus: Nebulosidade de nível alto caracterizada por camadas uniformes e transparentes bastante extensas, dispondo-se em dois aspectos principais: a espécie cirrostratus fibratus aparece em camadas onde podem ser visualizadas fibras típicas de nuvens superiores, enquanto que cirrostratus nebulosus apresenta-se como regiões de brilhância surpreendentemente uniforme, conferindo ao céu um tom esbranquiçado.

    As camadas periféricas de cirrostratus fibratus encerram elementos mais individualizados, neste ponto evidenciando necessidade de critério para distinção entre cirrus fibratus e a espécie em questão. cirrostratus causam às vezes a aparição dos chamados fenómenos ópticos atmosféricos, principalmente quando sob a forma de uma camada homogénea (nebulosus), entre os quais o mais comum representa o halo 22°, assim chamado pois consiste em uma circunferência colorida ao redor do Sol (ou da Lua, em certos casos) cujo raio interno é de 22 graus de arco.

    Outros relativamente frequentes incluem o círculo paraélico, uma banda branca que passa pelo Sol e se mantém na altura deste (às vezes apresentando regiões proeminentes coloridas sobre o halo 22° ou um pouco além, chamadas de paraélios), e o arco circunzenital (um arco colorido centrado no zénite e com cores espectrais muito vivas). As cirrostratus indicam frequentemente mudanças drásticas no tempo, que se mostram, quanto à nebulosidade, como o surgimento de nuvens altostratus, mais densas, e a aproximação de trovoadas.

    [​IMG]
     
  2. Pedro

    Pedro
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    15 Abr 2009
    Mensagens:
    6,060
    Local:
    Viseu//Coimbra
    Nuvens (Parte III)

    Altocumulus: Altocumulus são lençóis ou camadas de nuvens brancas ou cinzentas, tendo geralmente sombras próprias. Constituem o chamado "céu encarneirado". Com altitude entre 2.400 e 6000 metros.
    É um género que se apresenta em uma grande variedade de formas, constituintes de quatro espécies classificadas e estados transitórios e/ou híbridos. A espécie altocumulus stratiformis compreende camadas frequentemente extensas, compostas por elementos cumuliformes quase perfeitamente individualizados ou interligados por porções menos densas, com coloração não uniforme variando do branco-amarelado ao cinza-sombrio. Aplica-se a nomenclatura altocumulus stratiformis undulatus quando os elementos exibem uma disposição direccional evidente. A variedade perlucidus é bastante comum, observada no caso de as partes arranjarem-se com presença de lacunas, pelas quais pode-se ver o Sol ou a Lua. Em alguns casos, a camada de nebulosidade não é suficientemente espessa para lançar sombras sobre a superfície, trata-se da variedade translucidus; o caso oposto, de uma camada contínua e opaca, identifica-se por altocumulus stratiformis opacus, casualmente complementada por protuberâncias pendentes (altocumulus stratiformis opacus mammatus).
    A espécie altocumulus floccus caracteriza-se por elementos mais apartados, de consistência semelhante aos elementos de altocumulus stratiformis, ou particularmente mais difusos, às vezes apresentando precipitações que não atingem o solo (altocumulus floccus virga). Condições específicas de clima e tempo, geralmente associadas a movimentos convectivos vigorosos nos níveis médios, favorecem a formação de estruturas em bases, dotadas de partes verticalmente mais desenvolvidas, mais evidentes quando vistas próximas ao horizonte, componentes de Altocumulus castellanus, muitas vezes ocorrendo em seguida tempestades severas. Em raras ocasiões, nuvens Altocumulus castellanus constituem a própria génese de Cumulonimbus que exibem, então, bases situadas a uma altura superior à comummente vista.
    Uma última espécie, altocumulus lenticularis, representa a mais intrigante das formas de Altocumulus. Constituem formações semi-estacionárias situadas nos topos de ondulações de correntes de ar que se desestabilizam por atrito sobre acidentes topográficos, geralmente representados por montanhas altas. Há registos de relatos de "objectos voadores não-identificados" provavelmente decorrentes dessas nuvens lenticulares, que de fato mostram contornos surpreendentemente nítidos, sobretudo em sua parte superior.

    [​IMG]

    Altostratus: Nuvens em disposições laminares constituídas por uma estrutura fibrosa comummente regular e compacta. Apresentam coloração acinzentada ou azulada, dependendo da hora do dia ou da distância do horizonte em que são visualizadas, que permitem ocasionalmente a passagem parcial e difusa da luz solar, como através de vidro fosco, de modo que o astro é visto sem nitidez.

    As camadas de Altostratus terminam quase sempre gradualmente, são bordejadas por formações cirrosas mais rarefeitas e esparsas do que no seio da camada, que lembram cirrus spissatus. Prenunciam ou são resultantes de células de tempestade, no primeiro caso são regularmente antecedidas por nuvens Cirrostratus, que se distinguem daquelas por serem mais finas e pelo fenómeno óptico de halo solar, e se espessam gradualmente até que trovoadas antes escondidas atrás do horizonte se tornam visíveis, representadas por nuvens cumulonimbus dificilmente distinguíveis.

