Transição Energética em Portugal

Tópico em 'Ciência Geral, Tecnologia e Energia' iniciado por Orion 17 Nov 2017 às 14:24.

  1. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    18,117
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
  2. hurricane

    hurricane
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Nov 2007
    Mensagens:
    1,594
    Local:
    Bruxelas, Bélgica
    Va dizer isso aos paises em desenvolvimento que sofrem diariamente com os problemas ambientais.
     
  3. dahon

    dahon
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    1 Mar 2009
    Mensagens:
    1,531
    Local:
    Viseu(530m)/Coimbra
    Sempre soube que a comunicação não é o meu forte. :lmao: Por isso eu que eu fui para a engenharia.:D

    @MSantos o que quis dizer é que para Portugal desactivar as duas centrais a carvão não é um desafio, isto porque já representa pouco da nossa produção anual.
    Agora um Sistema eléctrico 100% renovável, esse sim por enquanto ainda é muito complicado de implementar.

    Contudo neste momento já poderíamos desactivar pelo menos uma das centrais a carvão sem grandes problemas. Aqui o grande entrave será os preços da electricidade. Ao usarmos mais a centrais a gás o preço da electricidade vais subir. Mas isto era se fosse feito agora, até 2030 temos mais que tempo para preparar a sua desactivação(das centrais a carvão) sem influenciar o preço da electricidade.
     
    MSantos gostou disto.
  4. dahon

    dahon
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    1 Mar 2009
    Mensagens:
    1,531
    Local:
    Viseu(530m)/Coimbra
    MSantos gostou disto.
  5. fablept

    fablept
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    12 Nov 2008
    Mensagens:
    1,251
    Local:
    Ponta Delgada - Açores
    De acordo com a minha conta de luz (baseado em 2016), 30% da minha energia provém da geotermia...mas acho que ele valor já foi superior..
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    MSantos gostou disto.
  6. MSantos

    MSantos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    3 Out 2007
    Mensagens:
    9,176
    Local:
    Foros Charneca (Benavente) / Mte. Barca (Coruche)
    Já foi feita uma experiência com uma eólica numa plataforma flutuante, o WindFloat que esteve ao largo da Costa do Litoral Norte. ;)
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  7. MSantos

    MSantos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    3 Out 2007
    Mensagens:
    9,176
    Local:
    Foros Charneca (Benavente) / Mte. Barca (Coruche)
    A comunicação estava óptima, eu é que li mal o teu post! :D:o
    (ou editaste-o entretanto?) :D
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  8. MSantos

    MSantos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    3 Out 2007
    Mensagens:
    9,176
    Local:
    Foros Charneca (Benavente) / Mte. Barca (Coruche)
    Países esses que querem ter luz em casa, de forma barata (do carvão)...

    O problema não é assim tão simples, se fosse já amanha estariam resolvidos os problemas das emissões poluentes. A malta não polui por prazer, polui porque é o caminho mais fácil e barato de ter energia, mas obviamente que o paradigma tem que mudar. A mudança já está a ocorrer, infelizmente ainda de forma lenta, mas deve acelerar o ritmo nos próximos anos (a necessidade assim o exige).
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    WHORTAS gostou disto.
  9. algarvio1980

    algarvio1980
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mai 2007
    Mensagens:
    9,923
    Local:
    Olhão (24 m)
    http://www.jornaleconomico.sapo.pt/...o-pagar-mais-36-milhoes-de-euros-a-edp-234433

    Ainda, temos a energia barata toca a aumentar.

    Se estão, à espera que a aposta em renováveis não vai encarecer ainda mais a energia é uma verdadeira falácia em Portugal. :rolleyes:

    A energia solar ainda está cara, as empresas não investem sem apoios europeus, a população em geral não tem esse dinheiro para investir e ver só o seu retorno ao fim de 5 a 6 anos e nas melhores das hipóteses.