    Quando evoluem do colapso das partes médias e altas de nuvens cumuliformes, exibem com frequência protuberâncias pendentes (altostratus mammatus cumulonimbogenitus), resultantes de correntes descendentes de ar. Formações de altocumulus podem estar presentes abaixo de uma camada de Altostratus. A precipitação mais ou menos contínua de chuva ou neve geralmente está associada a Altostratus ou Nimbostratus, estas últimas mais espessas e menos contínuas, mas ambas bloqueiam totalmente o Sol (altostratus opacus).

    [​IMG]
     
  3. Pedro

    Pedro
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    15 Abr 2009
    Mensagens:
    6,060
    Local:
    Viseu//Coimbra
    Nuvens( Parte IV)

    Cumulus(é favor trocar a expressão "nuvens de cúmulo3 por cumulus, uma vez que a tradução da Google está mal feita...;)): As nuvens de cúmulo são um tipo da nuvem com desenvolvimento vertical perceptível e bordas claramente definidas. O cúmulo significa "montão" ou "pilha" em latino. Eles muitas vezes são descritos como "resfolegantes" ou "parecido a um algodão" na aparência. As nuvens de cúmulo podem parecer sozinhas, em linhas, ou em grupos. As nuvens de cúmulo são muitas vezes precursores de outros tipos de nuvens, como cumulonimbus, quando sob o efeito de factores de tempo como instabilidade, humidade, e declive de temperatura. As nuvens de Cumulonimbus podem associar-se com fenómenos como landspouts, trombas de água e tufões. As nuvens de cúmulo tipicamente formam-se quando o ar quente aumenta e consegue um nível do ar comparativamente fresco, onde a humidade no ar se condensa.


    Isto normalmente acontece pela convecção, onde uma parcela do ar é mais quente do que o ar circundante. [1] Como ele aumenta, o ar esfria na tarifa de lapso de adiabatic seca (aproximadamente 3°C por 1000 pés ou 1°C por 100 m), enquanto o ponto de rocio do ar cai por 0.5°C por 1000 pés. Quando a temperatura do ar consegue o ponto de rocio, um pouco de água condensa-se fora do ar para formar a nuvem. O tamanho da nuvem depende do perfil de temperatura da atmosfera e a presença de qualquer inversão. Se o topo do cúmulo cobrir de nuvens alcances acima da altitude onde a temperatura está em ou abaixo do nível glacial, então a precipitação da nuvem é possível. A temperatura do ar ao nível de terra determinará se isto cai como chuva ou neve. O desenvolvimento simplificado de uma nuvem de cúmulo, dada condições é conveniente.
    Em condições ventosas, as nuvens podem formar linhas (ruas de nuvem) paralela com o vento. Em áreas montanhosas, eles também podem formar linhas em um ângulo ao vento, devido à presença de ondas de sotavento acima das nuvens.
    Por cima do mar, as nuvens de cúmulo podem ser encontradas em linhas regularmente espaçadas ou modelos. Os melhores exemplos dessas linhas são encontrados nos ventos comerciais, onde eles podem estender-se para muitas milhas . Tais linhas criam um modelo no movimento vertical do ar, causando-o rolar horizontalmente. Entre as linhas da nuvem são ventos mais fortes, mais tempestuosos, e ligeiramente viram, mas abaixo das linhas da nuvem, um tanto facilmente e mais ventos de apoio prevalecem.
    A altura na qual a nuvem começa a formar-se (base de nuvem) depende do montante da humidade na parcela aérea que forma a nuvem. O ar húmido resultará geralmente em uma base de nuvem mais baixa. Em áreas temperadas, a base das nuvens de cúmulo está à altura normalmente de 8,000 pés (2,400 m) na altitude. Em áreas áridas e montanhosas, a base pode estar a mais de 6000 metros.

    [​IMG]

    Cumulunimbus: Os cumulonimbus são nuvens convectivas de trovoada que se desenvolvem verticalmente até grandes altitudes, com a forma de montanhas, torres ou de gigantescas couve-flores. Têm uma base entre 300 e 1.500 metros e um topo que pode ir até 29 km de altitude podendo até ter quase 3 vezes a altura do monte Everest, sendo a média entre 9 e 12 km. O topo é caracterizado pela chamada "bigorna": uma expansão horizontal devida aos ventos superiores, lembrando a forma de uma bigorna de ferreiro. São formadas por gotas de água, cristais de gelo, gotas super-esfriadas, flocos de neve e granizo.
    As nuvens cumulonimbus ou cumulonimbus são grande desenvolvimento vertical, que internamente é formado por uma coluna de quente, o ar húmido sobe em uma espiral que tem um giro anti-horário no hemisfério norte e horário hemisfério sul. Sua base é geralmente cerca de 2 km de altura, enquanto a parte superior pode chegar a altitude 15 a 20 km. Estas nuvens normalmente produzem chuvas e trovoadas, principalmente quando estão plenamente desenvolvidas. Abreviado: Cb O cumulonimbus (Cb) é um tipo de nuvem de desenvolvimento de alta, densa, com tempestades e mau tempo. Você pode treinar sozinho, em clusters, ou ao longo de uma frente fria em uma linha de instabilidade. As nuvens cumulonimbus são formadas tipo cumulus.

    Os cumulonimbus são alimentados por fenómenos de convecção muito vigorosos (por vezes com ventos de mais de 50 nós). Na base, são formados por gotículas de água, mas nas zonas mais elevadas da "bigorna", são já formadas por cristais de gelo.
    Podem estar associados a todas as formas de precipitação forte, incluindo grandes gotículas de chuva, neve ou granizo. Uma trovoada é basicamente uma nuvem cumulonimbus capaz de produzir ventos fortes e tempestuosos, raios, trovões e mesmo, por vezes, violentos tornados.

    Para sua criação exige a concordância de três factores: * 1. Ambiente de alta humidade. *** 2. Uma massa de ar instável quente. *** 3. Uma fonte de energia para carregar essa massa quente e húmida, rapidamente. Este movimento de alta é causada pelo ar frio, sendo mais pesado é introduzido como uma cunha no sentido horário e levantar o ar quente e húmido que rapidamente se torna uma nuvem escorregue gira anti-horário e está se espalhando anvil-shaped. Os locais típicos grande formação dessas nuvens são encontradas em zonas temperadas em torno de uma linha de frente fria perto do mar (onde a brisa do mar pode fornecer energia para a tempestade, ou nas montanhas, onde as encostas de barlavento o vento é forçado a subir fazendo com que o ar quente (menos denso) equivale a que dão origem a fortes chuvas e tempestades. O cumulonimbus servir para equilibrar, nos trópicos, pequenas áreas de instabilidade que são causados por insolação. Sempre gerar sua própria energia por acumulação de calor em uma área muito mais ampla do que a própria base de cumulonimbus. Quando o ar quente fica acima massas mais frias (que estão abaixo), começa concomitante de refrigeração e condensação do vapor de água em gotículas de água. E, esta condensação aquece o ar ao redor do calor latente, avançar com a ascensão das massas de ar. Continuando com o aumento da massa de ar, gotículas de água são resfriadas assim que começa o processo de formação de cristais de gelo. Gravidade faz com que estas gotículas e / ou dos grãos de gelo começam a cair, provocando um movimento descendente que deve competir com os outros para cima. Instabilidade entre as rajadas em ascensão (com humidade e nuvens) e rajadas decrescente de ar (frio e seco), produz a electricidade estática que se acumulam na cumulonimbus. A descarga de electricidade faz com que esta raios e trovões. Desde o final da primavera ao início do Outono, tem mais oportunidades cumulonimbus formadas, e ainda mais ao anoitecer, devido ao calor acumulado no solo por insolação. Claro, que terá uma frente fria que o aumento de ar quente é empurrado para mais longe, a rápida emergência das massas de ar mais frio. Mesmo um momento chamado de "Prefrente", onde parece que o ar quente (demais) é "cortar com uma faca" do ar frio. Isso pode acontecer em qualquer época do ano, como evidenciado pelas tempestades que podem ocorrer em conjunto com tempestades de neve no inverno.

    [​IMG]

    Stratocumulus: Tipo de nuvens que compõe a maior parte da nebulosidade de nível baixo, que, mais frequentemente, está disposta em camadas de moderada extensão apresentando uma coloração acinzentada (ou tendendo a amarelada, caso sejam iluminadas pelo Sol baixo), com algumas partes menos espessas pelas quais pode-se ver o Sol, a Lua, ou nuvens mais altas. No caso de aparentarem uma estrutura mais regular, as partes constituintes apresentam-se como rolos, ondulações ou faixas de camada, que revelam entre elas lacunas de céu claro ou partes da nebulosidade sobre existente. Nesse caso, poderiam ser confundidas com Altocumulus, mas seus elementos apresentam maior extensão (em geral, maiores do que 5°), e a maior proximidade do solo pode ser revelada pelo movimento aparente mais rápido ou por bordas menos nítidas, mas sempre de aspecto cumuliforme.

    As stratocumulus são formadas sob uma grande variedade de condições de tempo, desde de espontaneamente em céu claro até pela dissipação das partes baixas de cumulonimbus ou cumulus de grande desenvolvimento. Podem se originar a partir do abaixamento de nuvens Altocumulus e/ou Altostratus já existentes, ou da elevação de camadas de stratus no período de aquecimento diurno, geralmente como intermediárias entre estas e nuvens cumulus.
    Quando resultam do espalhamento horizontal das cumulus que tiveram a ascensão convectiva inibida por uma camada de inversão (sobretudo em finais de tarde nas regiões temperadas, exibindo, então, topos planos quando observadas à distância), denominam-se stratocumulus cumulogenitus ou stratocumulus vesperalis. Antes de mudanças bruscas de tempo, às vezes observa-se uma forma de aparência convectiva mais típica, em que torres cumuliformes erguem-se de uma base ou camada mais ou menos contínua (stratocumulus castellanus). Podem produzir precipitação leve, principalmente nas formas mais espessas ou quando resultam da degeneração de Cb's, caso citado acima.