    A maioria dos dimensionamentos para energia fotovoltaica que realizei para uma cadeia de hotéis e algumas fábricas de sal e pescas aqui no Algarve, quando apresentei o relatório pormenorizado quer a nível de produção, quer a nível de investimento, disseram-me quando existir apoios europeus a rondar os 90% do projecto, nós conversamos. :rolleyes:

    Quanto, aos mais pequenos, 1 ou 2 painéis na maioria dos casos, mas não vai resolver em nada. Tinha alguns projectos agrícolas no Alentejo que foram já pelo cano abaixo com a seca, estavam interessados em investir mas com a seca, estão aplicar o dinheiro na alimentação dos animais.

    Embora, a maioria queira vender o excedente à rede, mas com esta lei do autoconsumo quase não se aplica, vender para ganhar uns 5 cêntimos/Kw nem tanto, mais vale estar quieto.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  10. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,730
    Local:
    Arroja, Odivelas (140m); Várzea da Serra (900m)

    @dahon, apesar das centrais a carvão representarem 9% da capacidade instalada em Portugal, o seu papel continua determinante na produção de energia. Por isso é que não as desligam.
    Este ano, até ao final de Outubro as centrais a carvão produziram o equivalente a 27,7% da electricidade consumida. A eólica está nos 23,5%. E não está a ser um ano fraco em termos eólicos. (Índice eólico de 0,98).
    Em 2016, e considerando o mesmo período de tempo - os primeiros 10 meses do ano, a produção hídrica foi excepcional: 1,59!! A eólica 1,04. Mas ainda assim as centrais a carvão produziram o equivalente a 22,8% da electricidade consumida. E como dizes, e bem, são tão somente 9% da capacidade instalada. A eólica representa 25% da capacidade instalada.

    E isto acontece porquê? Porque as renováveis são energias intermitentes, e claro, porque o carvão é muito mais barato e está sempre a bombar. Ambiente? Poluição? O que é isso? Conta para reduzir o défice? Aumenta o nosso PIB? :p É mais ou menos isso que está no pensamento de quem governa.

    Mas bom, isto para dizer que, se 5GW de eólica, têm estado a produzir menos (na globalidade) que as duas centrais a carvão, como é que com apenas 1GW de fotovoltaico, irias substituir o funcionamento dessas centrais? Nem com 3 ou 4GW...

    Isto sim, é para mim o grande desafio tecnológico dos próximos anos! Já imaginaram todos os arredores dos centros urbanos (dormitórios) a produzir electricidade para o centro urbano? Neste momento as grandes centrais de produção renovável estão quase todas longe dos centros urbanos...
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
    rokleon e MSantos gostaram disto.
  11. dahon

    dahon
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    1 Mar 2009
    Mensagens:
    1,531
    Local:
    Viseu(530m)/Coimbra
    Não, eu não editei. Aliás desde o inicio eu tentei dar a perceber que na minha opinião Portugal pode livrar-se muito facilmente das centrais a carvão. Mas houve quem percebesse que eu estava a dizer que era fácil passar para 100% renovável(o que não é). A partir de certo ponto pensei que me estava a expressar mal.:lol:


    Não confundir Produção com Distribuição. Quem faz os preço são os produtores a distribuição é um monopólio regulado e é paga para prestar esse serviço. E uma das formas para melhorar esse serviço(investir na rede) é com incentivos (prémios) se não ficava quietinha e só mantinha como está. Devido a essa confusão é que a ERSE vai obrigar a EDP Distribuição mudar de nome. Para que não se confunda com a EDP Produção e a EDP Comercial.

    Quanto ao preço da electricidade concordo que é cara, mas isso vai mais além do preço das renováveis, o défice tarifário que ainda vamos andar a pagar até 2020, se não me engano, advém de muitas negociatas feita em prejuízo do consumidor. Isto tudo com a conivência dos governos.

    Em relação ao solar(fotovoltaico), não sei os preços dos contratos que se tem feito ultimamente,li qualquer coisa que na India bateram records de valores mais baixos, mas lembro-me de ler que nos EUA, no ano passado já se fizeram contratos muito próximos das centrais a gás. Alem disso a previsão é que em 2021 a energia solar(fotovoltaico) seja mais barata que o carvão. Mas isto é em grande escala como é óbvio, os preço dos painéis para por nas casa e empresas em BT não se nota essa redução de preços tão facilmente.
     