    [​IMG]


    ;):D;)
     
  4. Rog

    Rog
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    6 Set 2006
    Mensagens:
    4,515
    Local:
    Norte Madeira (500m)
    Estes textos quando são retirados de algum site, livro ou outro, de forma integral ou adaptada, devem ter no final a fonte de citação. É recomendável editar os textos e colocar a(s) fonte(s).
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  5. Pedro

    Pedro
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    15 Abr 2009
    Mensagens:
    6,060
    Local:
    Viseu//Coimbra
    Já o Gerofil me relembrou isso, mas infelizmente, já não me lembro das fontes que usei, uma vez que pertencem a uma a presentação de PowerPoint com 160sildes, e as nuvens já foram feitos há quase 3meses...;)

    Nuvens(Parte V)

    Nimbostratus: Uma nuvem de Nimbostratus é caracterizada por uma camada de nuvem informe que é quase uniformemente a cor cinzenta escura. O "Nimbo" é da palavra latina "o nimbo", significando chuva. É uma nuvem estratiforme que produz a chuva, desenvolvendo bases de nuvem entre a superfície e 10000 pés (3000 m). Nimbostratus normalmente tem uma espessura de 2000 metros.
    Em casos raros, Nimbostratus pode ser muito fino e acompanhado por uma camada separada de altostratus dividido por uma camada clara. Embora encontrado no mundo inteiro, o nimbostratus é encontrado mais comummente nas médias latitudes.
    O Nimbostratus ocorrerá ao longo de frentes quentes onde a massa aérea quente lentamente crescente cria nimbostratus e nuvens de stratus, que são precedidas por nuvens de mais alto nível como cirrostratus e altostratus. Muitas Vezes, quando uma nuvem de altostratus se torna espesso e desce na altitude mais baixa, ele ficará nimbostratus.
    A base de uma nuvem de base de nimbostratus é ofuscada pela precipitação e não é normalmente claramente visível. Em todos os casos, o nimbostratus é acompanhado por pannus, que se desenvolvem abaixo de nimbostratus. Se a camada pannus for completamente opaca, a presença da precipitação indica a presença de nimbostratus. O movimento pannus é lento e uniforme por baixo de nimbostratus.
    O Nimbostratus, stratus, altostratus e stratocumulus cobre de nuvens todos têm uma aparência cinza lisa. Há um número de características que permitem ao observador distinguir nimbostratus de outras nuvens:

    * As stratus trazem a precipitação muito mais leve (chuvisco) do que nimbostratus;
    * As altostratus são mais leves em cores e menos opacas do que nimbostratus, portanto a luz solar pode ser vista por eles;
    * As cirrostratus nunca trazem a precipitação e têm uma estrutura fina, esbranquiçada, parecida a um véu, característica do cirroso;
    * Os stratocumulus trazem a precipitação só leve e têm a base claramente visível com elementos de nuvem separados facilmente eminentes;
    * As cumulonimbus grandes e baixas que cobrem a maior parte do céu podem ser confundidas com nimbostratus. Contudo, trazem a precipitação mais pesada, menos constante. Normalmente, o nimbostratus é uma nuvem de precipitação moderada constante, ao contrário do período mais curto da precipitação tipicamente mais pesada lançada por uma cumulonimbus. Contudo, a precipitação não ocorre ao nível de terra em caso de virga e acompanha outros tipos de nuvem. A precipitação pode durar durante vários dias, dependendo da velocidade da frente fechada que ela acompanha.

    [​IMG]

    Stratus: Representa a forma básica das nuvens estratiformes, como indica o termo latino que a designa, dispostas em camadas de pouca extensão vertical e situadas tipicamente a menos de 500 m do solo, frequentemente encobrindo os topos de colinas. Podem baixar ao nível do solo, causando restrição à visibilidade na forma de nevoeiros.
    As stratus constituem a nebulosidade de uma atmosfera estável, isenta de correntes convectivas, sendo formadas após um período de resfriamento nocturno ou após a passagem de uma frente fria (nesse caso, a cobertura presente, mais espessa e causando precipitação contínua, pode ser nimbostratus) e às vezes causam uma precipitação em pequenas gotas.
    O disco solar muitas vezes pode ser visto sem brilho através de camadas de stratus, mas sem perda de nitidez (ao contrário do que ocorre com Altostratus), e antes de ser completamente descoberto pode ser circundado por uma ténue corona.
    Podem se apresentar sob dois aspectos mais caracterizados: em camada contínua bem uniforme ou com suaves ondulações na base; ou em fragmentos que se movem com rapidez ao vento, mudando constantemente de forma (stratus fractus, melhor descritos como nevoeiros acima do solo). No primeiro deles, denominado stratus nebulosus, o efeito do aquecimento solar nas primeiras horas da manhã faz com que a cobertura apresente uma textura cada vez menos homogénea e se fragmente em elementos em que topos convectivos logo se tornam evidentes, em uma clara evolução para o género cumulus.
    Durante o ciclo de maturação de cumulonimbus, não raro aparecem stratus fractus imersas nas cascatas de precipitação, em virtude da alta humidade do ar que acompanha essas condições, assim como se levantando do solo após uma forte chuva. Sob a influência de montanhas, as nuvens stratus delineam o perfil do fluxo de ar passando sobre elas, dispondo-se em formas com contornos nítidos (stratus lenticularis).

    [​IMG]

    Fractus: As fractus são nuvens pequenas e fragmentadas , que usualmente se encontram por baixo de um ambiente nublado, formando de nuvens maiores, e geralmente rasgadas por fortes ventos.
    As fractus têm padrões irregulares, aparentando ser peças de algodão, alterando-se constantemente, e com frequência, formando-se e dissipando-se rapidamente. Não têm uma base definida. Por vezes são persistentes e formando-se regularmente junto à superfície. Classes comuns são as cumulus fragmentadas abaixo da nuvem principal (scud).
    As fractus podem desenrolar-se de cumulus se o calor do solo não for o suficiente para começar a convecção.
    As stratus fractus distinguem-se das cumulus fractus pela sua menor extensão vertical, cor mais escura, e a maior dispersão das suas partículas.
    As cumulus fractus assemelham-se com uma cumulus fragmentada. Podem ser originadas a partir da dissipassão de cumulus, parecendo neste caso como nuvens irregulares brancas localizadas em distância significante umas das outras. Cumulus fractus podem ser sinal de tempestades de Verão em condições quentes e húmidas. Observado as fractus pode-se descobrir a direcção do vento que está a soprar debaixo da nuvem principal.
    A massa de fractus múltiplas localizadas abaixo de uma nuvem principal designam-se de pannus.

    [​IMG]
     
  6. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    Vê se descobres rapidamente isso pois é chato estarem textos integrais aqui que podem estar protegidos por direito de autor, e se nem sequer indicamos a fonte teremos que os remover.
     
  7. Pedro

    Pedro
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    15 Abr 2009
    Mensagens:
    6,060
    Local:
    Viseu//Coimbra
  8. Pedro

    Pedro
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    15 Abr 2009
    Mensagens:
    6,060
    Local:
    Viseu//Coimbra
    Formação das nuvens:

    Existem nuvens formadas devido ao resfriamento do ar húmido que faz com que a água se condense, outras devido à subida e expansão do ar, quando ele sobe para níveis onde a pressão atmosférica é progressivamente menor e se expande, consumindo energia que é absorvida do calor contido no próprio ar, fazendo com que a temperatura diminua. Este fenómeno é conhecido por resfriamento adiabático. A condensação e congelamento ocorrem em torno de núcleos de condensação microscópicos, como partículas de poeira, processos que resultam no resfriamento adiabático, seguido pela criação de uma corrente de ar ascendente.
    Uma vez formada, a nuvem poderá evoluir, crescendo ou se dissipando. A dissipação da nuvem é resultado da evaporação das gotículas de água, que a compõem, em razão de um aumento de temperatura em virtude da mistura do ar no qual ela está contida com outra massa de ar mais aquecida, o que é conhecido como aquecimento adiabático, ou pela mistura com uma massa de ar seco.
    Em outras ocasiões uma nuvem pode surgir quando uma certa massa de ar é forçada a deslocar-se para cima acompanhando o relevo do terreno. Essas nuvens,conhecidas como "nuvens de origem orográfica", também ocorrem em virtude da condensação do vapor de água pelo resfriamento adiabático do ar.
    Quando uma porção de ar se eleva, expande-se. E essa expansão é adiabática e resulta numa perda de energia que faz com que a sua temperatura baixe de cerca de 9,8 °C por cada quilómetro de elevação.
    Quando uma bolha de ar sobe, passa de uma altitude em que a pressão atmosférica é maior para outra em que ela é menor. Como a pressão exterior diminui, a bolha de ar expande-se, aumentando o seu volume. Como o ar é um bom isolante térmico podemos considerar que toda a energia dispendida para a expansão ("empurrando o ar ambiente à sua volta") vem das moléculas dentro da própria bolha de ar, ou seja, que a expansão é um processo adiabático. Podemos ignorar as fugas para o exterior e considerar que o ar se esfria apenas por descompressão: a temperatura diminui, se reduz a pressão e vice versa. As moléculas de ar perderão alguma energia cinética e o ar arrefecerá. A taxa de arrefecimento é aproximadamente constante: cerca de 9,8 °C/km para ar seco (não saturado). Quando o ar desce, é comprimido e aquece também segundo a mesma taxa (9,8 °C/km).
    O arrefecimento do ar traduz o fato de que a velocidade média das suas moléculas diminui, aumentando a probabilidade de que as moléculas livres de vapor se liguem a moléculas vizinhas, passando ao estado líquido por condensação. Isso leva à diminuição do valor máximo de vapor que pode estar presente no ar, ou seja, provoca um aumento da sua humidade relativa. Se a temperatura desce até ao chamado ponto de orvalho, a densidade de vapor é a máxima, igual à de saturação. A partir desse momento qualquer arrefecimento resultará em que o vapor em excesso tenha que ser removido por condensação, formando-se gotículas de água que podem formar nuvens.
    A condensação do vapor começa a ocorrer na base da nuvem, a que, por isso, se chama «o nível de condensação». Se a temperatura de ponto de orvalho é negativa (nesse caso, chama-se-lhe também o ponto de geada), o vapor pode passar directamente ao estado sólido sob a forma de cristais de gelo, por sublimação. Quando uma molécula livre se liga às vizinhas, perde energia cinética que é libertada para o ambiente sob a forma de calor latente (cerca de 600 calorias por cada grama de vapor de água condensada). As nuvens formam-se a partir da condensação do vapor de água existente em ar húmido na atmosfera. A condensação inicia-se quando mais moléculas de vapor de água são adicionadas ao ar já saturado ou quando a sua temperatura diminui.