    MSantos gostou disto.
  12. dahon

    dahon
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    1 Mar 2009
    Mensagens:
    1,531
    Local:
    Viseu(530m)/Coimbra
    Compreendo perfeitamente e sei a importância que tem tido as centrais a carvão, principalmente na situação excepcional que nos encontramos. Mas por isso é que eu falei nas de Gás. Se forem reparando nunca se atinge o máximo da capacidade instala das centrais de gás. Eu sei que convém deixar uma margem para resposta, já que as centrais a gás tem um tempo de resposta curto. Mas mesmo num dia como o de hoje em que praticamente não houve vento e a produção hídrica foi só para responder ao dois picos de consumo. As centrais a gás no máximo chegaram aos 80% da capacidade instalada e estávamos a exportar para Espanha. Basicamente o que eu quero dizer é, quando necessário usemos mais gás do que carvão ou só gás caso seja possível. Claro isto com os seus custos associados.

    Eu estou a fazer disto um exercício de redução de poluição o máximo possível, ou seja usar o mínimo possível de carvão. Basicamente tentar perceber que passos tomar para acabar com a centrais a carvão em Portugal.

    Quanto ao fotovoltaico é óbvio que sozinho não substitui o carvão na sua totalidade mas em condições favoráveis como as de hoje durante um certo período do dia com mais, vá, 1,5 GW instalados conseguirias suprir a necessidade das centrais de carvão. Falo em 1,5 GW porque nós já temos instalados 460MW e sendo que o total da capacidade das centrais de carvão é 1,76 GW. Como diz o outro é fazer as contas.:D



    Sem dúvida que é um grande desafio tecnológico, mas eu diria também financeiro. Pois teremos que proceder a uma remodelação profunda da rede de distribuição. Principalmente no que diz respeito a inteligência, protecções e armazenamento.
     
    #27 dahon, 18 Nov 2017 às 00:15
    Última edição: 18 Nov 2017 às 00:23
    MSantos gostou disto.
  13. guisilva5000

    guisilva5000
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    16 Set 2014
    Mensagens:
    4,845
    Local:
    Estocolmo, Suécia
    Acho que se apostarem na eólica no mar vai ser um grande puxão para as renováveis, principalmente no Verão graças à nortada, em conjunto com a fotovoltaica, poderia colmatar o défice da hídrica em período de seca. Por outro lado, em período de chuva, podia corrigir a ineficiência da fotovoltaica, graças à nebulosidade.

    Contudo, colocar aqueles monstros a flutuar no mar deve custar quase a dívida de Portugal lol

    O nosso país tem tudo para ganhar avanço quanto a energia renovável, principalmente quanto ao vento e ao sol. A hídrica é um grande pilar da nossa energia atualmente, mas com as frequentes secas que vão ocorrer no futuro, vai ser cada vez menos relevante.
     
    MSantos e rokleon gostaram disto.
  14. slbgdt

    slbgdt
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    31 Jan 2015
    Mensagens:
    376
    Local:
    Barcelos
    Pode se investir muito na eólica e solar mas a única forma de armazenar energia são as hídricas com a bombagem ou as centrais a combustíveis fósseis.
    Melhor que uma qualquer centra a gás com ciclo combinado seria mesmo uma central nuclear.
    E o futuro passará pela fusão nuclear logo que se consiga controlar a mesma.
    Mas o nuclear é assunto tabu, apesar de ser uma energia limpa, devido a um erro humano em Chernobyl e a um sismo e a um tsunami excecionais.
    A título de exemplo roubado da Wikipédia.
    " (por exemplo, a fusão de poucos cm³ de deutério, um isótopo de hidrogênio, produziria uma energia equivalente àquela produzida pela queima de 20 toneladas de carvão)."
     
  15. dahon

    dahon
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    1 Mar 2009
    Mensagens:
    1,531
    Local:
    Viseu(530m)/Coimbra
    Eu sei que isto é um tema algo controverso. Mas não posso concordar em chamar "energia limpa" à energia produzida por uma central nuclear de fissão. Chamar limpo a um método que produz lixo radioactivo, o qual é armazenado de forma temporária há mais de 70 anos, pois até hoje ainda não se sabe o que fazer com ele. Não consigo concordar.
     
    MSantos gostou disto.

Partilhar esta Página