    Trabalho organizado a partir de pesquisas efectuadas nas seguintes fontes:

    Catálogo de nuvens, por Alexandre Viana Vieira e Silva - Poços de Caldas, MG – Brasil (site: http://www.avvsilva.net/index.htm);
    Wikipédia (Versão em português, espanhol e inglês)
     
    #68 Pedro, 6 Set 2009 às 18:02
    Editado por um moderador: 6 Set 2009 às 22:55
  9. Pedro

    Pedro
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    15 Abr 2009
    Mensagens:
    6,060
    Local:
    Viseu//Coimbra
    Mammatus: Mammatus, com o significado de nuvem no formato de seios (mama). É um termo da meteorologia aplicado ao padrão de "bolsas" que se formam na base de uma nuvem. O termo "mammatus" deriva do mamma, (mama ou seios), devido algumas pessoas associarem a forma dessas nuvens com a forma dos seios femininos humanos.A formação das nuvens mammatus é rara e na maioria das vezes está associada a formação de nuvens do tipo cumulonimbus (cumulonimbus com mammatus), mas também podem ocorrer na alta atmosfera associadas a stratocumulus (stratocumulus com mammatus), cirrus (cirrocumulus com mammatus) e altocumulus. Também podem ocorrer em “contrails" (nuvens artificias provocadas por aviões) e em nuvens de poeira vulcânicas.

    Características das mammatus:

    Nuvens do tipo mammatus, quando associadas a um cumulonimbus são indicadoras de uma formação severa mas em muitos casos indica que a tempestade está perdendo força. Mammatus são mais frequentemente associada com a nuvem de bigorna que se estende de um cumulonimbus, mas também pode ser encontrado em altocumulus, Altostratus, stratocumulus, e nuvens cirros, assim como nuvens de cinzas vulcânicas. Nos Estados Unidos, observadores do céu pode estar mais familiarizado com o muito distintas e mais comum mammatus cumulonimbus. Quando ocorrem em cumulonimbus, Mammatus são frequentemente indicativos de uma tempestade particularmente forte ou talvez até mesmo uma tempestade tornado. Estes tendem a formar mais frequentemente durante os meses quentes e sobre as porções centro-oeste e leste dos Estados Unidos e, mais raramente sobre o oeste e sudoeste. Devido ao ambiente intensamente tosquiada de que forma mammatus, aviadores são fortemente aconselhados a evitar cumulonimbus com mammatus. Mammatus pode aparecer como liso, áspero ou irregular lobos e pode ser opaco ou semitransparente. Porque mammatus ocorrer como um agrupamento de lobos, a forma como elas se juntam pode variar de um cluster isolado para um campo de mama que se espalhou por centenas de quilômetros a ser organizados ao longo de uma linha, e pode ser composto de desiguais ou similar-sized lobos. O mammatus individual lobo diâmetro médio de 1-3 km e duração em média de 0,5 km. Um lobo pode durar uma média de 10 minutos, mas todo um conjunto de mama pode variar de 15 minutos a algumas horas. Eles geralmente são compostos de gelo, mas também pode ser uma mistura de gelo e água líquida, ou ser composto quase inteiramente de água líquida.


    [​IMG] [​IMG]


    Lenticularis:

    As nuvens lenticulares são nuvens em forma de lente estacionárias que se formam na alta altitude, normalmente alinhada ou perpendicular à direcção de vento. As nuvens lenticulares podem ser separadas em altocumulus que suportam lenticularis (ACSL), stratocumulus staticus lenticularis (SCSL), e cirrocumulus staticus lenticularis (CCSL).
    Onde há fluxos aéreos húmidos estáveis por cima de uma montanha ou uma variedade de montanhas, uma série de ondas permanentes amplas pode formar-se no lado a favor do vento.
    Se a temperatura na crista da onda cair abaixo do ponto de orvalho, a humidade no ar pode condensar-se para formar nuvens lenticulares. Em certas condições, com muito tempo as cadeias de nuvens lenticulares podem formar-se perto da crista de cada onda sucessiva, criando uma formação conhecida como 'uma nuvem de onda'. Os sistemas de onda causam grandes movimentos aéreos verticais e portanto bastante vapor de água pode condensar-se para produzir a precipitação.
    As nuvens foram confundidas com OVNI´s porque essas nuvens têm uma aparência de lente característica e alisam a forma parecida a um pires. As cores brilhantes são às vezes vistas ao longo da borda de nuvens lenticulares.
    Os pilotos de poder tendem a evitar voar perto de nuvens lenticulares por causa da turbulência dos sistemas de rotor que os acompanham, mas os pilotos de planador activamente procuram-nos. A posição exata da massa aérea crescente é regularmente fácil predizer da orientação das nuvens. "O elevador de onda" desta espécie é muitas vezes muito liso e forte, e permite a planadores voar a altitude notável e grandes distâncias. O mundo actual que desliza regista para ambas as distâncias (mais de 3,000 km; 1,864 mi) e altitudes (15,460 m; 50,721 pés) foram estabelecidos usando tal elevador.


    [​IMG] [​IMG]

    Fonte: Wikipedia pt, es e en.
     
  10. Gerofil

    Gerofil
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    9,727
    Local:
    Estremoz (401 metros)
    Curiosa ‘nuvem-rolo’ sobre o Uruguai

    [​IMG]
    Credit & Copyright: Daniela Mirner Eberl

    Explicação: Que tipo de nuvem é esta? Uma nuvem-rolo (roll cloud). Estas raras e longas nuvens costumam se formar próximas a avançadas frentes frias. Em particular, uma corrente de ar descendente na frente de uma tempestade pode causar o avanço do ar quente e úmido de origem, frio abaixo do seu ponto de orvalho e, em seguida forma uma nuvem. Quando isso acontece de maneira uniforme ao longo de uma frente alargada, uma nuvem em rolo pode se formar. Estas nuvens podem realmente ter ar circulando ao longo do eixo horizontal da nuvem. Uma nuvem em rolo presumivelmente não é capaz de se transformar em um furacão. Ao contrário de uma nuvem em prateleira (shelf cloud) semelhante, uma nuvem em rolo, um tipo de nuvem em arco ( Arcus cloud), é completamente independente de seu parente, a nuvem cumulus nimbus. Na foto acima, uma nuvem em rolo estende-se por grande distância em janeiro de 2009 janeiro, sobre a praia de Las Olas, em Maldonado, Uruguay.

    Rascunho Geo ©


    Morning Glory Clouds Over Australia

    [​IMG]
    Credit & Licence: Mick Petroff; Tip Thanks: James Holmes (Cairns)

    Explanation: What causes these long, strange clouds? No one is sure. A rare type of cloud known as a Morning Glory cloud can stretch 1,000 kilometers long and occur at altitudes up to two kilometers high. Although similar roll clouds have been seen at specific places across the world, the ones over Burketown, Queensland Australia occur predictably every spring. Long, horizontal, circulating tubes of air might form when flowing, moist, cooling air encounters an inversion layer, an atmospheric layer where air temperature atypically increases with height. These tubes and surrounding air could cause dangerous turbulence for airplanes when clear. Morning Glory clouds can reportedly achieve an airspeed of 60 kilometers per hour over a surface with little discernible wind. Pictured above, photographer Mick Petroff photographed some Morning Glory clouds from his airplane near the Gulf of Carpentaria, Australia.

    Astronomy Picture of the Day


    A Lenticular Cloud Over New Zealand

    [​IMG]
    Credit & Copyright: Chris Picking (Starry Night Skies Photography)

    Explanation: What's happening above those mountains? Several clouds are stacked up into one striking lenticular cloud. Normally, air moves much more horizontally than it does vertically. Sometimes, however, such as when wind comes off of a mountain or a hill, relatively strong vertical oscillations take place as the air stabilizes. The dry air at the top of an oscillation may be quite stratified in moisture content, and hence forms clouds at each layer where the air saturates with moisture. The result can be a lenticular cloud with a strongly layered appearance. The above picture was taken in 2002 looking southwest over the Tararua Range mountains from North Island, New Zealand.

    Astronomy Picture of the Day


    A Lenticular Cloud Over Hawai'i

    [​IMG]
    Credit & Copyright: Peter Michaud (Gemini Obs.)

    Explanation: Can a cloud do that? Actually, pictured above are several clouds all stacked up into one striking lenticular cloud. Normally, air moves much more horizontally than it does vertically. Sometimes, however, such as when wind comes off of a mountain or a hill, relatively strong vertical oscillations take place as the air stabilizes. The dry air at the top of an oscillation may be quite stratified in moisture content, and hence forms clouds at each layer where the air saturates with moisture. The result can be a lenticular cloud with a strongly layered appearance. The above picture was taken near Mauna Kea, Hawaii, USA.

    Astronomy Picture of the Day
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  11. Chingula

    Chingula
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    16 Abr 2009
    Mensagens:
    326
    Local:
    Lisboa
     
  12. Gerofil

    Gerofil
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    9,727
    Local:
    Estremoz (401 metros)
    A Roll Cloud Over Missouri

    [​IMG]
    Credit & Copyright: Dan Bush (Missouri Skies)

    Explanation: What kind of cloud is this? A roll cloud. These rare long clouds may form near advancing cold fronts. In particular, a downdraft from an advancing storm front can cause moist warm air to rise, cool below its dew point, and so form a cloud. When this happens uniformly along an extended front, a roll cloud may form. Roll clouds may actually have air circulating along the long horizontal axis of the cloud. A roll cloud is not thought to be able to morph into a tornado. Unlike a similar shelf cloud, a roll cloud is completely detached from their parent cumulonimbus cloud. Pictured above, a roll cloud extends far into the distance in the summer of 2005 above Albany, Missouri, USA.

    Astronomy Picture of the Day


    Shelf Cloud Over Saskatchewan

    [​IMG]
    Credit: Jeff Kerr

    Explanation: Perhaps it's time to go inside. Such thoughts might occur to people witnessing the approach of an impressive shelf cloud. Shelf clouds are typically seen leading thunderstorms, although they may precede any well defined front of relatively cold air. Shelf clouds differ from roll clouds because shelf clouds are attached to a larger cloud system lurking above. Similarly, shelf clouds differ from wall clouds because wall clouds typically trail storm systems. The above pictured shelf cloud was photographed toward the southwest during a trip crossing the prairies of Saskatchewan, Canada on the Trans-Canada Highway in 2001 August. A rising Sun illuminated the impressive cloud from the east as it advanced from the west.

    Astronomy Picture of the Day
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  13. Gerofil

    Gerofil
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    9,727
    Local:
    Estremoz (401 metros)
    Anatomia de uma tempestade

    [​IMG]

    [​IMG]

    Researchers on NASA’s DC-8, a flying laboratory, have launched a six-week hunt for thunderstorms. They’re part of a team of 100 researchers from 29 organizations participating in Deep Convective Clouds and Chemistry (DC3), a field campaign based in Kansas sending aircraft to Alabama, Colorado, and Oklahoma to sample how storms affect the chemistry of the upper troposphere.
    The preferred target: large multicell and supercell storms with powerful updrafts capable of lofting volatile pollutants and moisture-rich air nearly 12,000 meters (40,000 feet) up in the atmosphere, a height that pollutants wouldn’t reach without a boost from a storm. They are particularly interested in understanding how certain pollutants react with nitrogen oxides produced by lightning to generate ozone, a greenhouse gas that has a strong impact on the climate at this altitude.
    Four days into the campaign, the researchers found just the sort of storm they were looking for developing southwest of Cheyenne over central Oklahoma. According to a summary of the flight posted on the campaign's website, the storm cell formed rapidly around 5:00 p.m., and by 5:45 p.m. the DC-8 and the National Center for Atmospheric Research and National Science Foundation’s Gulfstream-V had reached the storm's southern edge and started taking samples.
    The image above, a photograph taken by DC3 Principal Investigator Chris Cantrell as the Gulfstream-V was approaching from the south, shows the structure of the storm cloud. Vigorous convection has created a strong updraft near the center of the storm where warm, moist air rises quickly upward, sometimes at speeds up to 160 kilometers per hour (100 miles per hour).
    The flat bank of cirrus clouds spreading outward and forming the cloud’s anvil mark the edge of the tropopause. The tropopause is the boundary between the lowest layer of the atmosphere where most weather occurs and air often flows vertically (the troposphere) and a higher layer where air flow is mainly horizontal (the stratosphere).
    The tropopause behaves like a wall, deflecting the updraft's rising air and causing it to spread outward in a way that molds the upper part of clouds into the distinctive anvil shape. However, convection sometimes pushes moisture past the top of the cloud and into the tropopause, creating bubbling protrusions called overshooting tops. These protrusions are usually short lived and wispy, but they tend to persist longer above severe storms like this one.
    While the DC-8 was at a low altitude measuring air flowing into the storm, the Gulfstream-V measured the outflow near the top of the storm. The plane made two passes directly though the anvil and one above it. The instruments on the Gulfstream-V detected elevated levels of carbon monoxide and methane near the top of the storm, suggesting the updraft had lofted pollutants from the surface high into the atmosphere. Instruments on the DC-8, meanwhile, detected high levels of aerosols entering the storm, possibly smoke that had wafted to the area from fires in Mexico.
    As the aircraft were sampling the storm, satellites were observing the broader scene from above. An imager on the geostationary GOES-East satellite captured the lower image at 7:15 p.m. on May 19, 2012. It shows the storm front stretching across Oklahoma and into Kansas. The dark specks that give texture to the front are overshooting tops. The approximate location of the aircraft when it observed the storm is marked with a circle.

    Fonte: NASA (earthobservatory)
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  14. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    9,827
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    Formação de uma nuvem no Mar Negro.

    (Monte Ai-Petri, Crimeia, Ucrânia - Yevgen Timashov, National Geographic PhotoContest 2010)

    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  15. 4ESTAÇÕES

    4ESTAÇÕES
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    30 Dez 2010
    Mensagens:
    3,031
    Local:
    Marinha Grande/Leiria/Fátima/Lisboa
    Essa coluna de "nevoeiro" que se estende da nuvem ao mar é precipitação ou é mesmo vapor de água a elevar-se?:eek:
     

Partilhar esta Página